Klabin tem lucro de R$ 207 mi no 3º tri

Klabin tem resultado melhor do que no mesmo período do ano passado

A Klabin teve lucro líquido de R$ 207 milhões no terceiro trimestre, crescimento ante o desempenho de R$ 104 milhões obtido no mesmo período do ano passado, apesar de queda no volume vendido e na receita líquida, segundo dados informados hoje (28) pela companhia de papel e celulose.

LEIA MAIS: Klabin investirá R$ 9,1 bi em papéis para embalagem

A empresa teve recuo de 6% no volume vendido entre julho e fim de setembro, para 799 mil toneladas, enquanto o faturamento líquido caiu 12%, para R$ 2,48 bilhões.

O resultado foi impulsionado por um ganho fiscal de R$ 1 bilhão após vitória na justiça em caso que questionava a cobrança de ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins.

“O crédito extemporâneo de R$ 1 bilhão trouxe incremento líquido de R$ 620 milhões em Ebitda ajustado no período”, afirmou a Klabin no balanço.

VEJA TAMBÉM: Klabin fecha trimestre com prejuízo de R$ 196 mi

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado da companhia no período subiu 12% na comparação anual, para R$ 1,39 bilhão. Se desconsiderado o efeito do crédito, o Ebitda ajustado teria sido R$ 776 milhões.

Analistas esperavam, em média, lucro líquido de R$ 594,5 milhões e Ebitda de cerca de R$ 1 bilhão para a Klabin no terceiro trimestre, segundo dados da Refinitiv. Não ficou imediatamente claro se os números são comparáveis.

A Klabin terminou o trimestre com uma relação de dívida líquida sobre Ebitda de 3,4 vezes em reais ante 3 vezes no segundo trimestre e 3,4 vezes no terceiro trimestre de 2018. Em dólares, a alavancagem passou de 3 vezes no final de setembro do ano passado para 3,1 vezes neste ano.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).