Facebook se nega a remover posts políticos que violem regras

Dado Ruvic/Ilustração/Reuters
Empresa afirma que não deve ser árbitro de discurso na arena política

O Facebook anunciou que não removerá os posts de políticos que violem os padrões da comunidade e não os rotulará como o Twitter prometeu, dizendo que não deve ser o árbitro do discurso aceitável na arena política. As plataformas de mídia social estão sob pressão para bloquear a interferência eleitoral e serem mais transparentes sobre as políticas de conteúdo político, depois do que as autoridades dos EUA chamaram de uma extensa campanha de influência cibernética da Rússia com o objetivo de ajudar a eleger o presidente Donald Trump em 2016. Moscou tem negado as alegações.

O Facebook retirar do ar posts se o conteúdo de um político tiver o potencial de incitar a violência ou representar um risco à segurança que supera o valor do interesse público. E os anúncios políticos ainda devem atender às regras do Facebook.

LEIA MAIS: Facebook suspende milhares de aplicativos em investigação sobre uso de dados

Os tipos de post de políticos que podem ser mantidos podem incluir comentários cruéis ou insensíveis ou conteúdo gráfico.

O chefe de assuntos globais do Facebook, Nick Clegg, anunciou a posição em um discurso em Washington D.C. sobre os preparativos da gigante das mídias sociais para as eleições presidenciais dos EUA em novembro de 2020.

“Seria aceitável para a sociedade em geral que uma empresa privada se tornasse um árbitro autonomeado para tudo o que os políticos dizem?” Clegg perguntou. “Eu não acredito que seria.”

Os comentários seguem o anúncio do Twitter em junho de que ele identificaria e minimizaria os tuítes que infringissem suas regras, mas fossem publicados por fontes importantes, como políticos e funcionários do governo.

Se sinalizado, um aviso cobrirá o post ofensivo e exigirá que o usuário clique em um link para visualizá-lo.

Uma porta-voz do Facebook disse à Reuters que o conteúdo digno de nota de políticos no Facebook não seria rotulado para mostrar que violou as regras.

Clegg, que anteriormente era vice-primeiro-ministro britânico, também disse que o Facebook não enviou conteúdo original de políticos a seus verificadores independentes. Ele apenas rebaixará e rotulará o conteúdo desmembrado anteriormente, compartilhado pelos políticos.

O programa de verificação de fatos de terceiros do Facebook, usado para rotular e enfatizar o conteúdo falso, tem sido uma peça central de sua luta contra a desinformação.

Uma porta-voz do Facebook disse que a política global se aplicaria a políticos nos níveis executivo, nacional e regional, incluindo candidatos a cargos.

A posição do Facebook em relação ao conteúdo dos políticos se baseia em sua política, em vigor desde 2016, para deixar de lado o conteúdo cujo interesse público considera compensar o risco de danos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).