Vacina em teste protege macacos na China

Especialistas ponderam que o número de animais testados ainda é pequeno para resultados significativos.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Picture Alliance/Getty Images
Picture Alliance/Getty Images

Segundo o relato, o imunizante, não causou efeitos colaterais evidentes em macacos da espécie Rhesus

Acessibilidade


Cientistas chineses relataram ter conseguido proteger um grupo de macacos da infecção pelo novo coronavírus em um experimento de vacina. O trabalho foi publicado em um repositório de artigos científicos, mas ainda não foi revisado por outros acadêmicos. Especialistas ponderam que o número de animais testados ainda é pequeno para resultados significativos.

O trabalho é conduzido pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech. Segundo o relato, o imunizante, feito com versão quimicamente inativa do vírus, não causou efeitos colaterais evidentes em macacos da espécie Rhesus. A equipe criou uma vacina que introduziu anticorpos neutralizantes específicos para o SARS-CoV-2. Esses anticorpos neutralizaram dez cepas representativas do vírus.

LEIA MAIS: OMS lança iniciativa colaborativa para medicamentos, testes e vacinas de Covid-19

Os cientistas argumentam que isso aponta para uma possível capacidade de maior neutralização do vírus contra cepas circulantes por todo o mundo. A imunização com duas doses diferentes proporcionou uma proteção parcial ou completa dos macacos. Uma observação dos sinais clínicos, do índice hematológico e bioquímico e análise histopatológica em animais sugerem que a vacina é segura.

A seção de notícias da revista “Science” repercute o artigo e explica que os experimentos foram realizados com oito macacos, que receberam as duas doses diferentes. Após três semanas, os pesquisadores introduziram o SARS-CoV-2 nos pulmões do macaco por meio de tubos nas traqueias e nenhum desenvolveu a infecção.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os macacos que receberam a dose mais alta da vacina em teste tiveram melhor resposta: uma semana após receber o vírus, nada foi detectado na faringe ou nos pulmões de qualquer um deles. Alguns dos animais que receberam a dose mais baixa tiveram recuperação na carga viral, mas eles também poderiam controlar a infecção. O teste em humanos começou no dia 16. Para especialistas, o desenvolvimento de uma vacina para Covid-19 ainda deve levar ao menos mais um ano. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (Com Agência Estado)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: