Rubens Menin e herdeiros da Hapvida saem da lista de bilionários

Rubens Menin, Candido Koren de Lima Junior e Jorge Koren de Lima tiveram suas fortunas reduzidas para menos de US$ 1 bilhão

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Rubens Menin é fundador e CEO da MRV Engenharia

Acessibilidade


Além da empresária Luiza Trajano, fundadora do Magazine Luiza (MGLU3), outros três empresários deixaram a lista global de bilionários da Forbes neste mês.

Rubens Menin, cofundador e CEO da construtora MRV (MRVE3), e Candido Koren de Lima Junior e seu irmão mais velho, Jorge Koren de Lima, filhos do fundador e integrantes do conselho da Hapvida (HAPV3), sofreram fortes reduções de patrimônio nos últimos meses e agora possuem fortunas inferiores a US$ 1 bilhão (R$ 5 bilhões).

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A perda financeira é resultado da queda das ações das respectivas companhias, que enfrentaram de formas diferentes a pandemia e o aperto monetário pelo qual o país está passando na tentativa de frear a inflação crescente. Para isso, é necessário avaliar cada caso individualmente.

Confira

Rubens Menin, cofundador e CEO MRV (MRVE3)

Menin viu sua fortuna chegar ao nível mais alto em julho de 2021, quando atingiu US$ 3,9 bilhões (R$ 19,5 bilhões) de patrimônio. No período, as ações da MRV também passavam por um bom momento, cotadas a R$ 16,50.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Porém, em apenas um mês, a situação já era outra. Os papéis da corretora recuaram 25% até agosto do mesmo ano e desde lá continuam em tendência negativa. Nos últimos 11 meses, os ativos da empresa perderam mais de 50% de seu valor, que hoje (15) estão cotados a R$ 8,14.

Assim, em dezembro, o CEO já havia perdido 66,6% de seu patrimônio, que chegou a US$ 1,3 bilhão (R$ 6,5 bilhões). Em março de 2022, a situação mostrou leve melhora, com a valorização de sua fortuna para US$ 1,6 bilhão (R$ 8 bilhões), mas não evitou a queda para menos de US$ 1 bilhão neste mês.

As margens da companhia foram fortemente afetadas pela inflação, que hoje atinge 11,73% no acumulado do ano. No balanço do 1º trimestre do ano, a empresa lucrou R$ 78,2 milhões e contou com vendas líquidas de R$ 1,7 bilhão.

Candido Koren de Lima Junior e Jorge Koren de Lima

Candido e Jorge, filhos de Candido Pinheiro Koren de Lima, fundador e CEO da Hapvida, viram sua fortuna atingir o ponto alto de US$ 2,1 bilhões (R$ 10,5 bilhões) no fim de junho de 2021, junto com o avanço da vacinação contra o coronavírus.

Na época, as ações estavam cotadas a R$ 15,80 e passavam por o que parecia ser um momento de calmaria após tanta instabilidade durante a pandemia, principalmente para o setor de hospitais.

Até setembro do mesmo ano, os papéis se mantiveram estáveis. Porém, nos últimos três meses do ano, as ações da Hapvida recuaram 32% para R$ 10,3 e desde lá, a queda se acentuou.

Nos últimos 11 meses, as perdas acumularam 63,9%, atingindo o valor por ação de R$ 5,7 hoje.

Em seis meses, de junho a dezembro de 2021, a fortuna dos empresários da Hapvida recuou 33,3%, atingindo US$ 1,4 bilhão (R$ 7 bilhões).

Em janeiro, a empresa anunciou a fusão com a NotreDame Intermédica, outra gigante do setor que estava listada na Bolsa de Valores. Porém, a união não trouxe grande fôlego para a companhia. A Hapvida encerrou o 1º trimestre de 2022 com prejuízo de R$ 181,9 milhões.

O CEO da companhia, Candido Koren de Lima, pai dos empresários, continua na lista de bilionários, com patrimônio de US$ 1,7 bilhão (R$ 8,5 bilhões).

Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: