Lucro da Eletrobras salta 31% no 1° trimestre apoiado por negócios em transmissão

A estatal Eletrobras registrou lucro líquido de R$ 1,6 bilhão no primeiro trimestre, salto de 31% frente ao mesmo período do ano anterior, apoiada por melhores resultados em seus negócios de transmissão após uma revisão tarifária e com influências dos índices de inflação que reajustam contratos.

Em balanço divulgado na noite de ontem (12), a maior elétrica da América Latina apontou resultado operacional medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 3,85 bilhões, alta de 11% ano a ano, enquanto a margem ficou em 47%.

LEIA MAIS: Eletrobras vê déficit de R$ 6,8 bilhões em fundos de pensão

Excluídos efeitos não recorrentes, o Ebitda teria sido de R$ 4,9 bilhões, avanço de 30%.

A companhia, com negócios em geração, transmissão e comercialização de energia, somou receita operacional líquida de R$ 8,2 bilhões entre janeiro e março, alta de 8% em base anual, enquanto custos e despesas operacionais totais atingiram R$ 5,2 bilhões, elevação de 10%.

Custos com pessoal, material, serviços e outros (PMSO), no entanto, recuaram 5%, para R$ 2 bilhões.

A receita de geração da companhia atingiu R$ 5,8 bilhões, perto dos R$ 5,9 bilhões do ano anterior, enquanto em transmissão houve salto de 25% para R$ 3,8 bilhões.

A Eletrobras disse que o aumento deve-se a revisões tarifárias de ativos de transmissão de suas subsidiárias, que levaram a aumentos de valores, além dos índices de inflação associados aos contratos no setor.

Do lado negativo, a estatal registrou aumentou nas provisões operacionais, para R$ 1,1 bilhão, ante R$ 392 milhões no ano anterior, sendo R$ 932 milhões para “contingências”.

LEIA MAIS: Petrobras e BR devem conversar sobre venda de ações até a próxima semana, diz Ferreira

A companhia provisionou R$ 436 milhões devido a processos judiciais referentes ao chamado empréstimo compulsório, enquanto sua controlada Chesf provisionou R$ 363 milhões, sendo R$ 185 milhões devido à situação hidrológica desfavorável.

Ainda houve um impacto negativo de variação cambial líquida de R$ 601 milhões sobre os resultados.

A elétrica encerrou o trimestre com dívida líquida de R$ 20,56 bilhões, enquanto caixa e equivalentes somavam R$ 14,65 bilhões.

Os investimentos no período foram de R$ 519 milhões, alta de 58% frente aos R$ 329 milhões do ano anterior, mas bem abaixo dos R$ 1,29 bilhão orçados para o trimestre. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).