Conheça dois modelos para enfrentar mudanças de carreira

GettyImages/ Ezra Bailey
Métodos ensinam como navegar por mudanças na carreira e se tornar um profissional melhor

Todos nós experimentamos transições em nossas vidas profissionais. Algumas são repentinas e nos tiram da zona de conforto, como a Covid-19, mas outras vêm acompanhadas de um sensação de ser dono da própria carreira. Uma orientação eficaz pode ajudar a passar por essas mudanças. O termo transição é essencialmente um evento da vida que causa mudança de papel ou crise.

Transições podem ser previsíveis ou imprevisíveis, positivas ou negativas, voluntárias ou involuntárias, súbitas ou graduais. Mas o que todas elas têm em comum? Elas costumam envolver momentos estressantes, exigir novos comportamentos e maneiras de pensar, além de serem beneficiadas do aprendizado de novas habilidades.

LEIA MAIS: CEO da Pfizer, Albert Bourla, aposta US$ 1 bilhão em vacina para a Covid-19

Os exemplos mais comuns de transições de carreira incluem mudanças nas funções, na organização, demissões em massa, licenças, mudança para um estado ou país diferente e pausas na carreira.

Adam, Haynes e Hopson desenvolveram um modelo de sete fases de estágios que acompanham as transições. No início de uma transição, seu humor e auto-estima começam baixos e aumentam gradualmente. Essas fases ocorrem principalmente quando uma mudança é bastante repentina, como o que experimentamos com a Covid-19.

Veja como funciona:

Imobilização: o choque inicial e os sentimentos esmagadores que acompanham a perda de um emprego ou uma situação difícil no trabalho.

Minimização/Negação: muitas vezes, a fase de negação oferece um alívio temporário quando você começa a minimizar a situação, talvez com declarações como: “Eu estava ficando entediado”, “Eu realmente não gostava do meu trabalho” ou “Eu não escolhi essa carreira, eu caí nela.”

Dúvida e depressão: a realidade está se instalando e você se sente ansioso, impotente e começa a se culpar.

Aceitação: quando você começa a agir positivamente.

LEIA TAMBÉM: George Soros diz que UE pode não sobreviver à crise do coronavírus

Testar e compreender a realidade: você começa a experimentar, procurar opções de trabalho e pensar logicamente nas coisas.

Procura por significado: você tem energia para refletir e, portanto, usa a experiência para aprender, crescer e mudar.

Internalização: você lidou com a transição e seus pensamentos e comportamento mudaram. Você aceitou.

Já no modelo de transição de carreira de Nancy K. Schlossberg, ex-presidente da Associação Nacional de Desenvolvimento de Carreira dos EUA (NCDA, na sigla em inglês), o seguinte processo é recomendado.

  • O que está acontecendo?
  • Identifique o estado (fase de transição) em que está para poder lidar melhor.
  • Para quem está acontecendo?

Como você mudou, do que se orgulha, quais foram as piores lutas durante a transição? Fazer uma mudança de carreira começa com o conhecimento de si mesmo, mas pode ser fácil esquecer disso quando a transição é repentina ou indesejável.

E TAMBÉM: Vida normal? Saiba quais são os hábitos terão de ser deixados de lado no pós-pandemia

  • Que tipo de ajuda está disponível?

Ao procurar ajuda, considere se deseja que ela entenda a situação. Certifique-se de também pensar na maneira pela qual a ajuda chegará até você.

  • Quais são os recursos de enfrentamento que melhor atendem às necessidades, valores e me ajudam a alcançar meus objetivos?

Embora essa tenha sido uma transição involuntária e as ramificações da Covid-19 tenham impactado o mundo do trabalho para sempre, você é resistente o suficiente para prosperar. Eu acredito em você e você está certo, este é um ótimo momento para refletir, parar e prosseguir fazendo uma mudança de carreira satisfatória. Um brinde ao seu sucesso contínuo!

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).