Economia mundial tem “amortecedor” contra recessão, diz Gopinath, do FMI

Compartilhe esta publicação:

Por Alessandra Galloni

Acessibilidade


DAVOS, Suíça (Reuters) – Enquanto a economia mundial enfrenta ventos contrários, as atuais previsões de crescimento oferecem uma proteção contra uma possível recessão global, disse nesta segunda-feira a autoridade número dois do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Entre as principais ameaças ao crescimento econômico, a primeira vice-diretora-gerente do FMI, Gita Gopinath, disse à Reuters que o conflito na Ucrânia pode aumentar, acrescentando: “Você pode ter sanções e contrassanções”.

Gopinath disse em entrevista durante o Fórum Econômico Mundial no resort suíço de Davos que os outros desafios incluem inflação, aperto das taxas de juros pelos bancos centrais e desaceleração do crescimento chinês.

“Então, tudo isso fornece riscos negativos para nossa previsão”, disse Gopinath, com referência à estimativa de crescimento global do FMI para 2022 divulgada no mês passado de 3,6%, um rebaixamento em relação ao prognóstico de 4,4% de janeiro.

“Eu diria que em 3,6% há um amortecedor”, disse ela, admitindo, no entanto, que os riscos são desiguais em todo o mundo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Há países que estão sendo duramente atingidos… países na Europa que estão sendo duramente atingidos pela guerra, onde podemos ver recessões técnicas”, acrescentou Gopinath.

Gopinath disse que a inflação “permanecerá significativamente acima das metas do banco central por um tempo”, acrescentando: “É muito importante que os banqueiros centrais de todo o mundo lidem com a inflação como um perigo claro e presente, isso é algo com o qual eles precisam lidar de forma muito contundente”.

“As condições financeiras podem apertar muito mais rapidamente do que já vimos. E o crescimento na China está desacelerando.”

O Federal Reserve, banco central dos EUA, está à frente no aperto entre os maiores bancos centrais, com dois aumentos de juros neste ano. O segundo, de 0,50 ponto percentual, foi a maior em 22 anos. Pelo menos mais dois aumentos dessa magnitude são esperados nas próximas reuniões.

“O que é muito importante é que o Fed observe os dados com cuidado e responda na escala necessária para lidar com os dados recebidos”, disse Gopinath.

“Então, se a inflação for especialmente disseminada… estiver subindo ainda mais, eles podem precisar reagir com mais força.”

Compartilhe esta publicação: