Como começou, como está indo: a trajetória da vice-presidente dos EUA, Kamala Harris

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A foto da esquerda mostra Kamala Harris aos 14 anos em Berkeley; à direita, ela aparece no momento de seu juramento na cerimônia de posse

“Quando ela fizer o juramento de posse”, disse a senadora do estado de Minnesota Amy Klobuchar no dia da posse da vice-presidente Kamala Harris e do presidente Joe Biden, “crianças em todo o mundo saberão que tudo e qualquer coisa é possível.”

Kamala foi empossada pela juíza associada da Suprema Corte Sonia Sotomayor, com a mão esquerda apoiada em duas Bíblias seguradas por seu marido, Doug Emhoff. A que aparecia no topo era uma Bíblia usada pelo falecido juiz da Suprema Corte Thurgood Marshall.

LEIA TAMBÉM: O que a eleição de Kamala Harris significa para liderança de jovens mulheres negras

Segundo o “Mercury News”, a segunda Bíblia pertencia à falecida Regina Shelton, uma mulher que Kamala considerava uma “segunda mãe” que cuidou dela e de sua irmã Maya. Shyamala Gopalan trabalhava até tarde no laboratório da Universidade de Washington. Berkeley.

O início de tudo

“É um lembrete de que Kamala continua ligada a sua educação, a tudo que lhe foi ensinado e às mulheres fortes que estiveram ao seu lado”, disse Saniyyah Smith, a neta mais velha da falecida Regina Shelton, ao “Mercury News”. Em 1978, Smith era uma criança e Kamala, hoje com 56 anos, era uma adolescente. Agora com 43 anos, Smith e sua mãe compareceram à cerimônia como convidadas da vice-presidente.

A casa de Shelton era decorada com pôsteres de Frederick Douglass e Harriet Tubman. Lá, ela ensinou às irmãs Harris que elas podiam ser o que quisessem.

Kamala não é apenas a primeira mulher negra e descendente de asiáticos a ser eleita vice-presidente, ela também é a primeira a ocupar o cargo que foi criada por uma mãe solteira e divorciada que imigrou de Chennai, Índia, e se tornou uma cientista biomédica e especialista em câncer de mama.

Aprendemos um pouco mais sobre Kamala com Derreck Johnson, um amigo próximo da vice-presidente que também esteve presente na cerimônia. Ele disse ao “Mercury News” que a conheceu quando eles tinham 16 anos e passavam os verões dirigindo por Oakland em seu carro esporte amarelo conversível amarelo.

“O sonho americano é real”, disse Johnson sobre a inauguração. “A maioria das pessoas que são preparadas vieram de posições privilegiadas da sociedade.”

Mas não Kamala. Ela, a mãe e a irmã moravam no andar de cima de um apartamento duplex. O pai jamaicano conheceu a esposa quando era estudante de graduação em Berkeley. Casaram-se em 1963, se separaram quando Kamala tinha cinco anos e se divorciaram quando ela tinha sete. Gopalan faleceu em 2009 de câncer de cólon, e disse ao “SF Weekly” em 2003: “Nunca vim para ficar. É a velha história: me apaixonei por um cara, nos casamos, logo vieram os filhos.”

VEJA TAMBÉM: As mulheres mais poderosas do mundo em 2020

Seu pai, Donald Harris, escreveu em um ensaio que perdeu uma “batalha difícil pela custódia” de Kamala e sua irmã, de acordo com a “Marie Claire”. “Mesmo assim, eu persisti e nunca desisti do meu amor pelos meus filhos e nunca reneguei minhas responsabilidades como pai.”

Hoje em dia, ele é um professor aposentado de Stanford. Amigos da família disseram ao “Washington Post” que o relacionamento entre Kamala e o pai é “tenso”, mas que agora estão em “bons termos”.

“Mas aos 82 anos ele tem pouco desejo pela atenção ou fama que viriam com a ascensão de sua filha”, escreveu o repórter do “Washington Post” Robert Samuels.

Educação

Segundo o “San Francisco Chronicle”, Kamala fazia “parte da segunda classe a promover integração nas salas de aula de Berkeley, quando ela começou a estudar em 1969”, um fato que ela trouxe a Biden em um debate democrata. Após o divórcio em 1972, sua mãe foi contratada para fazer pesquisas no Canadá e, aos 12 anos, Kamala e sua irmã se mudaram para lá com a mãe.

Logo voltaram a morar em East Bay, mas depois de se formar em uma escola pública, Kamala foi para Washington em busca de seu diploma de bacharel em ciências políticas na Howard University, a universidade historicamente negra mais antiga da América. Lá, ela se juntou à fraternidade Alpha Kappa Alpha. Em 1986, passou a estudar direito na Universidade da Califórnia, no Hastings College of the Law, e se formou em 1989.

Ela atuou como presidente do Black Law Students Association do campus e como defensora de uma maior diversidade na universidade como parte do Programa de Oportunidades de Educação Legal.

Carreira na lei

Em 1990, após a faculdade de direito, Kamala assinou contrato com o Gabinete do Procurador Distrital de Alameda County como procuradora distrital adjunta, onde processou casos de homicídio e roubo. Em 1998, ingressou no Gabinete do Promotor Público de São Francisco, onde liderou a Unidade de Carreira Criminal. Kamala processou três casos de greves e infratores em série e atuou como chefe da Divisão de Famílias e Crianças do Ministério Público de São Francisco.

LEIA MAIS: Poema inaugural de Amanda Gorman foi inspirado nos motins do Capitólio

Ela foi eleita promotora distrital em 2003, derrotando o titular de dois mandatos Terence Hallinan, e ganhou novamente sem oposição para um segundo mandato em 2007, segundo sua biografia em Hastings. Kamala foi a primeira afro-americana e asiática-americana a ocupar o cargo de promotora distrital na Califórnia. Em 2010, os eleitores a escolheram para ser a 32ª procuradora-geral do estado.

Como procuradora geral, Kamala mostrou sua independência de pressões políticas, quando rejeitou a pressão do governo Obama para que ela resolvesse um processo nacional contra credores hipotecários por práticas injustas. Em 2012, ganhou um julgamento cinco vezes maior do que o originalmente oferecido. Ela se recusou a defender a Proposição 8, a proibição de casamento entre pessoas do mesmo sexo em 2008, o que foi fundamental para sua revogação em 2013.

Carreira como senadora

Depois de fazer um discurso poderoso na Convenção Democrática de 2012, Kamala foi recrutada para concorrer à vaga no Senado dos Estados Unidos, que na época estava sendo desocupada por Barbara Boxer. Em 2015, ela fez uma campanha por reformas de imigração e justiça criminal, aumento do salário mínimo e proteção dos direitos reprodutivos das mulheres. Em 2016, veio a vitória.

Quatro anos atrás, Kamala tornou-se a primeira asiática-americana a servir no Senado dos Estados Unidos e a segunda mulher negra no cargo. Ela ganhou nomeações para o Comitê Seleto de Inteligência e o Comitê Judiciário. Seu estilo interrogativo durante as audiências chamou a atenção da mídia e motivou críticas de senadores republicanos.

Corrida pela Casa Branca

Kamala lançou sua campanha para presidente em 27 de janeiro de 2019, com 20 mil pessoas comparecendo ao comício inicial em sua cidade natal, Oakland, Califórnia. Naquele ano, ela perdia apenas para Biden nas pesquisas de opinião pública. Ela recebeu muitos elogios por seu desempenho em um dos primeiros debates contra o então grande campo de candidatos democratas.

Mas os números da pesquisa despencaram nos meses seguintes e no início de dezembro ela desistiu da corrida presidencial, alegando dificuldades para arrecadar fundos.

VEJA MAIS: Joe Biden toma posse como novo presidente dos Estados Unidos

Kamala foi a primeira concorrente a apoiar Biden, em março de 2020, logo depois que ele passou à frente do senador Bernie Sanders com uma série de vitórias nas primárias estaduais. “Eu acredito em Joe”, disse. “Uma das coisas de que precisamos agora é de um líder que realmente se preocupe com as pessoas e que possa unificá-las”, afirmou Kamala. “E eu acredito que Joe pode fazer isso.”

Em agosto, Biden nomeou Kamala como sua companheira de chapa, chamando-a de “uma lutadora destemida e uma das melhores servidoras públicas do país.”

Kamala voltou ao Senado no final da tarde após a cerimônia para empossar os novos senadores dos pais em seu cargo oficial de presidente do Senado.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).