Nova febre de Messi e Neymar, "futmesa" movimentou US$ 15 milhões em 2021

Conhecido no exterior como teqball, esporte é originário da Hungria.

Justin Birnbaum
Compartilhe esta publicação:
Teqball
Teqball

A injeção de dinheiro da ESPN permitirá ao esporte ganhar maior visibilidade e oferecer melhores condições para seus jogadores

Acessibilidade


Em seu primeiro dia oficial no Paris Saint-Germain, em agosto, o regime de treinos de Lionel Messi foi capturado por câmeras – e uma cena viralizou. De frente para uma mesa curva que parecia ser de pingue-pongue, o craque usou sua maestria característica de lances de cabeça e pés e repetidamente lançou a bola sobre a pequena divisória da mesa até o companheiro de equipe à sua frente.

Não foi a primeira vez que a mesa ou o esporte viralizaram. Em 2017, um vídeo que mostra Messi brincando com seu filho em sua própria mesa personalizada ganhou a internet. David Beckham também tem uma. O mesmo vale para Neymar Jr. e até com Justin Bieber, que foi fotografado praticando teqball, ou simplesmente futmesa.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Agora, uma década após sua criação na Hungria, o teqball parece estar finalmente ganhando o público. O Teqball Group e a Fiteq, o órgão regulador do esporte, anunciaram na segunda-feira (17) que assinaram um acordo de US$ 850 mil com a ESPN para transmitir, na ESPN2 e ESPNU, 12 eventos ao vivo nos EUA este ano, além de seis programas com melhores momentos de partidas.

O negócio é apenas o ponto de partida para um sonho maior: o posto de esporte olímpico nas Olimpíadas de Los Angeles de 2028. “Acho que temos uma chance”, diz Ajay Nwosu, CEO do Teqball Group e presidente da Federação Nacional de Teqball dos EUA.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Teqball surgiu em Budapeste, na Hungria, em 2012, quando um trio de fãs de futebol começou a esboçar o esporte usando uma mesa de pingue-pongue. Um deles tinha formação em engenharia e descobriu que curvar a mesa mudaria a dinâmica de como a bola quicava, criando uma experiência mais envolvente.

A primeira mesa foi construída em 2014 e o esporte rapidamente conquistou a Europa Oriental. Hoje, o Teqball tem mais de cinco mil jogadores em todo o mundo, 85 federações nacionais reconhecidas e a FITEQ, a versão do esporte da Fifa.

O Teqball também está indo bem do lado de negócios. Apesar dos efeitos da Covid-19 no mundo dos esportes, o esporte deu lucro e gerou US$ 15 milhões em receita em 2021. Os recurso vêm principalmente de vendas de mesas e patrocínios de marcas como Adidas, Gatorade e Coca-Cola.

A injeção de dinheiro da ESPN permitirá ao esporte ganhar maior visibilidade e oferecer melhores condições para seus jogadores. Nwosu afirma que cerca de 15% dos atletas praticam o futmesa em tempo integral, e podem ganhar até US$ 100 mil por ano se estiverem dispostos a viajar, graças aos prêmios crescentes e à abundância de eventos.

“A ESPN nos ajuda a dar o salto quântico que precisamos agora”, diz Nwosu. A primeira transmissão ao vivo de uma partida foi ao ar ontem no domingo (16), de San Diego.

Do ponto de vista financeiro, no entanto, alguns dos atletas ainda não chegaram lá. A Copa do Mundo de 2021 de teqball teve apenas US$ 200 mil para premiações, valor que foi dividido entre os vários vencedores das cinco divisões.

Margaret Osmundson, da dupla feminina mais bem classificada do mundo e fundadora do clube feminino Bella Teq, ganhou cerca de US$ 15 mil em seus quase dois anos de carreira. Ex-jogadora profissional de futebol, Osmundson trabalha como coordenadora de atividades extracurriculares para faculdades para bancar seus treinamentos e viagens.

Quando se trata de alcançar a viabilidade a longo prazo, as chances costumam ser pequenas para esportes de nicho e iniciantes como o teqball. “É correria, como qualquer empresa iniciante”, afirma Tim Derdenger, professor associado da Tepper School of Business da Carnegie Mellon.

O acordo com a ESPN é um “grande passo à frente”, diz ele, mas a dificuldade está em atingir uma “massa crítica” de pessoas envolvidas com o esporte, o que tende a acontecer organicamente. O marketing só pode forçar esse fenômeno até certo ponto.

Entrar nas Olimpíadas é ainda mais complicado, e não apenas para novos esportes. O beisebol retornou pela primeira vez para os Jogos de Tóquio em 2021 após dois ciclos fora do programa. O golfe esperou por mais de cem anos.

“[O golfe] é um esporte que, semanalmente, os vencedores levam para casa mais de um US$ 1 milhão”, diz Derdenger. “Isso dá uma ideia do quão difícil é entrar nas Olimpíadas.”

Mas não é impossível. A principal vantagem do futmesa é que ele tem atraído um enorme público já estabelecido. De acordo com um estudo da Biblioteca do Congresso, existem cerca de 240 milhões de jogadores de futebol registrados no mundo e, quando contados os torcedores, o número chega à casa dos bilhões.

Um ponto positivo é que o teqball é neutro em termos de gênero (Nwosu diz que sua divisão de duplas mistas é a mais popular). Embora seja raro, há precedentes para variações de esportes convencionais entrarem nas Olimpíadas: o basquete 3×3 estreou em Tóquio no verão passado.

Por enquanto, Nwosu e outros líderes do esporte continuam fazendo lobby junto ao Comitê Olímpico Internacional. O teqball tem a vantagem de já estar no programa dos Jogos Europeus de 2023.

Os requisitos do COI (Comitê Olímpico Internacional) normalmente são obscuros, mas Nwosu conta que o comitê lhe disse que o futmesa precisaria ter pelo menos 75 federações nacionais reconhecidas antes que pudesse ser considerado. O esporte já superou esse número.

“Continuamos crescendo em um ritmo muito rápido e, portanto, não é uma questão de ‘se’, mas de ‘quando’ conseguirmos chegar lá”, diz Osmundson. “Os sonhos olímpicos estão muito mais próximos do que quando comecei minha jornada como atleta de teqball.”

Compartilhe esta publicação: