Importadores chineses de carne bovina do Brasil esperam retomada do comércio

Suspensão das exportações por conta da doença da vaca louca não teve impacto imediato no mercado dizem os importadores.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Dois casos da doença da vaca louca no Brasil geraram uma suspensão temporária de exportações de carne bovina para a China

Acessibilidade


Importadores chineses de carne bovina disseram hoje (6) que a suspensão das exportações do Brasil, seu principal fornecedor, por conta de dois casos de doença da vaca louca atípica, não teve impacto imediato no mercado, com alguns ainda fazendo compras em antecipação a uma rápida retomada do comércio.

O Ministério da Agricultura confirmou no último sábado (4) a ocorrência no Brasil de dois casos atípicos da doença Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), conhecida como “vaca louca”, o que desencadeou uma suspensão temporária de exportações de carne bovina para a China a partir destes dados, como parte do cumprimento ao protocolo sanitário firmado entre os dois países.

LEIA TAMBÉM: A corrida pela redução da pegada de carbono da pecuária na natureza

Apesar da participação dominante do Brasil de 40% nas importações de carne bovina pela China, os preços não mudaram até segunda-feira e alguns importadores ainda estavam em busca de negócios.

“Ainda estamos comprando, como fábricas precisam manter seus estoques”, disse Grace Gao, gerente geral da importadora Goldrich International, de Dalian.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A vaca louca “atípica” é considerada de menor risco do que uma forma clássica da doença, pois ocorre de forma natural e apenas esporádica em bovinos mais velhos.

A doença “clássica” da vaca louca é transmitida por alimentos contaminados e foi associada à variante da doença de Creutzfeldt-Jakob em pessoas.

O Brasil suspendeu anteriormente as exportações por 10 dias em 2019, após relatar um caso “atípico”.

VEJA MAIS: Brasil bate recorde de exportação de carne bovina em agosto

“Presumo que o governo chinês não banirá as importações”, disse Pan Chenjun, analista sênior do Rabobank. “O Brasil é muito importante.”

A autoridade alfandegária da China não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O Brasil embarcou mais de 500.000 toneladas de carne bovina para a China de janeiro a julho deste ano, ou 38% das especificações totais da China, mostrando dados da alfândega chinesa, colocando-o bem à frente do fornecedor nº 2, a Argentina, que forneceu pouco menos de 300.000 toneladas.

As ofertas globais de carne bovina estão muito restritas e os preços já estão em níveis de discos, adicionado outro grande comprador de carne bovina da China.

“Se durar apenas 15 dias, não haverá impacto nenhum. O Brasil ainda está produzindo e leva dois meses para embarcar carne para cá”, acrescentou, recusando-se a identificar porque não tem permissão para falar com a mídia.

LEIA TAMBÉM: Brasil confirma 2 casos atípicos de vaca louca e suspende vendas de carne bovina para China

Enquanto as importações de carne suína da China estão caindo devido à recuperação da oferta doméstica, a demanda chinesa por carne bovina continua crescendo.

A Irlanda, um fornecedor menor de carne bovina da China, relatado um caso de doença “atípica” da vaca louca em maio do ano passado. Ainda não foi possível retomar as exportações. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: