Melhores empregadores para diversidade na América em 2019

Embora pareça, muitas vezes, que os empregadores não se importam com diversidade e inclusão, muitas organizações têm lutado pela cultura do acolhimento, com apoio aos trabalhadores. A imprensa noticiou acontecimentos que vão do incidente na Starbucks da Filadélfia, em abril, que fez com que dois homens afro-americanos fossem presos somente por pedir para usar o banheiro, e da ação de discriminação por idade na IBM, depois que a empresa demitiu mais de 20 mil trabalhadores mais velhos em cinco anos, às incontáveis alegações de assédio sexual, causando impacto nos locais de trabalho de todo o país. No entanto, ao mesmo tempo, algumas empresas vêm progredindo nesse quesito.

LEIA MAIS: CEO da Sanofi no Canadá combina ciência e diversidade

A FORBES fez uma parceria com a empresa de pesquisa de mercado Statista para a criação do segundo ranking anual dos melhores empregadores da América no que diz respeito à questão da diversidade. A lista foi compilada depois de uma pesquisa com 50 mil norte-americanos que trabalham para organizações com, pelo menos, mil funcionários, e conta com algumas empresas cuja aparição na lista, à luz dos acontecimentos recentes, pode ser uma surpresa. A Starbucks e a IBM, por exemplo, aparecem no ranking, e suas posições em 44o e 217o lugar, respectivamente, refletem os pensamentos de sua força de trabalho.

Estreante na lista – e no topo dela, com uma pontuação de 85,85 -, a empresa de embalagens metálicas Ball, com sede em Broomfield, no Colorado, tem 139 anos de existência e um compromisso com a diversidade e a inclusão que começa no topo, ilustrado pela maneira como o CEO John Hayes estruturou sua equipe. Em vez de deixar essas questões sob o guarda-chuva da área de recursos humanos, como muitas empresas fazem, na Ball a vice-presidente de diversidade e inclusão, Manette Snow, reporta-se diretamente ao CEO. “Isso dá à diversidade e à inclusão uma visibilidade e um reconhecimento de sua importância na empresa”, diz Charles Johnson, diretor sênior da área. “Faz parte da nossa cultura. É o que fazemos, quem somos, todos conseguem notar isso.”

Essa estrutura organizacional pode parecer, à primeira vista, nada mais do que simples semântica. Mas Johnson reconhece o comprometimento quando o vê porque conhece o assunto: em 2017, antes de ingressar na Ball, trabalhou como consultor externo de diversidade e inclusão na mesma empresa, mas também prestava serviço para outras organizações. “O que realmente me impressionou no tempo que passei aqui é como a liderança pode dar definição à palavra ‘inclusão’”, diz Johnson. “Diversidade e inclusão são mais do que apenas pontos de discussão – são coisas que, pelo menos aqui, levamos muito a sério.”

Antes mesmo de entrar na empresa, os funcionários já costumam entender a dedicação da Ball em cultivar a diversidade e a inclusão. Como uma empresa que emprega principalmente engenheiros, a composição de novos contratados poderia facilmente imitar a força de trabalho da área dos Estados Unidos: 79,3% de brancos e 83,8% de homens. Mas a Ball não está interessada em manter a tradição. “Estamos criando uma força de trabalho que se parece com o nosso país e com o mundo”, diz Johnson. E, assim, a companhia criou um canal para talentos mais diversos, desenvolvendo relacionamentos com organizações como a Sociedade Nacional de Engenheiros Negros, a Sociedade de Cientistas e Engenheiros Asiáticos, a Sociedade de Engenheiros e Profissionais Hispânicos e a Sociedade de Engenheiras Mulheres, designando contatos para cada uma delas. “Queremos demonstrar compromisso com as organizações, não apenas como fontes de talentos diversos, mas como nossos parceiros. Queremos ter certeza de que seu bom trabalho seja sustentável e inclusivo.”

Esses contatos dedicados são representantes de nove grupos de funcionários da Ball, chamados de Ball Resource Groups, com um reconhecimento do valor colocado na diversidade e inclusão em todos os níveis da organização. Os grupos – Grupos de Recursos de Habilidades, Africano-Americano, Asiático, Consciência Cultural das Religiões de Funcionários (CARE), Hispânicos, LGBT+, Veteranos, Mulheres e Jovens Profissionais – recebem financiamento da empresa, o que lhes permite participar de eventos que movem suas missões adiante. No ano passado, por exemplo, os grupos Africano-Americano e CARE se uniram a dois integrantes do conselho da empresa com o intuito de sediar um encontro sobre diversidade e inclusão, enquanto o grupo Mulheres uniu forças com três conselheiros para apresentar o Talent Focus, uma conferência com foco na melhoria da igualdade de gênero no local de trabalho.

Esses esforços parecem estar dando certo: a participação nos grupos aumentou 30% ano após ano, mas o Talent Focus ajudou a impulsionar mais mulheres para o topo, com seis líderes femininas sendo promovidas a diretoras ou vice-presidentes desde o evento. “Me conforta ver que a diversidade e a inclusão entram em foco de uma forma relevante para os objetivos de negócios, e não apenas para uma história de comoção ou simplesmente fazer o bem”, diz Johnson.

SAIBA TAMBÉM: Recrutamento às cegas aumenta diversidade

A participação dos integrantes da diretoria nos grupos não é incomum, mas parte da cultura da empresa. Como a hierarquia executiva é estruturada de forma a promover a diversidade e a inclusão, cada grupo deve ter patrocinadores executivos, líderes no nível da vice-presidência ou acima. O número mínimo de patrocinadores executivos necessários para cada grupo é dois, mas alguns têm até quatro. “Temos o engajamento do topo de nossa equipe executiva, e isso é algo que John Hayes considera uma prioridade aqui”, diz Johnson. Hayes lidera pelo exemplo, atuando como patrocinador executivo do grupo das mulheres.

Mas não se engane: a Ball ainda tem um longo caminho pela frente. Até o treinamento de inclusão da empresa, que educou mais de 500 funcionários em todo o país sobre tendências inconscientes, está na lista de iniciativas que devem ser aprimoradas, assim como o recrutamento de um grupo mais diversificado de engenheiros. Mas se há uma coisa que Johnson tem certeza, é que a empresa está no rumo certo. “O trabalho que estamos fazendo agora é plantar a semente para que possamos colher os benefícios como empresa e comunidade”, diz ele. “Percorremos um longo caminho em um período de tempo relativamente curto. Mas o que posso dizer sobre para onde estamos indo é: ‘Fiquem atentos’.”

Veja, na galeria abaixo, a lista com as 10 empresas que mais atendem aos critérios de diversidade na América:

  • 10. Visa

    Pontuação: 83,14

    Indústria: Serviços bancários e financeiros

    Sede: Foster City, Califórnia

  • 9. SAP

    Pontuação: 83,21

    Indústria: TI, internet, software e serviços

    Sede: Newtown Square, Pensilvânia

  • 8. Penguin Random House

    Pontuação: 83,71

    Indústria: Mídia e publicidade

    Sede: Nova York, Nova York

  • 7. Universidade da Califórnia, Irvine

    Pontuação: 84,14

    Indústria: Educação

    Sede: Irvine, Califórnia

  • 6. Netflix

    Pontuação: 84,20

    Indústria: Mídia e publicidade

    Sede: Los Gatos, Califórnia

  • 5. Vertex Pharmaceuticals

    Pontuação: 84,37

    Indústria: Drogas e biotecnologia

    Sede: Boston, Massachusetts

  • 4. Kent State University

    Pontuação: 84,72

    Indústria: Educação

    Sede: Kent, Ohio

  • 3. BlueCross & BlueShield do Tennessee

    Pontuação: 84,80

    Indústria: Seguros

    Sede: Chattanooga, Tennessee

  • 2. Nielsen

    Pontuação: 85

    Indústria: Serviços Profissionais

    Sede: Nova York, Nova York

  • 1. Ball

    Pontuação: 85,85

    Indústria: Recipientes e embalagens

    Sede: Broomfield, Colorado

10. Visa

Pontuação: 83,14

Indústria: Serviços bancários e financeiros

Sede: Foster City, Califórnia

Metodologia

Para elaborar a lista, a Statista entrevistou 50 mil norte-americanos que trabalhavam para empresas com pelo menos mil funcionários. Todos os entrevistados foram anônimos, permitindo que os participantes compartilhassem abertamente suas opiniões. Os entrevistados foram solicitados, em primeiro lugar, a classificar suas organizações de acordo com critérios como idade, gênero, etnia, deficiência e igualdade de orientação sexual, bem como a diversidade em geral. Essas respostas foram revisadas para corrigir possíveis lacunas de diversidade. Assim, se os trabalhadores de grupos minoritários, por exemplo, classificaram uma determinada organização como detentora de pouca diversidade ao mesmo tempo em que os grupos não pertencentes a minorias a avaliaram como muita diversidade, a Statista levou isso em consideração para ajustar a pontuação da empresa. A Statista também pediu aos entrevistados dos grupos minoritários que indicassem outras organizações além das suas. A lista final classifica os 500 empregadores que não apenas receberam a maioria das recomendações, mas também que possuem os mais diversos conselhos e níveis executivos e as iniciativas de inclusão e diversidade mais pró-ativas.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).