Café robusta amazônico agora tem Denominação de Origem

O reconhecimento pode ser uma ferramenta de valorização do produto proveniente do estado de Rondônia

Redação
Compartilhe esta publicação:
José Roberto Gomes/Reuters
José Roberto Gomes/Reuters

O reconhecimento pode ser uma ferramenta de valorização do café robusta proveniente da região de Rondônia

Acessibilidade


Uma região de Rondônia foi reconhecida como a primeira IG (Indicação Geográfica), do tipo DO (Denominação de Origem), para o café canéfora (robusta e conilon) do mundo, informou a Embrapa em nota na noite de ontem (01), quando o registro foi concedido pelo Inpi (Instituto Nacional de Propriedade Industrial).

O reconhecimento da denominação Matas de Rondônia para Robustas Amazônicos, que pode servir de ferramenta de valorização para um produto, valerá para o café produzido por 15 municípios do estado da região Norte.

LEIA MAIS: NotCo, foodtech investida por Jeff Bezos, recebe aporte do Enlightened Hospitality

A Indicação Geográfica serve para designar produtos ou serviços que têm características positivas únicas e indissociáveis dos fatores que compõem a sua origem. Para produtos agrícolas, estes fatores também são conhecidos como “terroir”, que leva em consideração, por exemplo, clima e solo, genética e aspectos culturais da população envolvida no processo produtivo.

“O saber fazer é crucial na definição de uma IG. Afinal, o fator humano e sua capacidade de modificar o ambiente, selecionar materiais genéticos e manejar lavouras, não pode ser ignorado. Neste caso, se trata de uma interferência, quase sempre, positiva e este é o princípio da Indicação de Procedência (IP)”, afirma Enrique Alves, pesquisador da Embrapa Rondônia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A denominação é mais um passo da Embrapa e do setor produtivo para promover o chamado robusta amazônico. Um documentário sobre esse café e o sistema produtivo de bebidas especiais foi lançado pela empresa de pesquisa no início do ano.

O Brasil já tem outras regiões com DO reconhecidas para cafés, como a região da Mantiqueira de Minas e do Cerrado Mineiro. No caso do café das Matas de Rondônia, a DO vale para os grãos produzidos nos municípios de Alta Floresta d’Oeste, Cacoal, São Miguel do Guaporé, Nova Brasilândia d’Oeste, Ministro Andreazza, Alto Alegre dos Parecis, Novo Horizonte do Oeste, Seringueiras, Alvorada d’Oeste, Rolim de Moura, Espigão d’Oeste, Santa Luzia d’Oeste, Primavera de Rondônia, São Felipe d’Oeste e Castanheiras. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: