Analista diz que Apple terá realidade aumentada antes do que o esperado

Reprodução
Além da revelação, também há especulações sobre as datas de lançamento de tecnologia 5G e iPhone econômico

Resumo:

  • O analista Ming-Chi Kuo afirma que os óculos de realidade aumentada da Apple podem chegar já em 2020;
  • Recursos aprimorados nas últimas versões do iOS também indicam que empresa já investe na tecnologia;
  • O iPhone, o iPad e o Apple Watch podem funcionar com os dispositivos.

Você quer óculos inteligentes? O Google tentou criar alguns, e seu Google Glass era tão polêmico que os usuários ganharam apelidos ofensivos. Porém, o boato de que a Apple está produzindo seu próprio par de óculos inteligentes simplesmente não desaparece.

LEIA MAIS: Dona do Snapchat lançará novos óculos de realidade aumentada

Agora, o analista da da TF Securities (empresa de consultoria e gestão) Ming-Chi Kuo emitiu uma nova nota, à qual a CNBC teve acesso.

Nela, ele afirma que os óculos de realidade aumentada (RA) realmente vêm da Apple e estão a menos de nove meses de seu lançamento, o que seria algo em torno do primeiro semestre de 2020.

Ele também confirma a possível chegada do iPhone SE2 (mais econômico) entre março e junho, mas, curiosamente, não menciona nada sobre os próximos modelos do MacBook Pro e MacBook Air que já tiveram rumores antes.

Kuo reforça que um iPhone 5G chega entre setembro e dezembro do ano que vem.

Mas é a perspectiva de óculos de realidade aumentada que é realmente emocionante.

A realidade aumentada, onde as informações da internet ou de um aplicativo são colocadas no visor da câmera, é uma paixão da Apple há algum tempo. Tanto que cada nova atualização do seu sistema operacional chega com com recursos aprimorados.

A Apple investiu na RA, reconhecendo-a como uma maneira poderosa de transmitir informações. Bem, se a realidade aumentada no iPhone ou iPad é boa, quão incrível seria ter esses dados diretamente no seu campo de visão?

VEJA TAMBÉM: Ações da Apple batem recorde, e valor de mercado da empresa chega a US$ 1 trilhão

Isso é algo que os óculos de realidade virtual possibilitaram, mostrando quase tudo de uma maneira conveniente e imediata.

Mas o Google Glass, a tentativa do Google de monopolizar esse espaço, não foi um sucesso, sendo retirado da venda após vendas inexpressivas e críticas profundamente contraditórias.

Muitas dessas críticas negativas se concentraram na aparência do produto e no fato de as pessoas ficarem inquietas com todo o conceito: o usuário poderia gravar você enquanto você conversa com eles?

Bem, isso é algo em que a Apple não vai errar. Mas sua obsessão por segurança e privacidade garantirá uma solução elegante para esse problema. O que significa que o ponto-chave será a aparência.

Acho difícil acreditar que eles parecerão nada menos que elegantes e discretos, projetados para ser tão atraentes e desejáveis ​​quanto outros produtos da Apple. E provavelmente com um monte de looks diferentes, dado o interesse da empresa na personalização, como mostram os vários estojos e pulseiras do Apple Watch mais recente.

Ming-Chi Kuo diz que os óculos chegarão no segundo trimestre do próximo ano, ou seja, entre abril a junho de 2020.

Mais intrigante que isso, Kuo diz que os óculos serão fabricados por terceiros. Não é muito Apple, você poderia dizer, até lembrar as edições especiais do Apple Watch feitas com a Nike e a Hermes.

Considerando o grau de escolha pessoal dos óculos, talvez não seja surpreendente que a Apple queira colocar sua tecnologia em quadros projetados por quem conhece melhor esse tipo de design.

Sua forma final ninguém sabe, mas devemos esperar que a Apple garanta que o recurso principal seja que eles pareçam tão bons quanto os óculos comuns, o que significa que seus elementos tecnológicos precisam ser o mais discretos possível.

Os óculos de realidade aumentada são a primeira grande inovação de categoria de hardware da Apple desde os AirPods e o Apple Watch. Ambos têm se saído bem.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).