Guerra na Ucrânia pode levar a novo recorde no mercado de fertilizantes

Relatório indica que fabricantes do item podem prosperar em meio a escassez.

Simon Constable
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Guerra na Ucrânia pode impactar o mercado de fertilizantes em todo o mundo

Acessibilidade


A guerra na Ucrânia tem tudo para causar consequências globais, particularmente no setor agrícola. Ela também pode gerar ganhos para investidores.

Além de Rússia e Ucrânia serem grandes exportadores de grãos para o mundo, o conflito entre os dois países pode impactar e intensificar um problema já existente: a escassez de fertilizantes usados em plantações, segundo um relatório recente.

LEIA TAMBÉM: 10 mitos sobre Gases de Efeito Estufa e Pecuária

“Não vemos a situação global de escassez de fertilizantes diminuindo tão cedo”, afirma uma nota da CFRA, firma com sede em Nova York especializada em estudos sobre investimentos.

O relatório cita três motivos principais:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
  1. O gás natural, que é usado na produção de fertilizantes vegetais à base de nitrogênio, é caro. Os preços do gás natural na Europa, que já eram altos em comparação com os dos EUA, dispararam no ano passado, segundo dados do site financeiro Trading Economics.
  2. Rússia e China impuseram restrições à exportação de fertilizantes. Ambos são, ou foram, grandes exportadores do produto. O declínio nas exportações torna mais difícil obter os nutrientes vitais para as plantações em todo o mundo. A China e a Rússia respondem por 29% das exportações mundiais de fertilizantes nitrogenados. Os dois países também têm participações significativas, embora menores, nos mercados de fosfato e potássio, respectivamente, afirma o relatório.
  3. As sanções também estão afetando o mercado. “Esperamos que essas restrições restrinjam a disponibilidade global de fertilizantes e aumentem os preços à medida que a demanda cresce em meio à estação de crescimento”, afirma o relatório da CFRA.

A boa notícia de tudo isso é que as empresas que fabricam e vendem fertilizantes podem prosperar. Notavelmente, a CFRA destaca a CF Industries, a The Mosaic Company e a Nutrien Ltd.

“Esperamos que os ganhos de 2022 para essas empresas cresçam além dos lucros recordes de 2021, dada a dinâmica dos mercados de fertilizantes”, afirma o relatório. “Isso também deve abrir as portas para maiores retornos de caixa aos acionistas por meio de dividendos e recompras de ações.”

*Simon Constable é colaborador da Forbes e autor da coluna ‘In Translation’ do The Wall Street Journal. Membro do Instituto Johns Hopkins de Economia Aplicada, Saúde Global e Estudo de Negócios Empresariais. Co-autor do livro premiado “The WSJ Guide to the 50 Economic Indicators that Really Matter” (O Guia do Wall Street Journal para os 50 Indicadores Econômicos que Realmente Importam).

Compartilhe esta publicação: