Por que você não consegue se livrar do burnout

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Organização Mundial da Saúde refere-se ao burnout como algo relacionado “especificamente a fenômenos no contexto ocupacional”

Fiquei exausta durante o último ano no meu escritório de advocacia e passei muito tempo me perguntando o que fiz para causar isso. Presumi que tinha poucas habilidades de gerenciamento de estresse ou que algo em mim precisava ser consertado ou mudado. Essa é a mensagem que muitas pessoas absorvem ao pensarem em burnout – que é simplesmente um problema individual que pode (e deve) ser corrigido com estratégias de autocuidado. Como aprendi, não é tão simples.

As pessoas costumam me perguntar o que podem fazer para prevenir o burnout. Uma médica do pronto-socorro me contatou alguns meses após o início da pandemia porque estava preocupada com a saúde mental da equipe. Ela perguntou: “Paula, o que digo aos médicos quando me perguntam o que podem fazer para evitar o estresse em suas carreiras?”. Eu disse o que provavelmente ela diria aos pacientes – tratar os sintomas é um começo, mas, para realmente resolver o problema, você também precisa abordar as causas subjacentes.

LEIA MAIS: Por que as culturas de alta performance podem destruir a vontade de aprender

O primeiro passo é reconhecer que falamos sobre o burnout da maneira errada e que a conversa precisa mudar.

Aqui estão algumas coisas que aprendi estudando isso por mais de 10 anos:

Burnout não é uma palavra substituível com estresse geral

O estresse existe em uma sequência e se torna algo mais parecido com o burnout quando você experimenta exaustão crônica, cinismo e ineficácia (impacto perdido). A ex-advogada em mim adora a necessidade de uma linguagem precisa aqui porque o termo burnout é frequentemente usado de forma muito vaga ou no contexto errado para descrever cansaço geral ou apenas ter um dia ruim quando não é nenhuma dessas coisas.

Burnout é um problema no local de trabalho

Eu defino burnout como a manifestação de estresse crônico no local de trabalho, e a definição atualizada da Organização Mundial da Saúde (OMS) deixa claro que “burnout se refere especificamente a fenômenos no contexto ocupacional e não deve ser aplicado para descrever experiências em outras áreas da vida.”

Burnout é complexo

As pessoas simplificam demais o burnout quando se concentram apenas em um de seus grandes sintomas – a exaustão – e prescrevem remédios de autoajuda como dormir mais, técnicas de gerenciamento de tempo ou exercícios como soluções rápidas. No entanto, os maiores fatores que levam ao esgotamento são encontrados no ambiente de trabalho. Os fatores podem envolver a maneira como seu chefe lidera, a qualidade da equipe e até mesmo questões de nível macro, como mudanças nas regulamentações da indústria que transformam as prioridades organizacionais, que influenciam a liderança e resultam no impacto aos trabalhadores da linha de frente.

Para que as empresas reduzam os casos de burnout, elas devem abordar as causas e aplicar remédios sistêmicos. Esse esgotamento é causado por um desequilíbrio entre as demandas do seu trabalho (aspectos que exigem esforço e energia consistentes) e os recursos que você possui (aspectos que são motivacionais e geradores de energia). Existem seis pontos principais que as organizações, líderes e equipes precisam reduzir para diminuir a probabilidade de esgotamento:

1- Falta de autonomia (ter alguma escolha de como e quando você executa as tarefas relacionadas ao seu trabalho)

2- Alta carga de trabalho e pressão (particularmente problemático em combinação com poucos recursos)

3- Falta de apoio do líder/colega (não há sentimento de pertencimento no trabalho)

4- Injustiça (favoritismo; tomada de decisão arbitrária)

5- Os valores se desconectam (o que você acha importante sobre sua vida profissional não corresponde ao ambiente em que você está)

6- Falta de reconhecimento (sem feedback; você raramente ouve agradecimento)

Esses são problemas organizacionais que não podem ser corrigidos com aplicativos de ioga, meditação ou bem-estar. Na verdade, três dessas demandas – carga horária, baixa autonomia e falta de apoio – estão entre as dez questões mais proeminentes no local de trabalho que afetam sua saúde e longevidade.

A conversa sobre burnout pode parecer um grande desafio para líderes ocupados, mas, na realidade, construir uma cultura positiva no trabalho começa aos poucos, implantando mudanças pequenas, mas perceptíveis e consistentes. É importante ressaltar que esses comportamentos precisam ser modelados e apoiados pelos gestores.

Aqui estão 10 práticas que não custam dinheiro, levam pouco tempo e podem construir o tipo de cultura positiva necessária para prevenir o burnout (e abordar mais diretamente as demandas de trabalho listadas acima):

1-Agradeça mais (provavelmente muito mais) do que sua prática atual

2-Ofereça feedback em tempo hábil para colegas e funcionários diretos

3-Seja claro ao dar atribuições e converse com outros líderes seniores, a fim de minimizar solicitações conflitantes e ambiguidade (dois aceleradores conhecidos de esgotamento)

4-Transforme o feedback construtivo em uma conversa de mão-dupla e focada na aprendizagem

5-Mantenha as pessoas informadas sobre as mudanças

6-Acompanhe e fale sobre pequenas vitórias e sucessos

7-Incentive os membros da equipe

8-Forneça justificativas sobre projetos, metas e visão geral

9-Esclareça informações confusas e ausentes relacionadas a funções e tarefas

10-Chame as pessoas pelo nome, faça contato visual, dê total atenção aos colegas e priorize falas como “você importa”

A pandemia aumentou as demandas, tanto no trabalho quanto fora dele, e tirou muitos dos recursos importantes que tradicionalmente usávamos para nos recuperar do estresse do dia a dia. Pode ser tentador pensar que o problema de esgotamento diminuirá, ou mesmo desaparecerá, quando a pandemia terminar, mas é importante lembrar que as taxas de burnout aumentaram em muitos setores nos anos que antecederam a crise sanitária.

O mais importante é começar a reformular a conversa sobre o esgotamento não como um desafio individual que pode ser resolvido com estratégias rápidas de autoajuda, mas como uma questão sistêmica que todos são responsáveis na tentativa de reduzir. Burnout é um grande problema e, para resolvê-lo, temos que começar a discutir isso da maneira certa, com estratégias significativas que abordem as causas centrais. Há algo que todos podemos fazer a respeito – vamos começar agora.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).