Dólar recua ante real de olho em Previdência

iStock
Às 10h04, a moeda norte-americana recuava 0,51%, a R$ 3,8564 na venda

O dólar cai ante o real na manhã de hoje (2) de olho no andamento da reforma da Previdência e monitorando o exterior, onde há maior apetite por risco após dados positivos dos Estados Unidos e temores reduzidos de desaceleração global.

LEIA MAIS: Dólar fecha em queda de 1% ante real

Às 10h04, a moeda norte-americana recuava 0,51%, a R$ 3,8564 na venda. Ontem, o dólar encerrou em queda de 1%, a R$ 3,8763 na venda. O dólar futuro subia cerca de 0,1%.

Segundo o diretor de câmbio da Ourominas, Mauriciano Cavalcante, apesar do viés positivo de notícias, neste pregão o dólar deve oscilar em uma faixa estreita diante da ausência de grandes novidades que encorajem movimentos mais acentuados.

Nesta terça-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reúne-se com diversos grupos de parlamentares e deve tratar da Previdência, e amanhã (3) irá à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara para audiência, o que está no centro da atenção de agentes do mercado.

“A partir de quarta-feira vamos ter alguma coisa mais plausível para o dólar poder buscar um viés de baixa que estamos acreditando, por causa da visita do Guedes à CCJ,” avaliou Cavalcante.

Enquanto isso, o presidente Jair Bolsonaro continua sua visita em Israel, embora tenha antecipado o retorno para o Brasil em cerca de duas horas na quarta-feira.

De acordo com o porta-voz da Presidência, na quinta-feira (4) Bolsonaro se reúne com diversos parlamentares com o objetivo de acelerar a tramitação da Previdência.

VEJA TAMBÉM: Dólar cai mais de 1% ante o real

Na noite de ontem (1), o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR), disse que não cogita nenhuma mudança efetiva na PEC da Previdência na etapa em que ela tramita no colegiado.

O relator do texto na CCJ, o deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG) também avaliou que a matéria está madura para ser votada na comissão da forma que foi apresentada pelo governo. Segundo os dois deputados, o relatório deve ser apresentado no dia 9 de abril para que seja votado na CCJ no dia 17.

Do lado externo, dados dos EUA divulgados na segunda-feira mostraram melhora na atividade manufatureira no mês passado e nos gastos com construção em fevereiro.

Somados a dados chineses que apontaram que a indústria voltou a crescer em março pela primeira vez em quatro meses, os números endossam maior disposição ao risco e amenizam preocupações de desaceleração econômica global.

Agentes financeiros monitoram ainda a retomada das negociações comerciais entre Washington e Pequim.

“Esses dois pontos – dados da China e comércio – seguem embasando o bom humor recente, sentimento que ainda contempla a guinada dovish dos principais bancos centrais e permite os movimentos observados”, avaliou a corretora H.Commcor em nota.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 5,350 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de maio, no total de US$ 4,843 bilhões.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).