Ibovespa sobe 2,6% na semana e retoma 122 mil pontos com balanços

O Ibovespa encerrou o pregão desta sexta-feira (7) em alta de 1,77% aos 122.038 pontos, na esteira de resultados positivos da B3 e Banco do Brasil no primeiro trimestre deste ano. A repercussão da notícia de que a Petrobras pretende seguir com seu plano de desalavancagem, vendendo campos de gás na América Latina, colaborou mais uma vez com o desempenho do índice brasileiro que, na semana, avançou 2,6%.

O apetite por riscos foi amparado ainda pelo exterior. Em Wall Street, as ações de tecnologia dispararam  após o Payroll (relatório de empregos dos EUA), revelar a criação de 266 mil novas vagas de trabalho no país em abril, número muito abaixo da expectativa de 1 milhão de vagas.

À tarde, o presidente dos EUA, Joe Biden, e a secretária do Tesouro, Janet Yellen, destacaram a necessidade de mais auxílios para auxiliar na retomada econômica, endossando no mercado expectativa de mais oferta de dinheiro barato.

Analistas de mercado avaliam que o resultado ameniza as pressões por uma mudança na política monetária expansionista do Federal Reserve e que a economia do EUA ainda carece de consistência na retomada. No fechamento, o Dow Jones ganhou 0,66% aos 34.777 pontos, o S&P 500 teve alta de 0,74% aos 4.232 pontos e o Nasdaq subiu 0,88% aos 13.752 pontos.

Os números do Payroll ajudaram a derrubar o dólar frente aos pares globais nesta sexta-feira, movimento que favoreceu o real na sessão. A divisa norte-americana terminou o dia em queda de 0,96% e negociada a R$ 5,22 na venda, mínima em quase quatro meses. A correção acentuada no câmbio reflete ainda a decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) de elevar a taxa básica de juros da economia em 0,75 p.p. na última quarta-feira, para 3,50% ao ano. Na semana, o dólar recuou 3,7% frente ao real.

Na análise de Caio Megale, economista-chefe da XP, os fundamentos da taxa de câmbio indicam que o real poderá continuar em apreciação nos próximos meses, mas até o fim do ano a moeda seguirá suscetível a episódios de volatilidade decorrentes de ruído político e incertezas fiscais e pandêmicas.

“O viés do dólar no curto prazo é de baixa. (…) As pessoas se preocupam com a CPI da Covid. Sem nada catastrófico, a CPI da Covid tende a tirar foco do Ministério da Economia, alivia o ambiente econômico, tira foco do fiscal”, avaliou Megale.

A XP está em processo de revisão de cenários e, por ora, vê o dólar encerrando o ano em R$ 5,30, mas não descarta chances da moeda chegar a R$ 5 reais ao fim de 2021.

Também em revisão mensal de cenário, o Itaú Unibanco projeta o dólar em R$ 5,30 no término de 2021 e em R$ 5,50 ao fim de 2022. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).