Globo abre dados de comportamento de brasileiros na pandemia

Getty Images
Getty Images

Segundo a pesquisa da Globo, 37% das pessoas têm procurado comprar mais online, por fatores como conveniência e maior gama de produtos com melhor preço

Durante um evento online com anunciantes e agências ontem (3), a Globo falou sobre seus aprendizados durante a pandemia, tendências e anunciou um dashboard interativo com dados sobre hábitos de consumo dos brasileiros durante a crise do novo coronavírus. A plataforma Gente foi desenvolvida pelo departamento de pesquisas da emissora, que mapeia o comportamento da população e gera dados usados para orientar sua programação e ações, bem como nortear os negócios com seus clientes.

O dashboard mostra as mudanças nas emoções e hábitos de compra desde o início da crise. Foram realizadas ondas de pesquisa nas primeiras nove semanas de isolamento social, com 1.500 pessoas em cada amostra. Houve uma pausa, por conta da estabilização dos dados, e a pesquisa foi retomada na 16ª semana de isolamento e o acompanhamento será feito quinzenalmente até o fim do ano, com essa mesma amostragem e de forma remota. A emissora vê o estudo de como as pessoas têm lidado com os diversos cenários de restrição em partes diferentes do país como uma ferramenta importante para informar a transformação de negócios de seus parceiros, bem como suas próprias ações no atual cenário. O dashboard está abertos para quem quiser consultar os dados.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

Entre os destaques da pesquisa da Globo, 70% dos brasileiros dizem estar comprando menos por conta das preocupações financeiras e 55% das pessoas dizem estar abertas a trocar sua marca preferida por uma mais barata. Por outro lado, há um interesse maior em presentear, com uma alta de 14% na busca por presentes em datas como o dia das mães e 65% dos consumidores têm preferido marcas que se posicionam positivamente, com ações como flexibilidade no pagamento.

Segundo a pesquisa da Globo, 37% das pessoas têm procurado comprar mais online, por fatores como conveniência e maior gama de produtos com melhor preço. O estudo mostra recortes regionais sobre setores prioritários para compras: no Norte/Centro-Oeste, 36% dos consumidores estão interessados em comprar roupas e acessórios, viagens (30%), smartphones (23%) e calçados (22%). No Nordeste, a preferência é por roupas e acessórios, segmento citado por 36% dos consumidores, seguido de viagens (31%), móveis (19%) e smartphones (18%). No Sul, roupas e acessórios também lideram a lista, com 33% de preferência, com viagens na sequência, com 33%, móveis com 18% e eletrodomésticos com 17%. Já no Sudeste, roupas e acessórios são itens prioritários para 37% da população, ao passo que viagens são citadas por 31% e calçados por 22%. Eletrodomésticos são prioritários para 16% da população nesta região.

O interesse em eletrodomésticos e artigos para a casa no Sudeste e Sul aparece devido à concentração de pessoas trabalhando remotamente nestas regiões e a permanência prolongada em casa. Segundo a Globo, a casa tem ganhado centralidade para os brasileiros: um terço das pessoas consultadas pela emissora passou a trabalhar ou estudar em casa durante a pandemia. Destas, 28% aproveitaram para fazer pequenos reparos no lar, 12% compraram algum equipamento para ajudar nas atividades remotas e 9% aumentaram o plano de internet.

Angelica Mari é jornalista especializada em inovação há 18 anos, com uma década de experiência em redações no Reino Unido e Estados Unidos. Colabora em inglês e português para publicações incluindo a FORBES (Estados Unidos e Brasil), BBC e outros.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).