Por que certificações online podem ser a melhor escolha para algumas carreiras

Hero Images/GettyImages
Segundo pesquisa, certificados podem garantir bônus salarial de até 18%

Lembra quando seus pais lhe disseram que obter um bom diploma universitário e causar uma boa primeira impressão é a chave na busca de uma carreira consolidada? Que tudo o que você precisa é de um currículo sólido e articulado que transpareça sua formação e experiências? Isso tudo tem seu valor, mas mostrar aos potenciais empregadores que você está em constante aprimoramento e carrega certificações valiosas é o que pode realmente fazer de você um candidato de destaque. Será que surpreenderia se você soubesse que algumas companhias não exigem diploma de ensino superior, mas adoram candidatos com certificados específicos? Bem, Google, Apple, Hilton, Lowes, Nordstrom e IBM saem desse padrão e deixam claro para os candidatos que estão em busca de talentos, não necessariamente de diplomas. Por que isso?

A educação convencional como cursos universitários e profissionais não são pensados para lidar com as rápidas mudanças da indústria, enquanto as certificações online são idealizadas especificamente com esse objetivo final em mente. Dependendo da universidade e de quem a coordena, a maioria dos especialistas concorda que elas estão com pelo menos dez anos de atraso na grade curricular de ensino. O mundo tem se movido mais rápido, e as escolas de ensino superior não estão preparadas para essa transição mercadológica. Independentemente da sua situação ou grau de formação, você pode precisar garantir certificados para avançar na sua carreira.

VEJA TAMBÉM: “Três quartos dos CEOs não têm as habilidades certas”

Se sua carreira está relacionada ao marketing online, análise de dados, segurança, e-commerce ou nuvem, certificados de marcas como Microsoft, Hubspot, Adobe, Salesforce, Google e algumas outras irão fazer você ser notado. Isso pode garantir um emprego ou uma promoção. Por quê? O mundo está se movendo tão rápido, que os empregadores já não têm mais o luxo de poder treinar o funcionário ideal. Eles preferem contratar alguém que possua as habilidades necessárias e o conhecimento.

Em linhas gerais, certificações entregam retornos incríveis para o investimento, tanto em termos de tempo como de recursos. Enquanto uma faculdade ou diploma universitário leva de três a cinco anos para ser concluído, os programas de certificação correm por não mais do que algumas semanas ou dois meses, dependendo da área de estudo. O aumento do reconhecimento por parte do empregador e os benefícios tangíveis que se seguem fazem desta uma escolha popular para profissionais em todo o mundo. Mais pessoas também estão trabalhando remotamente com base nas pesquisas mais recentes. A geração Z parece ter abraçado várias tendências, tais quais ser empreendedor, viajar, tentar evitar a dívida universitária e surfar a onda do trabalho remoto iniciada pelos millennials.

Segundo a Upwork, 57 milhões de pessoas realizaram atividades remuneradas autônomas em 2018 e essa tendência continua a crescer com trabalhos remotos. Isso representa 36% da força de trabalho dos Estados Unidos. O apelo para um estilo de vida mais livre e horário de trabalho flexível têm sido as principais razões pelas quais um número cada vez maior de profissionais está optando por carreiras autônomas. E eles estão usando certificações online para construir sua expertise, conhecimento e credibilidade. Dez anos atrás, talvez poucos teriam atribuído qualquer credibilidade aos certificados online. Hoje, elas podem carregar mais valor e confiabilidade do que talvez um diploma universitário.

Burning Glass, uma empresa de software de análise, que estuda o crescimento do emprego, as habilidades demandadas e as tendências do mercado de trabalho, divulgou um relatório em 2019 intitulado: The Narrow Ladder: The Value of Industry Certifications in the Job Market (A estrada estreita: o valor dos certificados da indústria para mercado de trabalho, em tradução livre).

E AINDA: 20 maneiras eficientes e gratuitas de impulsionar a carreira neste fim de ano

Neste relatório, a empresa traz clareza para o debate ao rever dados sobre oportunidades de emprego para examinar o valor de mercado das certificações do setor. A companhia usou seu banco de dados com mais de 700 milhões de vagas históricas de emprego, para rastrear com que frequência os empregadores pedem explicitamente essas credenciais, e em que contexto.

Não importa sua ambição de carreira — empreendedora ou corporativa –, avalie o que é necessário para obter sucesso. Pode ser um diploma universitário ou talvez um certificado específico.

Veja, na galeria de imagens a seguir, as principais conclusões sobre os certificados online:

  • O impacto dessas credenciais é potente mas restrito à demanda do empregador, condicionada a um punhado de certificados. De fato, as 50 principais certificações representam dois terços de todas as postagens de vagas de emprego.

  • Em áreas profissionais que valorizam essas credenciais, elas carregam um significativo bônus salarial (até 18% na pesquisa de amostra).

  • As certificações podem fazer parte de duas grandes categorias, cada uma com seu próprio impacto distinto: Door Openers, que ajudam novatos do mercado de trabalho a entrar em uma área de atuação; e a Career Escalators, que estão no caminho dos profissionais experientes em direção a uma mobilidade ascendente.

  • É mais provável que as certificações obtenham aceitação no mercado quando validam habilidades difíceis de serem preenchidas ou são voltadas para funções igualmente difíceis de preencher.

O impacto dessas credenciais é potente mas restrito à demanda do empregador, condicionada a um punhado de certificados. De fato, as 50 principais certificações representam dois terços de todas as postagens de vagas de emprego.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).