Bernard Arnault economiza US$ 400 milhões em negociação dramática com a Tiffany

Vincent Isore/ IP3- Colaborador/ Getty Images
Vincent Isore/ IP3- Colaborador/ Getty Images

Em vez dos US$ 16,2 bilhões anunciados anteriormente, bilionário pagará US$ 15,2 bilhões pela joalheria norte-americana

O bilionário Bernard Arnault definiu os limites da recente batalha entre o grupo de luxo LVMH e a gigante norte-americana de joias Tiffany & Co sobre os termos de um negócio de US$ 16 bilhões anunciado em novembro do ano passado.

Em um comunicado conjunto esta manhã, a LVMH e a Tiffany declararam o fim das hostilidades e anunciaram um novo preço de compra: US$ 131,5 por ação, em vez dos US$ 135 acordados anteriormente.

LEIA MAIS: Bernard Arnault parte para a ofensiva após Tiffany pagar dividendos mesmo com prejuízo trimestral

O novo valor reduz o total do negócio de US$ 16,2 bilhões para cerca de US$ 15,8 bilhões, proporcionando a Arnault um desconto de US$ 400 milhões em sua maior aquisição até o momento.

O novo acordo acaba com meses de discussão pública entre as gigantes depois que a LVMH anunciou sua intenção de “adiar” a operação em setembro, levando ambas as empresas a travarem uma amarga batalha no tribunal em Delaware, EUA.

Bernard Arnault, no comunicado de hoje (29), descreveu o novo acordo como “equilibrado”, permitindo à LVMH “trabalhar na aquisição da Tiffany com confiança”. Ele acrescentou, ainda, que o grupo está “convencido do incrível potencial da Tiffany e que acredita que a LVMH é a casa certa para a joalheria”.

O dilema dos dividendos

Embora Arnault, um negociador notoriamente difícil, possa ter ficado satisfeito com o desconto e a resolução dos processos judiciais, a Tiffany conseguiu forçar o fechamento do negócio e argumentou a favor de continuar a pagar seus dividendos trimestrais com um preço bem menor em relação ao preço atual de suas ações, de US$ 0,58.

Três conjuntos de dividendos de US$ 70 milhões por trimestre, em um total de US$ 210 milhões, serão pagos pela Tiffany no momento em que o negócio for concluído. A decisão da norte-americana em meio à pandemia que afeta profundamente o setor de luxo foi considerada “decepcionante” pela LVMH e foi um grande obstáculo durante a negociação.

Roger N. Farah, presidente do Conselho de Administração da Tiffany, acrescentou que o acordo deu à LVMH um “preço atraente” e era do “interesse de todos os nossos acionistas para obter a certeza de fechamento”.

LEIA MAIS: Ações da LVMH disparam e Bernard Arnault fica US$ 8,2 bilhões mais rico em um dia

Melodrama de luxo

A novela entre a LVMH e a Tiffany fez a pessoa mais rica da Europa ficar cara a cara com o joalheiro mais famoso dos Estados Unidos em um drama que atraiu a intervenção do governo francês e parecia destinado a uma batalha jurídica conturbada e muito cara nos tribunais.

Em novembro de 2019, a Tiffany e a LVMH concordaram em uma fusão de US$ 16,2 bilhões que faria com que a joalheria se unisse ao conglomerado de luxo. Bernard Arnault ficou famoso por chamar a Tiffany de um “ícone americano” que, sob sua liderança, “se tornaria um pouco mais francês”.

No entanto, quando a pandemia chegou, em março no ano seguinte, o cenário dos negócios de luxo mudou e a Tiffany viu muitas de suas lojas em todo o mundo serem fechadas.

Em junho, uma fonte da Tiffany a par das negociações disse à Forbes que a empresa sabia que havia um problema nas negociações e que sua equipe jurídica começava a se preparar para o pior.

A LVMH pareceu desistir de vez do negócio em setembro, depois que o gigante do luxo publicou uma carta do Ministério das Relações Exteriores da França pedindo o adiamento da negociação devido a uma disputa comercial entre o país e os EUA. A oposição política francesa não é mencionada no anúncio de hoje e não é o assunto da ação legal que a Tiffany levou aos tribunais para forçar a LVMH a honrar o acordo.

O foco da discussão entre os dois gigantes mudou quando a Tiffany decidiu pagar US$ 70 milhões por trimestre em dividendos a seus acionistas durante a pandemia. A medida foi descrita à Forbes por uma fonte da LVMH em setembro como “literalmente queimar dinheiro”.

A Tiffany retrucou, dizendo que, apesar da pandemia, permaneceu em uma posição financeira sólida, mantendo cerca de US $ 1,1 bilhão em reservas de caixa, de acordo com um recente registro junto à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos.

Uma fonte da joalheria disse à Forbes que a LVMH estava usando a pandemia como uma “desculpa” para tentar impedir o pagamento de dividendos, o que resultaria em mais dinheiro no balanço para o grupo francês herdar quando adquirisse a empresa.

Na última discussão no mês passado, a Tiffany respondeu diretamente ao bilionário francês Bernard Arnault e seu grupo LVMH. Em sua resposta final ao tribunal de Delaware contra a LVMH, ela descreveu essas reivindicações como “legal e factualmente infundadas” e acusou o bilionário de usar “todos os meios e oportunidades à sua disposição para garantir que a LVMH pague o menor preço possível pelos ativos que deseja”.

Agora, ao que tudo indica, a fusão deve ser concluída no início de 2021, ainda sujeita à aprovação dos acionistas da Tiffany.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).