Saiba quais são os três setores que provavelmente sumirão por conta do coronavírus

GettyImages/ KEHAN CHEN
O cinema é um dos setores mais ameaçados durante e depois da pandemia de coronavírus

De líder de mercado a empresário falido. Em menos de dois anos.

Meu tio era chef no melhor restaurante da Austrália, o Banc. O lugar estava sempre lotado. Entre os clientes regulares estavam o magnata da mídia Rupert Murdoch e o ex-presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachev.

LEIA MAIS: Vendas de supermercados e farmacêuticos limitam perdas no varejo do Brasil em março

E o estabelecimento era dirigido pelo chef irlandês Liam Tomlin. Muitos clientes do Banc eram empresários internacionais que estavam na cidade para trabalhar. E esse era o lugar para ir se você quisesse impressionar os clientes.

Mas então o desastre aconteceu. Após os ataques terroristas de 11 de setembro, as viagens aéreas pararam. O Banc passou do restaurante mais exclusivo da Austrália e foi direto à falência em menos de dois anos.

Compartilho essa história porque ela mostra uma poderosa lição sobre rompimentos. Veja, meu objetivo não é apenas ajudá-lo a lucrar com a quebra dos padrões. Você também deve evitar ser pego no lado errado de uma crise.

E isso é mais importante hoje do que nunca. Como venho dizendo, estamos em um dos períodos mais perturbadores da história no momento. O coronavírus chegou e aniquilou algumas das maiores indústrias que conhecemos.

Veja o setor de companhias aéreas, por exemplo. A CNN relata que as aéreas globais podem enfrentar um impacto de US$ 113 bilhões com a crise do coronavírus.

A Boeing deixou de ser a rainha do mundo e passou a implorar por um resgate em questão de semanas. Mas o fato é: todos sabemos que as companhias aéreas acabarão se recuperando quando essa pandemia finalmente terminar. Definitivamente, será muito um período longo e difícil, mas elas sobreviverão.

Outros não terão a mesma sorte. O fato é que, para muitas indústrias, essa crise será o prego final no caixão. Alguns setores nunca voltarão ao que eram antes.

Saber a diferença entre quais irão eventualmente voltar e quais serão eliminadas definitivamente é crucial agora.

Coloque seu dinheiro no lugar errado dessa crise, e isso custará caro. Selecionei, então, três setores destinados ao fracasso. Veja a seguir:

Salas de cinema

A produtora de filmes Universal recentemente detonou uma bomba nuclear em Hollywood. O filme infantil “Trolls 2” se tornou o primeiro filme popular a ser lançado online, ignorando as salas de cinema. As famílias podem assistir em casa por US$ 20.

A Disney seguiu o exemplo, lançando seu mais recente sucesso “Dois Irmãos: uma Jornada Fantástica” digitalmente na última sexta-feira (8). Isso é muito mais perturbador do que a maioria das pessoas imagina.

Os cinemas sempre tiveram uma janela de tempo exclusiva para lançamentos de filmes. Eles exigem direitos exclusivos de 90 dias antes que o filme possa ser exibido em outro lugar. Em suma, é assim que eles ganham dinheiro.

Os cineastas se interessavam pelos lançamentos de filmes online, mas os cinemas sempre impediam essa ideia.

Em 2011, a Universal tentou lançar o filme “Roubo nas Alturas” online quando ainda estava nos cinemas. A Cinemark, a segunda maior cadeia de cinemas da América, disse que não exibiria o filme se fosse lançado em outro lugar.

Com os cinemas fechados em todo o país, os cineastas foram forçados a afrouxar as amarras e lançar filmes online.

E isso não deve ser uma experiência pontual. A Universal disse que não daria mais aos cinemas um período exclusivo após o encerramento da quarentena.

LEIA TAMBÉM: 10 medidas que estão garantindo a sobrevivência dos negócios em meio à pandemia

Este é o fim da maioria dos cinemas. A área já estava com dificuldades antes do coronavírus. De acordo com dados do site Box Office Mojo, em 2019, os cinemas tiveram o menor público desde a década de 1920.

Perder a janela de exclusividade é uma sentença de morte. Milhões de pessoas preferem assistir a filmes em casa. Daqui a cinco anos, os cinemas serão como lojas de discos.

Na verdade, a maior companhia de teatro do mundo, AMC, entrou em negociações de falência no início desta semana. Ela e seus concorrentes tiveram perdas de mais de 75% nos últimos anos:

Lojas de departamento

A Macy’s perdeu 60% de valor desde janeiro. Agora, sua ações estão sendo negociadas no nível mais baixo de todos os tempos. Na verdade, a empresa foi tão prejudicada que foi retirada do S&P 500. A empresa agora vale menos de US$ 2 bilhões, o que é considerado pequeno demais para o índice.

No mês passado, a Macy’s foi “rebaixada” para o S&P 600 Small Cap Index. Mas, não importa a maneira de classificação, uma coisa é clara: a empresa está morta. E não é a única.

Como mencionei antes, lojas físicas como a Macy’s vinham sendo ultrapassadas por lojas inovadoras online nas últimas décadas.

O coronavírus será o golpe final para aquelas que ainda estão de pé. Milhares de lojas simplesmente não irão reabrir suas portas após a quarentena.

Essa é a situação: as vendas online aumentaram 450% desde 2007. Mas uma grande maioria de dólares ainda é gasta em lojas físicas. A quarentena está forçando muitos a comprar coisas online pela primeira vez. Isto é especialmente verdade para as pessoas mais velhas, que são mais vulneráveis, mas com menor probabilidade de comprar pela internet.

Eu imagino que milhões de pessoas estão tendo uma epifania agora. Elas apertaram alguns botões um botão e um pacote apareceu em suas casas alguns dias depois. Então elas se perguntam: “Uau, isso é muito útil. Por que nunca fiz isso antes?”.

O coronavírus abriu as comportas para compras online. Varejistas como Macy’s, Gap, Nordstrom, Kohl, Bed Bath & Beyond e Footlocker dão indícios de estarem indo à falência.

Operadores de espaços de trabalho e escritórios

Recebi uma ligação de um bom amigo no fim de semana. Trevor é dono de uma empresa de transporte em San Francisco.

Ele trabalha principalmente com pequenas e médias empresas e estava conversando com o CEO de uma empresa com mais de 400 funcionários na semana passada. Ele disse a Trevor que a configuração atual de “trabalho remoto” está indo tão bem que ele não irá renovar o contrato de locação quando expirar.

E TAMBÉM: Governo piora projeção do PIB a um recuo de 4,7% em 2020

Marque minhas palavras: o coronavírus é uma revolução no quesito trabalhar em casa.

Essa crise forçou o mundo a um experimento em massa. Dezenas de milhões de pessoas estão trabalhando em casa pela primeira vez.

Está mudando a visão de uma geração inteira sobre o que pode ser feito remotamente. Depois de meses trabalhando em casa, as pessoas percebem que são igualmente produtivas.

Eles passarão a questionar por que precisam ir ao escritório todos os dias. E trabalhar remotamente, digamos, dois ou três dias por semana se tornará o novo normal.

De fato, quando perguntado sobre o trabalho remoto, o diretor de RH do Twitter disse à CNBC: “Não acho que voltaremos ao modo como costumávamos operar”.

Não estou dizendo que os escritórios ficarão totalmente vazios. Mas o número de pessoas que trabalham em casa vai aumentar. E quando 30% do seu escritório estiver vazio todos os dias, os CEOs vão pensar em cortar aluguéis.

Por exemplo, o CEO que Trevor conversou declarou que o trabalho remoto vai economizar à empresa US$ 10 milhões por ano em aluguel e despesas. Essa mudança é um grande golpe para empresas que possuem e operam escritórios, como a CBRE Group e a Boston Properties.

Comprar escritórios chiques em cidades como Nova York e São Francisco tem sido uma aposta segura há décadas. Essa tendência irá mudar à medida que o trabalho remoto virar um padrão, mesmo depois do coronavírus.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).