Indústria brasileira abre 3º tri em alta mas continua 6% abaixo do nível pré-pandemia

Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

De acordo com o IBGE, o setor automotivo acumulou expansão de 761,3% em três meses consecutivos

A indústria brasileira iniciou o terceiro trimestre com aumento da produção pelo terceiro mês seguido e acima do esperado em julho, mas permanece 6% abaixo do nível visto antes das paralisações para contenção do coronavírus.

Em julho, a produção industrial cresceu 8,0% na comparação com o mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) hoje (3).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O resultado ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters de ganho de 5,7%, mas o setor ainda não conseguiu eliminar a perda de 27% acumulada em março e abril, quando a produção chegou ao seu ponto mais baixo da série.

Na avaliação do estrategista-chefe do banco digital modalmais, Felipe Sichel, o dado reforça o cenário de recuperação da economia brasileira, que se estendeu ao longo do mês de julho.

Ainda assim, ponderou o gerente da pesquisa, André Macedo, o setor continua 6% abaixo do nível pré-pandemia e isolamento social (em fevereiro). “Observa-se uma volta à produção desde maio, e é um crescimento importante, mas que ainda não recupera as perdas do período mais forte de isolamento.”

Na comparação com julho de 2019, a produção voltou a registrar resultado negativo pelo nono mês seguido ao cair 3,0%, o que destaca as dificuldades de recuperação do setor. A expectativa era de uma perda de 6,4% nessa base de comparação.

Nos sete primeiros meses de 2020, a produção da indústria brasileira acumula queda de 9,6%.

“Para recuperar essa perda, precisamos que a indústria mantenha crescimento em série para repor”, completou Macedo. “Ainda existe um espaço e um resíduo a ser recuperado. Todas as categorias estão abaixo de fevereiro de 2020.”

VEJA TAMBÉM: Queda do PIB no 2º tri é “som distante”, economia já tem retomada em V, diz Guedes

Pela primeira vez na série histórica iniciada em 2002, 25 dos 26 setores apresentaram taxa positiva no mês de julho. A principal influência positiva partiu da alta de 43,9% na produção de Veículos automotores, reboques e carrocerias em julho diante da contínua retomada da atividade.

De acordo com o IBGE, o setor acumulou expansão de 761,3% em três meses consecutivos, mas ainda assim está 32,9% abaixo do patamar de fevereiro, antes da pandemia.

“A indústria automotiva puxa diversos setores em conjunto, sendo o ponto principal de outras cadeias produtivas”, destacou Macedo.

O único setor a apresentar perdas foi o de Impressão e reprodução de gravações, com queda de 40,6%, depois de expansão de 77,1% em junho.

Entre as categorias econômicas, a fabricação de Bens de Consumo duráveis aumentou 42,0% em julho sobre o mês anterior, enquanto a de Bens de Capital subiu 15,0%.

Os Bens de Consumo Intermediários tiveram aumento de produção de 8,4%, e os Bens de Consumo Semi e não Duráveis cresceram 4,7%.

E TAMBÉM: Economia do Brasil encolhe recorde de 9,7% no 2º trimestre

“Muita gente fora do mercado e sem emprego são variáveis importantes para acompanhar daqui para a frente. O mercado de trabalho é importante para uma consistência da eventual retomada da produção industrial”, disse Macedo.

No segundo trimestre, a indústria foi a mais afetada pelas consequências do coronavírus, com recuo recorde da produção de 12,3% sobre os três meses anteriores, segundo os dados do PIB divulgados esta semana pelo IBGE.

Já o mercado prevê que a produção do setor vai encolher 7,35% este ano, de acordo com a pesquisa Focus do Banco Central, com a economia retraindo 5,28%. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).