Bullying no trabalho: quando é a hora de deixar o emprego?

Saiba algumas saídas para lidar com assédio moral na empresa e evitar sintomas de estresse .

Stephanie Sarkis
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Deixar o emprego pode ser a melhor solução para quem é maltratado no trabalho

Acessibilidade


Se alguém em seu escritório está causando estresse suficiente a ponto de impactar sua vida, mas não atende à definição legal de assédio de sua empresa, pode ser hora de cortar seus vínculos e ir embora.

Em primeiro lugar, consulte um advogado trabalhista para saber quais são seus direitos no local antes de decidir deixar o emprego – especialmente se estiver pensando em sair por ter sido tratado injustamente.

LEIA MAIS: Por que o home office pode promover comportamentos mais éticos

Os sinais de que é hora de ir incluem aumento dos sintomas de depressão e/ou ansiedade, que podem se manifestar por meio de indisposição até para sair da cama, por exemplo.

Você pode sentir que não é o momento certo de deixar o seu emprego, especialmente se o mercado de trabalho não for muito promissor. No entanto, considere quantas noites sem dormir você teve como resultado de suportar o comportamento dessa pessoa. Pense em quantas vezes você brigou com a família ou amigos porque estava exausto ao chegar em casa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mesmo se você achar que não pode se dar ao luxo de se demitir, você também pode não ter dinheiro para ficar lá. O bullying e o assédio no trabalho aumentam seu nível de estresse crônico e as chances de desenvolver doenças cardiovasculares.

Se você está sendo tratado indevidamente no trabalho, pode descobrir que isso se manifesta em sintomas físicos. Você sente dores de cabeça ou de estômago após interagir com essa pessoa que o maltrata? Você foi ao médico e foi informado de que não há origem conhecida do seu problema de saúde? É possível que seja devido ao estresse.

Se você seguiu o protocolo de sua empresa em relação a denúncias de assédio e seu empregador não tomou nenhuma medida, suas experiências não atendem aos critérios para ser considerado como assédio, considere se permanecer neste emprego é saudável para você e para as pessoas que o amam.

Embora não seja justo que você tenha que sair, muitas vezes não vale a pena permanecer em um emprego que lhe cause estresse crônico e problemas de saúde. Além disso, em alguns casos, as pessoas tornam a vida no trabalho tão infeliz que, mesmo que não haja episódios de assédio, ainda causa tremores.

Durante as entrevistas, quando for perguntado por que você deixou seu emprego anterior, não precisa dar detalhes. Essas informações são pessoais e não precisam ser compartilhadas. Você está no controle do que quer divulgar. Às vezes, respostas simples como “Foi uma decisão difícil deixar a empresa” ou direcionar a conversa para o que você acha interessante sobre a empresa em que está sendo entrevistado são boas saídas. Você está sendo verdadeiro, ao mesmo tempo em que estabelece limites para suas informações privadas.

Quando for entrevistado por um possível empregador, pergunte sobre a cultura da empresa, as políticas e o nível de comunicação aberta entre ele e os funcionários. Quando solicitado sobre uma lista de referências, você pode sentir que não deseja listar ninguém de seu trabalho anterior. Se for questionado sobre o motivo disso, você pode dizer que, embora tenha achado o trabalho interessante e gratificante, sua experiência lá não foi ideal. É ser honesto sem dar muitas informações.

É possível encontrar um empregador e colegas de trabalho que respeitem e sejam gentis. Às vezes, a mudança causa ansiedade, mas permanecer em um emprego que você tenha medo pode lhe causar ainda mais problemas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: