Engie Brasil foi conservadora em dividendos para focar em crescimento, diz CEO

O conselho da empresa aprovou a distribuição de R$ 578 milhões em dividendos intercalares, equivalente a R$ 0,708 por ação

Reuters
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Stephane Mahe
REUTERS/Stephane Mahe

Engie Brasil busca garantir caixa para investimentos e oportunidades de crescimento

Acessibilidade


A Engie Brasil decidiu ser mais conservadora na distribuição de dividendos neste trimestre para garantir caixa para investimentos e oportunidades de crescimento, disse o CEO da elétrica, Eduardo Sattamini, nesta quarta-feira.

Em teleconferência de resultados, ele disse que a postura “conservadora” pode mudar até o fim deste ano, a depender da evolução dos projetos da empresa.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O conselho de administração da Engie aprovou na terça-feira a distribuição de R$ 578 milhões sob a forma de dividendos intercalares (cerca de 0,708 real por ação), equivalente a 55% do lucro líquido distribuível do primeiro semestre de 2022. Geralmente, a companhia distribui 100% de seu lucro.

“Preferimos distribuir 55% para que a gente não tenha que, em algum momento, ter uma alavancagem elevada num momento de taxa de juros elevadas em função da inflação… Estamos crescendo, não queremos nos expor a tomar recursos a taxas elevadas”, comentou.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O CEO ressaltou que, apesar dos planos de crescimento, a companhia não pretende sacrificar retornos dos projetos ou vender energia a preços que não considera razoáveis.

Entre os novos projetos da companhia, está o complexo eólico Serra do Assuruá, na Bahia, que tem potencial para atingir 882 megawatts (MW) de capacidade instalada. O empreendimento está em fase de desenvolvimento e terá sua energia vendida “em momento adequado”.

“Não precisamos estar correndo para vender (energia) a preços baixos, influenciados pela boa hidrologia, vamos ter momentos mais adequados de venda num futuro próximo.”

Já em transmissão de energia, a Engie mantém seu interesse em aumentar seu portfólio com novas concessões, principalmente através dos leilões, disse.

Engie aposta na hidrelétrica de Jirau

Sattamini comentou ainda que a transferência da usina hidrelétrica de Jirau (RO) à Engie Brasil “muito provavelmente” será avaliada em 2023 pelo controlador, dada a perspectiva de que a concessão se torne “financeiramente equilibrada”.

Segundo o executivo, em meados do próximo ano haverá uma redução significativa, da ordem de 30%, da tarifa de utilização da transmissão (TUST) do empreendimento.

“Estamos falando de um caixa extra para a companhia (Jirau) da ordem de R$ 333 milhões, isso aí deve equilibrar financeiramente a operação da companhia”, afirmou Sattamini.

Com 3.750 megawatts (MW) de capacidade instalada, a hidrelétrica de Jirau tem como acionistas a Engie, a japonesa Mitsui e as subsidiárias da Eletrobras Chesf e CGT Eletrosul.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: