Com impulso de Petrobras e Gerdau, Ibovespa fecha em alta antes do Copom

O Ibovespa encerrou o pregão desta quarta-feira (5) com ganho de 1,57% aos 119.564 pontos, apoiado no avanço dos papéis da Petrobras e da Gerdau, em alta de quase 6% após divulgar resultado trimestral acima das expectativas do mercado. O apetite por riscos foi amparado também pelo dia positivo em Wall Street, após forte recuo observado na véspera.

O mercado aguarda ainda hoje a decisão sobre os juros do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central. A expectativa é de nova elevação na taxa básica de juros, para 3,5% ao ano, e de um tom mais firme no comunicado da autoridade frente às expectativas para a inflação.

“O grande ponto de atenção será a sinalização do comunicado da autoridade monetária: se manterá o discurso dovish, com aumento apenas parcial da taxa em 2021 ou se adotará uma postura mais hawkish, deixando de mencionar o termo “parcial”, comenta Paula Zogbi, analista da Rico Investimentos.

O dólar fechou em queda de 1,2% nesta quarta-feira, negociado a R$ 5,36 na venda e levando o real ao topo dos ganhos entre as principais moedas. O movimento refletiu as perspectivas de um Banco Central mais duro com a inflação, o que elevar a atratividade da moeda brasileira.

“Com a Selic chegando a 4% em junho, já ficaria acima da taxa básica de alguns países pares do Brasil e em linha com a do México. Como a perspectiva é de continuidade do ciclo, isso já ajuda o real”, disse Sérgio Goldenstein, consultor independente da Ohmresearch Independent Insights.

O real se recuperou das perdas em abril, mas ainda cai 3,2% em 2021, o que se soma à desvalorização de quase 23% no ano passado. Analistas dizem que a combinação entre juro real negativo e deterioração fiscal nocauteou a moeda brasileira. Enquanto o lado da política monetária parece encaminhado, riscos político-fiscais ainda ditam uma visão conservadora sobre o câmbio por parte de investidores estrangeiros.

No contexto político, a CPI da Covid do Senado aprovou hoje requerimentos de convocação da atual presidente da Pfizer no Brasil, Marta Díez, e do ex-presidente do laboratório, Carlos Murillo. Os representantes da companhia irão depor na terça-feira e devem falar sobre as tratativas com o governo federal para a venda de vacinas do laboratório para o Brasil.

O colegiado também acatou a convocação do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo e do ex-secretário de Comunicação Social da Presidência Fábio Wanjgarten.

Nos indicadores, o fluxo cambial ao Brasil ficou positivo em quase US$ 4 bilhões em abril, puxado pela conta comercial, o que elevou o saldo no ano para mais de US$ 12,7 bilhões, mostraram dados do Banco Central divulgados na tarde de hoje.

No ano, o fluxo cambial está positivo em US$ 12,713 bilhões, o inverso do registrado no mesmo período do ano passado, quando o fluxo estava negativo em US$ 12,730 bilhões. Essa virada foi patrocinada pela expressiva melhora no saldo financeiro, que saiu de rombo de US$ 32,519 bilhões no primeiro quadrimestre do ano passado para superávit de US$ 3,444 bilhões em 2021.

Em Wall St, o índice Dow Jones encerrou em máxima recorde aos 34.230, alta de 0,29% na sessão. Os setores de energia e materiais básicos deram continuidade ao impulso visto na semana, liderando ganhos entre seus pares no S&P 500. Serviços públicos e o setor imobiliário, considerados defensivos, lideraram as baixas.

“Os setores de energia, financeiro, de materiais básicos e industrial estão com desempenho superior. Eles tendem a ser setores cíclicos e a se beneficiar durante períodos em que as economias estão reabrindo e se expandindo”, disse Terry Sandven, estrategista-chefe de ações da U.S. Bank Wealth Management. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).