Chinesa Cofco prevê ampliar aportes no Brasil

Thomas Peter/Reuters
Presidente da Cofco, Johnny Chi, falou durante evento do agronegócio em São Paulo

A negociante chinesa de commodities Cofco planeja aumentar os investimentos em suas operações no Brasil, uma vez que o ambiente de negócios local deve melhorar após a aprovação de importantes reformas econômicas no país, disse o presidente do conselho da empresa, Johnny Chi, hoje (5).

LEIA MAIS: Investimento chinês no Brasil deve aumentar neste ano

Ao falar durante evento do agronegócio em São Paulo, Chi afirmou que a Cofco está avaliando investimentos como novos armazéns e melhorias em sistemas de transporte no Brasil. “Nós esperamos ter um ambiente de negócios mais previsível e seguro. É um bom momento para pensar em como nós podemos aprofundar essa parceria”, disse ele, durante sua apresentação.

A China é o principal parceiro comercial do Brasil e a maior compradora de commodities junto ao país. A Cofco é importante comercializadora de soja e milho no país, assim como uma grande produtora de açúcar e etanol. O governo brasileiro está buscando promover diversas reformas, incluindo a da Previdência e a tributária, com o objetivo de melhorar o equilíbrio fiscal do país e aumentar o interesse de investidores.

Chi, que falou em mandarim e teve a ajuda de intérprete, disse que a companhia, que comprou as rivais Nidera e Noble Agri em 2014, ainda está em busca de oportunidades de crescimento, mas não especificou áreas ou alvos em potencial. Ele disse esperar que os negócios entre a Cofco e produtores brasileiros sejam fortalecidos nos próximos anos.

A Cofco aumentou fortemente o volume de soja originado no Brasil, exportando quase 11 milhões de toneladas no ano passado, ou quase 20% a mais que em 2017. A disputa comercial entre Estados Unidos e China foi um dos grandes fatores por trás dessa alta.

Questionado por jornalistas sobre sua visão em relação à guerra comercial, o executivo recusou-se a comentar.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).