Google investe US$ 4 bi em novos escritórios. Será o fim do home office?

Enquanto empresas adiam seu plano de retorno aos escritórios, o Google está criando novos espaços e comprando prédios para abrigar sua equipe.

Jack Kelly
Compartilhe esta publicação:
carreira-escritorios-google

Em 3 meses, a empresa investiu mais de US$ 3 bi em dois prédios nos Estados Unidos para seus funcionários

Acessibilidade


À luz do aumento dos casos da variante Ômicron, um grande número de empresas vem adiando seus planos de retorno aos escritórios e mantendo o regime de home office. Depois de aguentar quase dois anos de pandemia, parece que os executivos de negócios desistiriam de dizer às pessoas para retornarem a um ambiente de escritório. O Goldman Sachs, o banco de investimento de primeira linha e um dos maiores defensores de ordenar que seus profissionais bem pagos voltem ao trabalho, acaba de anunciar que está adiando seus planos mais uma vez – desta vez para 1º de fevereiro.

Contrariando a tendência do local de trabalho remoto e híbrido, no entanto, o Google anunciou semana passada que compraria um prédio de escritórios em Londres por US$ 1 bilhão. Em princípio, parece surpreendente gastar tanto dinheiro quando há um excesso de imóveis, já que as empresas estão reduzindo suas participações. Uma porcentagem significativa de pessoas quer trabalhar remotamente e diz que desistirá se for forçada a parar de trabalhar em casa. Não é uma ameaça ociosa, já que cerca de 4 milhões de trabalhadores estão deixando seus empregos nos Estados Unidos.

Sua compra se soma a outro US$ 1 bilhão que, estima-se, o Google tenha gasto na construção de um edifício de 11 andares que parece um arranha-céu horizontal e terá um jardim na cobertura. Em setembro de 2021, a Forbes informou que a gigante das buscas comprou o edifício St. John’s Terminal na Hudson Square de Manhattan por US$ 2,1 bilhões.

Em uma postagem no blog da empresa na época, Ruth Porat, CFO, escreveu: “O Google teve a sorte de chamar Nova York de lar por mais de 20 anos, período em que crescemos para 12.000 funcionários. A vitalidade, criatividade e talento de classe mundial de Nova York são o que nos mantém enraizados aqui. É por isso que estamos anunciando hoje que estamos aprofundando nosso compromisso com a cidade e pretendemos comprar o Terminal de St. John em Manhattan por US$ 2,1 bilhões, que servirá como âncora do nosso novo campus Hudson Square”.

LEIA TAMBÉM: O trabalho remoto pode impulsionar a inovação, mostram estudos

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Porat apontou a compra como um aprimoramento de uma “abordagem híbrida mais flexível para o trabalho”, que facilitará os funcionários “se reunirem pessoalmente para colaborar e construir uma comunidade”. A CFO acrescentou: “Nossa decisão de exercer nossa opção de comprar o St. John’s Terminal se baseia em nossos planos existentes de investir mais de US$ 250 milhões este ano em nossa presença no campus de Nova York. Também é uma parte importante do cumprimento de nossos compromissos de igualdade racial anunciados anteriormente, que incluem continuar a aumentar nossa força de trabalho em diversas comunidades, como Nova York”.

Anteriormente, a Alphabet, holding que engloba o Google, propôs a construção de um grande projeto de cidade própria em Mountain View, Califórnia. O gigante da tecnologia construirá uma combinação de casas, lojas de varejo, parques e recreações e um campus corporativo de 40 acres. A visão do Google, chamada de “Middlefield Park Master Plan” oferece cerca de 1,33 milhão de pés quadrados de espaço para escritórios, juntamente com moradias residenciais, espaço recreativo ao ar livre, edifícios comerciais, lojas de varejo e um host de outras comodidades.

Amazon também investe em prédios

Não é apenas o Google que está comprando ou construindo imóveis, enquanto outros estão se desfazendo. A Amazon embarcou em um enorme complexo de escritórios e varejo de uso misto de US$ 2,5 bilhões no norte da Virgínia, que poderia abrigar cerca de 25.000 funcionários. A segunda sede, depois de Seattle, incluirá três edifícios de escritórios e varejo de 22 andares. Um tema ao ar livre incluirá bosques, um anfiteatro, trilhas para caminhada, amplo estacionamento para bicicletas e uma corrida de cães.

Para proteger suas apostas, a Amazon está prevendo que haverá pessoas que querem entrar no escritório ocasionalmente. Os projetos estão sendo feitos para acomodar o espaço onde os trabalhadores podem colaborar uns com os outros. Dentro do escritório, haverá vegetação e comodidades, como um programa de residência artística.

Em outro movimento que desafiou a tendência atual de empresas que adotam o trabalho remoto, a gigante de mídia social Meta, anteriormente conhecida como Facebook, comprou a bela, nova e não utilizada sede do campus corporativo de 400.000 pés quadrados da varejista Recreational Equipment Inc, a REI, perto de Seattle.

O espetacular complexo tem um design e funcionalidade que incorpora o meio ambiente e a natureza com um espaço de escritórios consistente com sua marca. Tem escadarias ao ar livre, uma ponte, pátio e clarabóias para os trabalhadores verem o céu aberto. O campus da REI nunca foi ocupado pois a empresa mudou para uma configuração de trabalho remoto quando ficou prontoe  planejava vender o prédio inteiro ou manter alguns escritórios e alugar o restante.

Os gigantes da tecnologia estão claramente mantendo todas as opções em aberto. Faz sentido. Se houver uma reação contra o trabalho remoto daqui a dois ou três anos, as empresas de tecnologia terão que lutar para adquirir propriedades. Presumivelmente, as empresas sediadas no Vale do Silício estão fazendo bons negócios no setor imobiliário, já que outras organizações estão vendendo, quebrando contratos de aluguel, sublocando ou ficando totalmente remotas.

Compartilhe esta publicação: