Apresentado por       

Dia Mundial das Abelhas: Pará entra para a Rota do Mel

Com o projeto de arranjo da cadeia produtiva a meta é gerar renda sustentável e desenvolvimento regional

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Wenderson Araujo/Trilux/CNA
Wenderson Araujo/Trilux/CNA

Produtor afirma que a chegada da Rota do Mel trará a oportunidade de melhorar nossa produção e mostrar todo potencial do mel feito nessa parte da Amazônia para o mundo

Acessibilidade


A Rota do Mel, projeto que visa a organização do arranjo produtivo da cadeia, será implantada no estado do Pará. A formalização aconteceu hoje (20), data em que se comemora o Dia Mundial das Abelhas, criado em 2017 pela Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) com a intenção de “lembrar a importância da polinização para o desenvolvimento sustentável”.

A produção do Pará representa apenas 1% do mercado brasileiro, mas possui potencial econômico e foi indicada ao ministério para integrar a Rota do Mel pela CBA (Confederação Brasileira de Apicultura). Conforme dados do IBGE, em 2019, o mel no Pará movimentou cerca de R$ 9 milhões com a produção de 670 mil quilos do produto, valor correspondente a 65% de todo o mel produzido na região Norte.

LEIA MAIS: Safras reduz previsão para café do Brasil e vê colheita atrasada

“Temos um pasto apícola que garante características diferenciadas do mel produzido na região”, diz Luiz Pereira Rodrigues, presidente da Associação de Apicultores de Canaã dos Carajás (PA). “Com a chegada da Rota do Mel teremos oportunidade de melhorar nossa produção e mostrar todo potencial do mel feito nessa parte da Amazônia para o mundo.” Para o executivo, a implantação do projeto poderá promover a profissionalização da cadeia produtiva, além de auxiliar os apicultores e meliponicultores a encontrarem novos mercados.

O MDR (Ministério do Desenvolvimento Regional) investe na expansão da Rota do Mel, com a coordenação de atores públicos e setoriais, em busca dessa inclusão produtiva. A estimativa é de uma produção de mel no país da ordem de 46 mil toneladas por ano. Os maiores, em volume, são os estados do Rio Grande do Sul, Piauí, Paraná e Minas Gerais. Fora o papel relevante dos insetos alados na manutenção do meio-ambiente e da agricultura, as abelhas são capazes de movimentar recursos com produção destinada à indústria de alimentos, de cosméticos, farmacêutica, gastronômica, entre outras. No ano passado, o Brasil exportou 45.728 toneladas, volume 50,5% acima de 2019. A receita foi de US$ 98,5 milhões, crescimento de 44,1%. Neste ano, os dados consolidados pela Secex (Secretaria de Comércio Exterior) até abril mostram uma exportação de 19.480 toneladas por US$ 66,2 milhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Com o lançamento da Rota do Mel no Pará foi realizada a primeira oficina de planejamento estratégico Pará. O evento serve para “construir” estratégias de ação no território, além de um comitê gestor e uma carteira de projetos para o sistema produtivo regional da apicultura, meliponicultura e produtos derivados das abelhas”, de acordo com os organizadores. Com o Pará, no país já foram implantadas seis polos para as Rotas do Mel, desde 2018: Norte de Minas Gerais; Crateús, Inhamuns e Sertão Central (CE); Mel de Jandaíra (RN) e dois no Rio Grande do Sul (Pampa Gaúcho e Campos de Cima da Serra).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: