Front quer transformar os e-mails corporativos com interface diferente

Forbes USA
A startup Front busca reimaginar a lógica de emails em empresas

Mathilde Collin remexia na mochila enquanto entrava em um prédio com vista para a Torre de Londres, preocupada por ter uma aparência “muito São Francisco” para os executivos que dirigiam uma corretora que recentemente comemorou seu aniversário de 134 anos. Mathilde, CEO da startup Front, estava lá para lançar um software que transforma um e-mail padrão em um espaço de trabalho compartilhado. Algo perfeito para uma equipe de logística que responde a um fluxo de cotações de preços para a disponibilidade de navios de carga em todo o mundo.

Para sua surpresa, foi o corretor, Simpson Spence Young, que prontamente começou a fazer um pitch para ela. A empresa conversou com seus funcionários e descobriu que suas ferramentas de comunicação, mais parecidas com telégrafos de um século anterior, precisavam de uma revisão. Eles queriam a ajuda da Front.

LEIA MAIS: Conheça o homem que pagou US$ 360 mil em um protótipo “Nintendo Playstation”

Ela descobriu que muitas empresas mais antigas, que dependem muito do e-mail, estão ansiosas pela ajuda da Front. “Ter uma nova ferramenta mudaria a vida deles”, diz a empresária de 30 anos. Empresas de tecnologia mais jovens, como Shopify e a líder em pagamentos privados Stripe, também firmaram acordos, pagando entre US$ 9 e US$ 79 por usuário por mês (mais dinheiro gera mais caixas de entrada e recursos). Ao todo, a empresa de sete anos tem 5.500 clientes, e a receita quadruplicou desde 2017 para cerca de US$ 32 milhões no ano passado.

A empresa ainda é pequena, mas seus patrocinadores de elite, incluindo a Sequoia Capital e os fundadores das líderes de software Atlassian, Qualtrics e Zoom (e até a assassina de email Slack) estão apostando na Front. Eles investiram quase US$ 140 milhões na empresa sediada em São Francisco, aumentando recentemente sua avaliação para mais de US$ 800 milhões em janeiro, quatro vezes mais que apenas dois anos antes.

Ao contrário de outros que foram rápidos em declarar a “morte” do e-mail (a Slack até montou uma missão para substituí-lo completamente até entrar no mercado acionário no ano passado) Mathilde e seu cofundador, Laurent Perrin, 38 anos, acreditam que o problema com o protocolo antigo, dominado pelo Microsoft Outlook e pelo Gmail do Google, está na embalagem, não no produto.

Os cofundadores franceses se conheceram via eFounders, um estúdio de startups em Paris, em 2013. Mathilde, que estudou matemática e empreendedorismo na escola de negócios HEC Paris, deixou o emprego por desilusão com a cultura da empresa. Perrin é engenheiro e procurava um novo desafio depois de quase quatro anos como CTO de um serviço de rádio online francês. Após alguns brainstormings, a dupla determinou que uma caixa de entrada compartilhada colaborativa (pense em qualquer e-mail que você receba de uma empresa cujo endereço comece com “informações” ou “ajuda”) serviria como entrada deles nos fluxos de trabalho da empresa.

LEIA TAMBÉM: Bitcoin tem baixa significativa; outras criptomoedas entram em queda livre

Antes da Front, uma consulta de cliente podia desencadear uma enxurrada de e-mails dentro de uma empresa, à medida que os colegas se copiavam e encaminhavam o feedback para obter uma resposta. Com a Front, os usuários obtém acesso a um email compartilhado que trataria as mensagens recebidas como documentos ativos, anexando anotações, marcando colegas e redigindo respostas sem enviar nenhum e-mail.

Com cerca de uma dúzia de empresas de teste a bordo, os cofundadores voaram para a Califórnia para fazer uma entrevista para o prestigioso programa de verão 2014 do acelerador de partida Y Combinator. Mathilde conseguiu fazer um pitch para parceiros, incluindo os criadores do Gmail e do Yahoo Mail. Esperando um feedback profundo, ela recebeu uma mensagem simples: continue seu crescimento. “Havia algo nela, uma competitividade e segurança, que nos tocou”, diz Geoff Ralston, criador do Yahoo Mail, que agora é presidente da Y Combinator. “Foi contra-intuitivo. Sério? E-mail? É isso que vai criar uma nova empresa de bilhões de dólares?”

A Front está nesse caminho, graças aos investidores, mas também seguidores fiéis. Na Edge Logistics, em Chicago, o presidente William Kerr diz que precisava de um funcionário em tempo integral para gerenciar e-mails antes de descobrir a Front. Agora, a empresa pode distribuir automaticamente solicitações de entrada de cotação de maneira uniforme entre seus representantes, que comparam notas e chegam a um consenso sobre as taxas no email antes que um vendedor designado responda. “Na minha empresa, muitas vezes você pode ganhar o emprego sendo o primeiro a se candidatar”, diz Kerr. “Ao longo de 60 mil ou 70 mil empregos por ano, faz uma grande diferença.”

O objetivo final de Mathilde e Perrin é minar o Gmail e o Outlook enquanto conecta mais aplicativos de produtividade à Front, para que seus e-mails colaborativos se tornem o hub central de um funcionário. Os analistas continuam céticos quanto à possibilidade de desafiar a dominância das duas empresas. Ambas as empresas agrupam seus produtos de email com conjuntos de outras ferramentas (G Suite para Google, Office 365 para Microsoft). “Muitas startups encontraram oportunidades sem serem vistas por Microsoft e Google”, diz Daniel Ives, diretor da Wedbush Securities. “Mas minha percepção de emails é a mesma de como a maioria dos consumidores vê guardanapos em um restaurante: eles não vão pagar por isso”.

Patrick Collison, CEO da Stripe, diz que reconhece na Front uma semelhança com seu negócio de pagamentos, agora no valor de US$ 35 bilhões: uma vontade de enfrentar um setor que outros evitavam. Para Collison, a questão não é se a Front pode conseguir compradores, mas quantos eles serão. “É provável que Mathilde descubra isso como qualquer outro CEO em estágio inicial que conheci”, diz ele.

E TAMBÉM: Apple vende menos de 500 mil smartphones na China em fevereiro com impacto do coronavírus

Ela está apostando em si mesma. Recentemente, alguns dos maiores CEOs de tecnologia entraram em contato, diz, incluindo Satya Nadella, da Microsoft, e Marc Benioff, da Salesforce. Para Mathilde, os motivos estão claros. Ela diz que não tem interesse em vender: “Estamos em 0,0001% do que poderíamos fazer”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).