Especialistas afirmam que vitaminas vendidas por Tom Brady são enganosas

GettyImages/ Maddie Meyer
GettyImages/ Maddie Meyer

A TB12, marca de produtos que leva o nome de Tom Brady, anunciou um novo produto em cápsulas que ajuda no aumento imunológico contra doenças, segundo a empresa

O jogador de futebol americano Tom Brady anunciou recentemente que está vendendo um novo suplemento vitamínico que melhora o sistema imunológico. Mas especialistas médicos estão céticos em relação aos benefícios e preocupados com o fato de Brady estar aproveitando a pandemia de coronavírus para vender o mais recente produto de sua marca pessoal, a TB12.

Em um vídeo do Instagram, Brady apresentou suas vitaminas Protect, dizendo que os suplementos são vitais para a saúde e o bem-estar. O produto, que não é aprovado pela FDA (agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos), foi projetado para “ajudar seu sistema imunológico a se recuperar dos efeitos do estresse, otimizar sua resposta imune e manter você se sentindo melhor”, de acordo com o site da TB12. Cada comprimido inclui uma mistura de cinco ingredientes: vitamina C, zinco, fruto de sabugueiro, extrato de lariço e beta glucana. Um frasco de 60 comprimidos é vendido por US$ 45.

LEIA MAIS: Uso de hidroxicloroquina no tratamento para Covid-19 eleva risco de morte, aponta estudo

“Ao longo dos anos, aprendi como é importante ser proativo em cuidar do meu próprio corpo”, diz Brady no vídeo do Instagram. “Portanto, comer de forma saudável, manter-me hidratado e ser ativo, com os suplementos certos, me ajudaram a permanecer no meu melhor. E certamente, um sistema imunológico forte é importante para todos nós. ”

Embora Brady não mencione o coronavírus, o médico de emergência e toxicologista Ryan Marino diz que acha curioso o momento do lançamento. “Eu tenho várias preocupações com tudo isso”, diz Marino em um telefonema. “A maior delas é o momento disso e lançar algo com menção e marketing específicos sobre o sistema imunológico e propriedades antivirais em uma pandemia viral global. É definitivamente suspeito para mim.”

Um contato de mídia listado da TB12 Sports não respondeu a dois pedidos de e-mail para comentar até o momento da publicação deste texto.

Um aviso do produto menciona que ele não é aprovado pelo FDA e diz explicitamente que não se destina a “diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença”. Em vez disso, a página do produto Protect apresenta sua aparente capacidade de melhorar a imunidade e a recuperação.

“Desde o suporte de células de proteção naturais até a reposição de anticorpos após o exercício, o Protect ajuda a ativar seu sistema imunológico e a combater a supressão imune induzida pelo estresse, para que você possa permanecer ativo, resiliente e pronto para o que quer que surja”, afirma o texto.

Marino diz que é comum que os suplementos sejam vendidos com frases genéricas, pois eles não podem ser comercializados como curas para condições específicas. A maioria das substâncias listadas foi estudada como formas possíveis de prevenir ou tratar o coronavírus, incluindo altas doses de vitamina C, mas não há evidências de que doses de vitamina C possam impedir alguém de contrair Covid-19.

Um poderoso antioxidante, a vitamina C ajuda o sistema imunológico, diminuindo a inflamação e mantendo a pele saudável. Estudos sugeriram que isso poderia reduzir a gravidade e a duração do resfriado comum. Também é solúvel em água, o que significa que quantidades excessivas deixam o corpo através da urina. “Você está basicamente urinando seu dinheiro”, diz Marino.

LEIA TAMBÉM: Crianças com Covid-19 podem ter menor potencial de infecção que adultos, dizem cientistas

Além disso, se alguém tem uma dieta equilibrada, já deve receber a quantidade diária recomendada de vitamina C, diz a nutricionista Lalitha Taylor, proprietária da Taylor Nutrition. “A primeira coisa que me vem à cabeça é: quem realmente precisaria de um suplemento como esse?”, ela diz por telefone. “Consumimos muitas dessas substâncias (zinco, vitamina C e outros antioxidantes) na nossa dieta”.

A dose recomendada de vitamina C para homens é de 90 mg e para mulheres é de 75 mg. Para colocar em perspectiva, uma xícara de pimenta vermelha picada contém 190 mg de vitamina C, o que excede em muito o recomendado.

O fruto de sabugueiro e o extrato de lariço são comumente usados ​​como tratamento para o resfriado e a gripe comuns. O primeiro foi encontrado em dois produtos que o FDA julgou como tratamentos fraudulentos de coronavírus.

É óbvio que Brady acredita em seu método TB12. No livro “Método TB12”, o seis vezes campeão do Super Bowl diz que lidou com dores crônicas antes de conhecer seu guru e agora parceiro de negócios, Alex Guerrero. Desde que começaram o treinamento em 2004, Brady diz que não teve nenhum problema no ombro ou cotovelo e, além de sofrer uma lesão no ligamento cruzado anterior do joelho em 2008, não perdeu nenhum jogo por causa de problemas físicos.

Brady já demonstrou extensivamente seu desejo de jogar futebol americano até os 45 anos e credita seu treinamento não-ortodoxo e seu regime alimentar como a chave para sua excelência sustentada. Na sua essência, o método TB12 está centrado no trabalho de tecidos e flexibilidade e na manutenção de uma dieta baseada em plantas. Nos últimos anos, Brady começou a vender seus próprios produtos da marca TB12, como kits de faixas de resistência de US$ 265 e frascos de eletrólitos de US$ 15.

Embora poucos duvidem da abordagem geral de Brady para saúde e fitness, Taylor diz que é problemático quando ele faz alegações cientificamente vagas e grandiosas, como dizer que suas vitaminas Protect podem “ativar” a imunidade de alguém.

“Na minha visão, não há realmente nada que você possa tomar para impulsionar seu sistema imunológico”, diz ela. “Há coisas que podemos fazer para apoiar nosso sistema imunológico, e a nutrição faz parte dessa equação. Eu também argumentaria que o sono ajuda o sistema imunológico. O mesmo acontece com o gerenciamento de atividades e estresse. Dizer às pessoas que este suplemento é a chave para aumentar a imunidade e o desempenho é enganoso. ”

Todos os três especialistas com quem conversei concordam que não há evidências suficientes para apoiar os benefícios declarados da vitamina, especialmente devido ao alto preço de US$ 45. Com a pandemia de coronavírus, os consumidores podem ficar tentados a pagar muito dinheiro por um produto clinicamente duvidoso.

John Burns, CEO da TB12, defendeu o momento do lançamento para o Yahoo! Esportes. “Agora, mais do que nunca, é importante ter suporte diário para uma resposta imunológica saudável, já que nossos corpos estão sujeitos a estressores constantes que esgotam seus recursos”, disse ele.

E TAMBÉM: América do Sul se tornou novo epicentro da Covid-19 e Brasil é o mais atingido, diz OMS

Mas, segundo a técnica dietética registrada Olivia Fitzgerald, que trabalha em uma clínica de enfermagem e reabilitação com sede em Nova York, liberar suplementos de imunidade não comprovados durante uma pandemia parece uma atividade predatória. “Algumas das coisas que eu pensei que eram um pouco preocupantes foram o momento conveniente com a Covid-19, e espero que as pessoas possam ver como o momento é muito conveniente para lançar o produto”, diz ela por telefone. “É um preço alto durante uma crise econômica. Ele está meio que se aproveitando um pouco, aos meus olhos. ”

A TB12 não disse como o Protect foi desenvolvido. Mas para Marino, o marketing é antiético.

“Não acho que grande parte do marketing usado em suplementos seja ético, mas principalmente neste caso”, diz ele. “Está muito claro que o produto foi programado para ser lançado durante esta pandemia. A forma como ele é comercializada usa muitos medos das pessoas.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).