Dólar fecha a R$ 4,3657 e renova máxima histórica

Reuters-GuadalupePardo
O dólar à vista fechou em alta de 0,18%, acima do então recorde da véspera

O dólar voltou a subir hoje (19) e renovou a máxima histórica de fechamento ante o real, dia em que a moeda norte-americana esteve nos picos em vários anos no exterior após dados mais fortes sobre a economia dos Estados Unidos.

O dólar bateu recorde pela segunda sessão consecutiva num mês que conta com as dez cotações mais altas já registradas no mercado local.

Além de fatores no exterior – onde a moda operava nas máximas desde maio de 2017-, as operações domésticas seguiram influenciadas pela percepção de que o Banco Central parece menos disposto a atuar no câmbio mesmo com o dólar em consecutivas máximas recordes e já mirando R$ 4,40.

Na véspera (18), o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que o BC está tranquilo com relação ao câmbio. No entendimento do mercado, a fala de Campos Neto indica que o BC não vê urgência em fazer recorrentes intervenções para defender o patamar da moeda.

“De forma geral, a mensagem do BC pode muito bem tornar intervenções menos solidárias ao real do que em episódios anteriores”, disse o Citi em nota.

VEJA MAIS: Ibovespa sobe com intenso noticiário positivo

O BC vendeu, no somatório de quinta e sexta-feira da semana passada, US$ 2 bilhões em contratos de swap cambial tradicional. Mas desde então a cotação já sobe 1,50%, mais do que apagando a queda de 1,14% acumulada nos dias em que o BC interveio.

A declaração do chefe da autoridade monetária veio num momento em que cresce a percepção no mercado de que o governo está apoiando um câmbio mais desvalorizado para impulsionar o crescimento.

Nesta quarta, o BNP Paribas cortou a projeção para alta do PIB do Brasil este ano de 2% para 1,5%, citando os impactos do coronavírus na economia chinesa – principal destino das exportações brasileiras.

Um cenário de crescimento mais lento reduz o espaço para aumentos de retornos na renda fixa e diminui o apetite do investidor estrangeiro pelo Brasil – ambos os fatores prejudicam as expectativas de ingresso de capital que poderia ajudar a trazer algum alívio ao câmbio.

O dólar à vista fechou em alta de 0,18%, a R$ 4,3657 na venda, acima do até então recorde de R$ 4,358 do encerramento da véspera.

Na B3, o dólar futuro tinha ganho de 0,11%, a R$ 4,3625.

A moeda dos EUA também se fortalecia no exterior, após dados apontarem uma economia norte-americana ainda firme e depois de o Federal Reserve (Fed, BC dos EUA) demonstrar otimismo quanto à expansão econômica do país – a mais longa da história.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).