As 10 atletas mais bem pagas do mundo em 2021

Juntas, essas mulheres somaram US$ 167 milhões no ano passado. Naomi Osaka e Serena Williams ficaram com uma boa fatia do bolo.

Brett Knight
Compartilhe esta publicação:
Montagem/ Forbes
Montagem/ Forbes

A lista de 2021 traz mais variedades de categorias, mas um menor número  com menos tenistas do que os anos anteriores.

Acessibilidade


Há muito com o que se preocupar no mundo dos esportes femininos: existe disparidade em salários e instalações, más condições de trabalho, falta de cobertura da mídia e até situações de abuso. No entanto, para todos esses problemas, há um inegável senso de otimismo também. As ligas estão adicionando novos proprietários e equipes de expansão. A audiência da TV está em alta e as redes estão oferecendo novos lares para os jogos. Outro ponto importantíssimo é que os dólares dos patrocinadores estão, finalmente, chegando, e as startups estão atraindo investidores.

Esse crescimento está se estendendo aos contracheques dos atletas. As 10 atletas femininas mais bem pagas do mundo ganharam juntas US$ 167 milhões antes dos impostos em 2021, segundo estimativas da Forbes. Os valores representam um aumento de 23% em relação a 2020 e um salto de 16% em relação ao recorde anterior, de US$ 143,3 milhões, estabelecido em 2013. No topo está a craque de tênis Naomi Osaka, que arrecadou US$ 57,3 milhões, um recorde anual para uma atleta feminina. Serena Williams fica em segundo lugar, com US$ 45,9 milhões.

O quadro não é totalmente cor-de-rosa: Osaka e Williams respondem por praticamente todo o aumento, e nenhuma outra mulher nesta lista tem a menor chance de se classificar entre os atletas mais bem pagos do mundo de ambos os sexos. (Na lista de atletas mais bem pagos de 2021 da Forbes, acompanhando os 12 meses encerrados em maio, Osaka ficou em 12º lugar e Williams em 28º.)

Além disso, o limite para as dez primeiras da lista feminina é na verdade um pouco menor do que era há uma década – US$ 5,7 milhões, abaixo dos US$ 6,1 milhões em 2012.

Fontes do setor insistem, no entanto, que as novas entradas de dinheiro e os novos patrocinadores estão sendo investidos nos esportes femininos; mas que os dólares estão sendo distribuídos entre mais atletas e chegando a novas ligas. Pela primeira vez em pelo menos uma dúzia de anos, uma ginasta (Simone Biles, nº 4 com US$ 10,1 milhões) e uma jogadora de basquete (Candace Parker, nº 10 com US$ 5,7 milhões) estão entre as mulheres mais bem pagas. E embora o tênis ainda represente cinco das dez vagas da lista, essa é a menor contagem do esporte em mais de uma década e uma mudança dramática em relação a 2019, quando conquistou todas as dez. Parker – junto com as estrelas do futebol americano Alex Morgan e Megan Rapinoe, que chegaram perto de ficar entre os dez primeiros – é especialmente encorajadora porque ela vem de um esporte de equipe, onde os salários ficam atrás do prêmio em dinheiro disponível em esportes individuais.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Agora é muito diferente”, diz a lenda do futebol recentemente aposentada Carli Lloyd, que se juntou à seleção dos EUA em 2005 ao lado de mulheres que lutaram por coisas básicas como compensação garantida e benefícios de saúde. “Seja em postagens [de redes sociais] que os jogadores estão fazendo para serem pagos ou se estão assinando acordos de patrocínio, é um bom espaço para entrar, e obviamente ocorreu por causa de todos os ex-jogadores que vieram antes.”

Aqui estão as dez atletas femininas mais bem pagas de 2021.

1. Naomi Osaka

Darrian Traynor/ Getty Images
Darrian Traynor/ Getty Images

Em 2018, a tenista se tornou a primeira japonesa a ganhar um Grand Slam ao derrotar Serena Williams

Ganhos em campo: US$ 2,3 milhões
Ganhos fora do campo: US$ 55 milhões

Quase todos os US$ 57,3 milhões em ganhos de Naomi Osaka vêm de um portfólio de mais de dez parceiros no último ano e meio, incluindo Louis Vuitton, Sweetgreen e Tag Heuer. Nos últimos meses, a japonesa de 24 anos adquiriu participações acionárias na startup de realidade virtual StatusPRO e na fabricante de frango à base de plantas Daring Foods, lançou uma coleção de NFTs na plataforma Autograph de Tom Brady e iniciou uma linha de cuidados com a pele chamada Kinlò. A craque do tênis teve um momento um pouco mais difícil na quadra em 2021, caindo para 13º no ranking feminino e saindo das Olimpíadas de Tóquio na terceira rodada, mas conquistou seu quarto título de Grand Slam, no Aberto da Austrália em Fevereiro. Uma lesão abdominal a impedirá de defender sua coroa no torneio deste ano em Melbourne, marcado para começar na próxima segunda-feira (17).

2. Serena Williams

Classificada pela Associação Feminina de Tênis como a tenista número 9 do mundo em simples

Ganhos em campo: US$ 0,9 milhão
Ganhos fora do campo: US$ 45 milhões

Se não fosse por Naomi Osaka, Serena Williams reivindicaria o recorde de ganhos para uma atleta feminina com seus US $ 45,9 milhões em 2021. A mulher de 40 anos jogou em apenas seis torneios do WTA Tour e caiu para 41º no ranking feminino – sua pior marca desde que voltou ao tênis em 2018, após o nascimento de sua filha. Mesmo assim, Willians continua sendo um grande atrativo para os anunciantes, fazendo parcerias com marcas como Nike, Gatorade e, mais recentemente, DirecTV. Ela foi produtora executiva do filme King Richard de 2021, centrado em seu pai, e tem investimentos em mais de 60 startups por meio de sua empresa Serena Ventures. Williams disse no mês passado que perderia o Aberto da Austrália porque “não estou onde preciso estar fisicamente para competir”.

3. Venus Willians

Daniel Pockett/ Getty Images
Daniel Pockett/ Getty Images

Irmã de Serena,  é ex-número 1 do ranking de simples e de duplas, e vnceu por 7 anos o Grand Slam

Ganhos em campo: US$ 0,3 milhão
Ganhos fora do campo: US$ 11 milhões

Venus Williams é uma visão rara no WTA Tour nos dias de hoje, jogando apenas nove torneios e vencendo apenas três partidas, em 2021. Isso destruiria o potencial de ganhos da maioria dos jogadores: no mundo do tênis, uma queda no ranking ou um torneio perdido normalmente desencadeia uma redução nos acordos com patrocinadores que esperam ver seus logotipos na televisão. Mas as parcerias de Williams nos últimos anos se concentraram mais em sua celebridade do que em seu tênis, e a atriz de 41 anos tem uma lucrativa atividade paralela fazendo aparições e dando palestras. Ela tem sua própria marca de roupas, EleVen, que colaborou com K-Swiss e, como sua irmã Serena, foi produtora executiva do filme King Richard. Também como sua irmã, ela vai pular o Aberto da Austrália deste ano – a primeira vez que nenhuma delas aparecerá no torneio de Melbourne desde 1997.

4. Simone Biles

Ashley Landis/ Associated-Press
Ashley Landis/ Associated-Press

Vencedora de mais de 20 campeonatos mundiais, ela desistiu de 5 competições nas Olimpíadas de Tóquio

Ganhos em campo: US$ 0,1 milhão
Ganhos fora do campo: US$ 10 milhões

As Olimpíadas de Tóquio não correram como Simone Biles planejou: ela desistiu de cinco eventos antes de voltar a ganhar o bronze na trave de equilíbrio. Ainda assim, a jovem de 24 anos já havia garantido seu status de lenda da ginástica, e sua história de resiliência parecia se reforçada com as marcas. Ela fez parceria com a Autograph para lançar NFTs a partir de agosto de 2022 e se juntou à startup de saúde mental Cerebral como “chefe de impacto” em outubro do ano passado. Ela também foi o rosto de uma turnê de ginástica pós-olímpica de cross-country, a Gold Over America Tour, com suas iniciais soletrando GOAT – um aceno para sua reputação como a maior do esporte de todos os tempos.

5. Garbiñe Muguruza

Mark J. Terril/ Associated Press
Mark J. Terril/ Associated Press

A hispano-venezuelana é ex-número 1 do Mundo no Ranking WTA de simples

Ganhos em campo: US$ 2,8 milhões
Ganhos fora do campo: US$ 6 milhões

Mesmo contando com o seu vice-campeonato no Aberto da Austrália de 2020, as últimas duas temporadas de Garbiñe Muguruza foram um pouco decepcionantes para Garbiñe Muguruza, especialmente após uma campanha impressionante de 2015 a 2017. Entretanto, ela redescobriu sua forma em 2021, vencendo três torneios e subindo para o terceiro lugar em os rankings de tênis feminino para acionar bônus de patrocinadores significativos. A espanhola de 28 anos também adicionou Jaguar e Nivea ao seu valioso conjunto de endossos com marcas como Adidas e Babolat.

6. Ji Young Ko

Michael Reaves/ Getty Images
Michael Reaves/ Getty Images

A jogadora de golfe profissional sul-coreana de 26 anos tem patrocinadores de peso como LG

Ganhos em campo: US$ 3,5 milhões
Ganhos fora do campo: US$ 4 milhões

Depois de quase dois anos consecutivos em primeiro lugar, Jin Young Ko perdeu a liderança no ranking de golfe feminino para Nelly Korda, mas ganhou um prêmio de consolação muito bom com uma vitória no CME Group Tour Championship, que encerra a temporada, em novembro. Jin Young Ko também reivindicou US $ 1,5 milhão e as honras de Jogador do Ano do LPGA. Apesar de jogar sem contrato de equipamentos, privilegiando um conjunto misto de clubes de diferentes marcas, a jogadora de 26 anos pode contar com valiosos patrocínios de empresas da Coreia do Sul, um país louco por golfe. Seus parceiros incluem LG Electronics, Korean Air, água mineral Jeju SamDaSoo e produtos para a pele Rejuran.

7. P.V Sindhu

Lintao Zhang/ Getty Images
Lintao Zhang/ Getty Images

Pusarla Venkata Sindhu é uma jogadora de badminton indiana, medalhista olímpica

Ganhos em campo: US$ 0,2 milhão
Ganhos fora do campo: US$ 7 milhões

P.V. Sindhu pode ser praticamente desconhecida no mundo ocidental, mas a campeã de badminton de 26 anos é muito popular na Índia e já apareceu no top 10 desta lista anteriormente, em 2018. Ela seguiu sua performance vencedora da medalha de prata no Rio de Janeiro em 2016, com um bronze no ano passado em Tóquio, tornando-se a primeira mulher indiana com duas medalhas olímpicas. Ela adicionou quatro patrocinadores desde que voltou para casa, incluindo a gigante de tecnologia educacional Byju e a plataforma de carros usados ​​Spinny, além de parceiros como Li-Ning sportswear e Bank of Baroda da Índia.

8. Ashleigh Barty

Aaron Doster/ Associated Press
Aaron Doster/ Associated Press

A australiana atualmente ocupa a posição número 1 no ranking da Associação de Tênis Feminino

Ganhos em campo: US$ 3,9 milhões
Ganhos fora do campo: US$ 3 milhões

Nenhuma tenista feminina ganhou mais em quadra em 2021 do que Ashleigh Barty, a melhor jogadora do mundo e atual campeã de Wimbledon, e ela é a favorita das apostas para vencer o Aberto da Austrália deste mês em sua terra natal. Mas a jovem de 25 anos, que recentemente assinou um contrato de patrocínio com a Marriott Bonvoy, lembrou as disparidades salariais que ainda existem em algumas áreas do esporte quando ela venceu o Western & Southern Open nos arredores de Cincinnati em agosto de 2021. Ela levou para casa $ 255.220 pela vitória, enquanto o campeão masculino no mesmo torneio, Alexander Zverev, arrecadou US$ 654 mil.

9. Nelly Korda

Sarah Stier/ Getty Images
Sarah Stier/ Getty Images

A jogadora de golfe norte-americana foi campeã nos Jogos Olímpicos de Verão de 2020

Ganhos em campo: US$ 2,4 milhões
Ganhos fora do campo: US$ 3,5 milhões

Nelly Korda pode ter terminado um lugar atrás de Jin Young Ko na lista de prêmios em dinheiro da LPGA e na corrida de Jogador do Ano, mas seu ano foi talvez ainda mais impressionante quando ela conquistou seu primeiro grande título no Campeonato PGA Feminino em junho. ganhou o ouro olímpico em agosto e terminou 2021 como a melhor jogadora de golfe feminina. O jovem de 23 anos, recentemente nomeado para a lista 30 Under 30 da Forbes em 2022 na categoria esportiva, tem mais de dez patrocinadores, incluindo Hanwha Q Cells, fabricante de células solares, e UKG, empresa de tecnologia focada em gerenciamento de força de trabalho.

10. Candace Parker

Scott Taetsh/ Getty Image
Scott Taetsh/ Getty Image

A jogadora está na equipe do Chicago Sky, na Women’s National Basketball Association

Ganhos em campo: US$ 0,2 milhão
Ganhos fora do campo: US$ 5,5 milhões

Candace Parker é recém-saída de um campeonato da WNBA com o Chicago Sky, mas com salários da liga limitados a cerca de US $ 200.000, ela ganha quase todo o seu dinheiro com endossos, parcerias com marcas como Adidas e, novo para 2021, Band-Aid, Capital One e CarMax. Na verdade, seu salário anual fora da quadra é mais que o dobro de seu salário total de jogador em seus 14 anos na WNBA. A jogadora de 35 anos se tornou a primeira mulher a aparecer na capa de um videogame da NBA 2K no ano passado e estava entre os principais atletas a investir na exchange Alt em uma rodada de financiamento anunciada em novembro. Parker também tem um contrato lucrativo como analista da NBA para a Turner Sports, prorrogado no ano passado.

Compartilhe esta publicação: