A história do australiano que escolheu fazer curadoria de vinhos no Brasil

Divulgação
Divulgação

Australiano, nascido e criado na capital Sidney, Andrew Crawford [foto] não imaginava que seria importador de vinhos no Brasil

Australiano, nascido e criado na capital Sidney, Andrew Crawford não imaginava que seria importador de vinhos no Brasil. Mas, casado com uma brasileira, apaixonado pela bebida e decidido a morar em território nacional, ele transformou o gosto por vinhos “menos óbvios” em negócios. Nascia a Wines4U, importadora focada em rótulos de excelente qualidade, de pequenos produtores orgânicos, biodinâmicos ou naturais.

“Não há bagagem cultural de vinhos naturais no Brasil. Então, é uma oportunidade”, contou ele em entrevista à Forbes Taste. “Queremos trazer vinhos de terroir. Não temos coisas selvagens, é mais sobre produção.” No cardápio da importadora a maioria é de vinhos europeus, mas há também rótulos australianos e sul-africanos.

LEIA MAIS: Efeito sanfona: hambúrguer no Brasil engordou e afinou; o que vem depois?

Segundo ele, a maior dificuldade no Brasil tem sido o câmbio desfavorável, com dólar muito valorizado. Isso faz com que a busca por custo-benefício seja ainda mais importante. “É importante encontrar vinhos com valor, não exatamente baratos. Por exemplo, um barolo single vineyard de R$ 500”, diz, citando o vinho italiano conhecido pela excelência e pelo preço alto. “Eu adoro quando as pessoas descobrem a qualidade na garrafa e percebem que não precisa de um grande nome. É isso que queremos que as pessoas aprendam.”

O momento atual é complexo, com o baque da pandemia do coronavírus no Brasil, porém, os números mostram que o consumo de vinho cresceu no país e é nisso que aposta Crawford. “Temos uma base fiel, um pequeno grupo de pessoas curiosas e apaixonadas que querem provar as novidades.”

Para quem quer começar a experimentar, ele indica os tintos – numa pegada mais leve, como manda a tendência atual. “Um borgonha, beaujolais ou um bom tinto da Toscana.”

Veja na galeria a seguir outros destaques do mundo gastronômico:

  • Viña Cobos cria rótulo do vinho Cocodrilo com foco no mercado brasileiro

    A Viña Cobos, sob a batuta do enólogo Andrés Vignoni, trouxe ao Brasil novidades do portfólio de Cocodrilo marca intermediária da vinícola. Via importadora Grand Cru, é possível encontrar no mercado brasileiro agora Cobos Cocodrilo Malbec 2019 (R$ 296,90), Cobos Cocodrilo Blend 2018 (R$ 296,90) e Cobos Cocodrilo Chardonnay (R$ 243,90), criado com foco nos brasileiros. “Com o sucesso da linha Felino entre os nossos clientes, sentimos que seria uma grande oportunidade de crescer o nosso portfólio de vinhos da Viña Cobos, explica Massimo Leoncini, sommelier executivo da Grand Cru. Os três rótulos têm qualidade extraordinária, com destaque para o complexo e equilibrado malbec.

    Divulgação
  • Grupo Tan Tan abre nova casa descolada em São Paulo

    O bairro de Pinheiros, em São Paulo, ganha um novo endereço da gastronomia asiática – o Kotori. Sob o comando do chef Thiago Bañares e parte do Grupo Tan Tan, o local segue o clima dos yakitori-yá, restaurantes japoneses descontraídos perfeitos para petiscar. A estrela da casa são os yakitoris (espetinhos de frango). O Kotori prioriza frangos orgânicos de origem controlada, que serão grelhados como espetinhos na brasa de uma churrasqueira desenhada aos moldes das orientais. No bar, as referências orientais ficam por conta dos highballs, coquetéis feitos com uísque e carbonatados. As criações são assinadas por Alex Mesquita, premiado mixologista do Grupo Tan Tan.

    Divulgação
  • Kerry lança calculadora online de sustentabilidade cervejeira

    A Kerry, multinacional alimentícia, lançou uma nova ferramenta que permite aos cervejeiros analisar o impacto ambiental do processamento da bebida. A calculadora de sustentabilidade cervejeira, como foi apelidada, se concentra nos dados de matéria-prima, operações e gestão de resíduos para calcular os custos do procedimento para o planeta. Com funcionamento online e considerada pela companhia como sendo uma solução de baixo custo, a ferramenta ainda permite que as pequenas e grandes industriais marquem suas prioridades – como otimização de tempo, redução de exigência da limpeza do tanque e melhoria na filtração – para obter respostas mais assertivas e personalizadas.

    Divulgação
  • Cervejaria Nacional comemora 10 anos com releitura de cerveja

    Celebrando os dez anos de existência da fábrica-bar em São Paulo, a Cervejaria Nacional preparou uma releitura da primeira cerveja produzida em parceria pelos sócios Glauco Ciasca e Luis Fernando Fabiani, a Drake’s Ale (R$ 32). No estilo brown ale, a bebida tem como protagonista o blend de maltes torrados, com notas de biscoito, chocolate amargo e café. Apresenta baixo teor alcoólico, de 4,2%, e amargor leve.

    Divulgação

Viña Cobos cria rótulo do vinho Cocodrilo com foco no mercado brasileiro

A Viña Cobos, sob a batuta do enólogo Andrés Vignoni, trouxe ao Brasil novidades do portfólio de Cocodrilo marca intermediária da vinícola. Via importadora Grand Cru, é possível encontrar no mercado brasileiro agora Cobos Cocodrilo Malbec 2019 (R$ 296,90), Cobos Cocodrilo Blend 2018 (R$ 296,90) e Cobos Cocodrilo Chardonnay (R$ 243,90), criado com foco nos brasileiros. “Com o sucesso da linha Felino entre os nossos clientes, sentimos que seria uma grande oportunidade de crescer o nosso portfólio de vinhos da Viña Cobos, explica Massimo Leoncini, sommelier executivo da Grand Cru. Os três rótulos têm qualidade extraordinária, com destaque para o complexo e equilibrado malbec.

  Colaborou Maria Laura Saraiva


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).