Veja como é um cemitério de aviões

Reprodução
Local abriga aeronaves excedentes que podem ser desmontadas peça a peça

Resumo:

  • Cemitérios de aeronaves abrigam aviões que as companhias aéreas já não usam;
  • A vida útil das aeronaves varia; na Delta, têm em média 15 anos;
  • Os motores das aeronaves são quase sempre removidos, pois representam os componentes mais valiosos e podem ser facilmente colocados em outros aviões.

Aeronaves comerciais são feitas com uma engenharia incrível. As distâncias que algumas voam ao longo da vida são fascinantes. Depois de muitos anos transportando passageiros, a maioria dos aviões registra mais de 1.000 voltas ao mundo. Supondo que um avião tenha uma vida útil de 30 anos e, em média, complete mais de 3.000 horas de voo por ano a uma velocidade de cruzeiro média de 500 mph, o avião comercial médio poderia ir à Lua e voltar quase 100 vezes na vida. Se ele não está no ar, está custando dinheiro às companhias aéreas, não apenas pela perda de receita, mas pela incidência de taxas de estacionamento e de terra nos aeroportos.

LEIA MAIS: As 10 melhores companhias aéreas do mundo em 2019

A idade média das aeronaves da Delta é de 15 anos, tornando sua frota uma das mais antigas dos EUA. A companhia ainda voa com MD-88 mais velhos, com a impressionante idade média de mais de 28 anos. O que torna essa estatística ainda mais fascinante é o fato de que, diferentemente de um carro, por exemplo, aeronaves comerciais são utilizadas por grande parte de sua vida útil, geralmente fazendo apenas pausas programadas para manutenção. Por exemplo, a Ryanair mantém o tempo de reutilização das aeronaves depois de um voo (o chamado TaT, turnaround time) em menos de 25 minutos em média. Com aeronaves de voo longo com TaTs de apenas algumas horas, entendemos que tudo tem prazo de validade.

Aviões e aeroportos são lugares incrivelmente dinâmicos, com um zumbido ensurdecedor. Hordas de pessoas voando para uma infinidade de destinos diferentes em um tubo de metal, capaz de criar muitas lembranças para milhares de pessoas.

Então, o que acontece com uma aeronave quando sua vida acaba?

Muitos jatos terão vários proprietários ao longo de seu ciclo de vida. Algumas companhias aéreas, em particular, têm um modelo de longa data de compra de aviões em segunda mão, e com grandes descontos. Embora isso signifique que suas contas de combustível possam ser relativamente mais altas do que alguns concorrentes que usam aeronaves mais modernas, isso permite que uma companhia aérea economize centenas de milhões de dólares em novas aeronaves da Boeing e da Airbus, principalmente. Como a compra de um carro usado, o valor de revenda de um avião se deprecia rapidamente, o que significa que, mesmo após uma longa vida útil e vários proprietários, ainda existem transportadoras menores e menos conhecidas que podem olhar para aviões que parecem destinados ao ferro-velho.

Aeronaves que acabam inicialmente em um “cemitério”, como são comumente referidos, podem simplesmente ficar lá. Cemitérios de aviões, como o de Victorville, na Califórnia, são usados ​​para armazenar aeronaves que as companhias aéreas consideram excedentes em capacidade no curto ou no médio prazo. As instalações de armazenamento são no deserto. O ar seco preserva as aeronaves para que possam ser reentradas em serviço no futuro ou eventualmente descartadas para peças de reposição.

Os motores das aeronaves são quase sempre removidos, pois representam os componentes mais valiosos e podem ser facilmente colocados em outros aviões. Os eletrônicos também são revendidos, e pode ser triste para os amantes da aviação ver lentamente partes de um avião transformadas em sucata, pois peças de metal, trem de pouso e até janelas de aeronaves podem ser removidos um a um, como e quando a demanda permitir.

À medida que as companhias aéreas se adaptam e modernizam sua frota, o cenário de aeronaves que ocupam cemitérios, como Victorville, no deserto de Mohave, muda constantemente. Atualmente, muitas companhias estão se afastando de aviões que consomem quatro motores, como os antigos Boeing 747s e Airbus A340s, para migrar para bimotores com maior consumo de combustível, como o 787 e o A350. Isso significa que o infame jumbo-jet é comum no cemitério, com companhias aéreas como British Airways e KLM atualmente aposentando suas grandes frotas dessas aeronaves de dois andares. Infelizmente para muitos desses aviões, o deserto será o seu local de descanso final, pois eles são lentamente desmontados.

No entanto, há uma aparição frequente: o Boeing 737-MAX. Publiquei um artigo no início deste ano prevendo que o MAX não iria voltar aos céus até 2020. Com a United Airlines agora cancelando seus horários do 737-Max para 2020, isso parece cada vez mais provável, apesar do otimismo inicial da Boeing de que o avião seria aeronáutico novamente e voaria comercialmente em 2019.

As fileiras das aeronaves 737-MAX da Southwest Airlines estacionadas paralelamente em Victorville mostram uma imagem triste, mas este será um dos aviões que realmente sairá do deserto para voar por mais dias. A única questão que permanece é quando.

http://https://youtu.be/x_ZCid_GMis
Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).