Como o Louvre conseguiu 10 milhões de visitas online em apenas dois meses

Aplicativos e forte campanha nas redes sociais atraíram interessados na experiência de visitar um museu virtualmente

Alex Ledsom
Compartilhe esta publicação:
GettyImages/ Pascal Le Segretain
GettyImages/ Pascal Le Segretain

O museu do Louvre encontrou na tecnologia uma maneira de se manter relevante e popular mesmo durante a quarentena europeia

Acessibilidade


O Louvre reabre suas portas em 6 de julho pela primeira vez desde que a França entrou em lockdown em março. Além disso, a administração do museu está comemorando o fato de ter recebido 10 milhões de visitantes, mesmo com a estrutura física fechada.

Conforme relatado no jornal francês “Les Echos”, no período entre 12 de março e 22 de maio, o Louvre recebeu 10,5 milhões de visitantes virtuais. Durante esse período, 17% das visitas foram feitas na França e 17% de pessoas nos EUA.

LEIA MAIS: Marcio Kogan e seu filho Gabriel compartilham a paixão pela arquitetura

Para efeito de comparação, durante todo o ano de 2019, o Louvre teve 14,1 milhões de visitas físicas.

O Louvre é o maior museu do mundo e sua vice-diretora de comunicações, Sophie Grange, explicou que o local precisava aproveitar a ideia de usar o smartphone e as mídias sociais para entrar nas casas das pessoas. Ela acrescentou que eles inicialmente sofreram para entender como a tecnologia funcionaria, já que “geralmente você tem que andar pelas obras de arte, elas exigem um momento de cara a cara”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Um grande atrativo foi o aplicativo En tête-à-tête avec La Joconde (frente a frente com a Mona Lisa), que fornece uma experiência de realidade virtual da famosa pintura e sua história.

Um novo serviço para crianças chamado petitlouvre (pequeno Louvre) também teve mais de 76 mil visitas.

Com as hashtags #LouvreChezVous, #CultureChezNous e #MuseumFromHome, o museu ganhou 302.500 assinantes e agora tem quase 9 milhões no total.

O louvre também informou que, durante a quarentena, o Instagram ajudou bastante a atrair pessoas. A conta agora registra mais de 4 milhões de seguidores, muitos dos quais vieram por conta da campanha do museu Getty que incentivava as pessoas a recriarem cenas de pinturas famosas.

Uma parceria com a France Inter criou 10 podcasts para famílias chamados “Les Odyssées du Louvre” (As Odisseias do Louvre, em tradução livre) para explicar os antecedentes das principais obras e histórias das obras de arte do museu, como a “Mona Lisa” e a cidade perdida de Akhenaton.

O Louvre reabre em 6 de julho, mas apenas para pessoas que compraram ingressos online e com antecedência. Não haverá ingressos disponíveis para compra no local. A emissão de bilhetes começa em 15 de junho. As pessoas com ingressos que não puderam visitar enquanto o museu está fechado podem solicitar um reembolso.

LEIA TAMBÉM: Três colecionadoras abrem seu acervo

O museu fechou por dois dias no início de março, quando a pandemia chegou. A ideia era discutir a melhor forma de gerenciar as visitas. Após a reabertura, o Louvre foi forçado a fechar durante a quarentena e agora está autorizado a sair do confinamento, mas usando novas medidas de saúde do governo.

Os curadores do museu estão atualmente trabalhando em como implementar essas medidas e um anúncio será feito antes da abertura para explicar o novo procedimento aos visitantes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: