Ações da Apple batem recorde, e valor de mercado da empresa chega a US$ 1 trilhão

A alta de 2% em um dia pode ser atribuída à demanda pelo iPhone 11

Mariana Labbate
Compartilhe esta publicação:
Alexander Pohl/NurPhoto/Getty Images
Alexander Pohl/NurPhoto/Getty Images

Ações da empresa superaram hoje um recorde de alta alcançado em outubro do ano passado

Acessibilidade


Resumo:

  • A Apple alcançou um valor de mercado de mais de US$ 1 trilhão de dólares hoje (11);
  • Esse número foi alcançado graças à alta histórica das ações da empresa no dia;
  • Os resultados impressionantes vieram principalmente das vendas dos novos iPhones 11 e 11 Pro.

As ações da Apple bateram um recorde da empresa hoje (11). Ao subirem 2%, elas alcançaram o valor de US$ 234,77 por papel. Anteriormente, a maior alta da companhia tinha sido de US$ 233,47, em outubro de 2018. Com essas altas, o valor de mercado da Apple agora é de US$ 1,04 trilhão.

LEIA MAIS: Apple remove app de rastreamento em Hong Kong

Os resultados podem provavelmente ser atribuídos a dois fatores. O primeiro foi o otimismo que vem rondando o novo lançamento do iPhone 11. De acordo com o site de notícias “Business Insider”, a Apple já pediu que seus fornecedores de peças do novo iPhone aumentem a produção em 10%, o que resultaria em 8 milhões de aparelhos a mais. Tudo isso graças à demanda que vem sendo maior do que a esperada.

O outro fator se conecta ao anterior. Muitos dos fornecedores da Apple são chineses, logo, o aumento na produção vem amenizando a guerra comercial entre China e Estados Unidos, especialmente após o presidente Donald Trump ter anunciado nesta sexta que seus “sentimentos em relação à China melhoraram em relação ao passado recente”, de acordo com o canal de notícias CNBC.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Daniel Ives, especialista da companhia de análises financeiras Wedbush, disse ao “Business Insider” que se as vendas dos iPhones 11 e iPhone 11 Pro mantiverem esses níveis, o número de aparelhos vendidos passará dos 185 milhões ao final do ano fiscal de 2020.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: