BMW i4 coupé: fizemos o test-drive do novo elétrico da montadora

Modelo é o primeiro de médio porte totalmente elétrico da marca alemã .

Nargess Banks
Compartilhe esta publicação:
BMW/Divulgação
BMW/Divulgação

O elétrico BMW i4 coupé é o primeiro modelo totalmente elétrico da montadora nesta classe de médio porte

Acessibilidade


Como a maioria desta primeira geração de elétricos modernos, o BMW i4 cupê se abstém de transmitir seu impulso ecológico a não ser por meio de uma grade fechada e algumas palavras e símbolos discretos. Dirigir o mais recente carro elétrico da montadora alemã, no entanto, é certamente uma experiência diferente.

É rápido, suave e silencioso. A interface é igualmente silenciosa, com a tela flutuante se inclinando levemente em direção ao motorista para não alienar os outros passageiros, como era o caso dos carros da era da combustão. Mostra um grau de confiança para uma marca tradicional ancorada na promessa de condução emocionante e com desempenho.

VEJA TAMBÉM: BMW “8 X Jeff Koons”, o novo carro colecionável da luxuosa marca alemã

À medida que avançamos em direção a um tipo diferente de transporte, é interessante ver como as empresas automobilísticas respondem ao desafio. A BMW monta um portfólio de carros elétricos há vários anos. A estratégia foi definida há mais de uma década, quando a marca decidiu criar uma espécie de submarca dedicada ao transporte elétrico, condução autônoma e muito mais.

O primeiro carro elétrico que dirigi, na verdade, foi o i3 em Londres e arredores. O ano era 2013 e o pequeno grupo de jornalistas reunidos no luxuoso showroom de Mayfair da BMW estava animado por fazer parte desta nova era. A maioria de nós eram jovens repórteres novos no jogo e estavam ansiosos para documentar uma indústria à beira da mudança – de muitas outras maneiras do que só evoluir do motor de combustão para a energia elétrica da bateria, mas isso merece sua própria história.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
BMW/Divulgação
BMW/Divulgação

Interior do BMW i4 com tela flutuante levemente inclinada para o motorista, no estilo dos carros mais antigos

Aquele i3 inaugural foi pioneiro. Foi imaginado e construído como um dispositivo elétrico sobre rodas para guiar motorista e passageiros. A posição do assento, a interface clara, os materiais reciclados e táteis que cobrem todas as superfícies, o amplo teto panorâmico, o motor silencioso – todos reunidos, eles nos pediram para sermos melhores usuários da estrada, mais conscientes dos outros que partilham o espaço urbano.

Mais tarde, fiquei emocionado ao experimentar o dramático i8, que era ao mesmo tempo sexy, moderno, progressivo e legal. O i3 e o i8 eram opostos no espectro dos carros, mas ofereciam uma expressão de direção nova o suficiente para se adequar a essa era intermediária de transporte. Eu ainda lamento o fim do i8.

Esses foram os primeiros dias. Desde então, a BMW progrediu para nos mostrar uma família de elétricos, alguns dos quais já estão em produção para incluir o iX e o i7. E agora este i4, o primeiro modelo totalmente elétrico da montadora nesta classe de médio porte.

VEJA TAMBÉM: Rolls-Royce Cullinan 2022: um santuário sobre rodas

As medidas aerodinâmicas ajudaram a maximizar o alcance elétrico do i4. A grade frontal fechada, na ausência de um motor de combustão e refrigeração necessária, agora serve principalmente como um “painel de inteligência” que abriga vários sensores. Enquanto isso, superfícies limpas, com apenas algumas linhas nítidas ao redor da grade, ajudam com o visual contemporâneo. Os faróis lembram o design clássico de quatro olhos da marca, mas com uma interpretação mais contemporânea, com elementos de luz independentes em ambos os lados.

BMW/Divulgação

Um dos desafios para a BMW tem sido como continuar a narrativa de desempenho e de emoção ao dirigir sem recorrer à paródia e à nostalgia. Há pouco fiz essa mesma pergunta a Adrian van Hooydonk, vice-presidente sênior da marca. Esta foi a resposta: “Por um lado, trata-se de velocidade, mas a emoção também está relacionada com a resposta direta do veículo ao seu comando. Depois, há a tecnologia que funciona bem e o design que fala em um nível emocional. Então, a BMW é uma combinação de algo que é altamente emocional, mas entrega em um nível racional. Isso pode ser motorizado de qualquer maneira possível.”

Ele está certo. A entrega de potência praticamente silenciosa cria uma sensação de condução totalmente nova com o BMW coupé i4. Há bem mais de 480 quilômetros de transporte disponíveis através da bateria no i4 M50 de alta potência que testei – dependendo do seu estilo de condução -, enquanto o carro fornece uma potência de até 544 cavalos, acelera até 100 km/h em cerca de quatro segundos e atinge uma velocidade máxima de 225 km/h.

Por último, mas certamente não menos importante na história da BMW elétrica é o som – um assunto que eu particularmente gosto, pois diz muito sobre como uma marca deseja ser percebida. O jogo costumava envolver com qual empresa de eletrônicos uma montadora se associaria; agora é sobre o compositor.

VEJA TAMBÉM: Os 5 carros de luxo mais aguardados de 2022

BMW/Divulgação

No i4, a função “start/stop” desperta e dorme ao som de uma trilha sonora de motor elétrico de Hans Zimmer. O compositor vencedor do Grammy e do Oscar trabalhou em partituras adicionais a serem lançadas durante o ano para substituir o ruído de aceleração e desaceleração no interior do veículo, dependendo do estilo de cruzeiro que você selecionar.

Se dirigir no futuro está cada vez mais ancorado nesses pequenos detalhes e experiências únicas, então a BMW está no caminho certo.

Compartilhe esta publicação: