Apresentado por       

Regras do Acordo de Paris precisam ser decididas neste ano, diz chefe da ONU para o clima

Patricia Espinosa afirma que desencadear potencial do tratado "não somente tratará da mudança climática, mas ajudará o mundo a continuar crescendo depois da Covid-19".

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Susana Vera/Reuters
Susana Vera/Reuters

Apresentação do Acordo de Paris na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2019 (COP25)

Acessibilidade


Os governos precisam finalizar as regras do Acordo de Paris contra a mudança climática na cúpula COP26 de novembro para que o pacto possa ser plenamente implantado e servir como base para uma recuperação verde da pandemia, disse a chefe da ONU (Organização das Nações Unidas) para o clima hoje (31)

Na abertura de três semanas de conversas virtuais sobre o clima, Patricia Espinosa também pediu que nações ricas cumpram promessas de longa data de financiamentos relacionados ao clima a nações mais pobres e vulneráveis para criar confiança no processo liderado pela ONU.

LEIA TAMBÉM: Brasil será centro da economia biossustentável, diz Guedes

“É hora de finalizar negociações pendentes e implantar o Acordo de Paris”, disse Espinosa, observando que muitas nações ainda têm que apresentar planos de ações sobre o clima mais robustos que eram esperados no ano passado, conforme o acordo global de 2015.

“Desencadear seu potencial total não somente tratará da mudança climática, mas ajudará o mundo a continuar crescendo depois da Covid-19 e impulsionar a transformação rumo a um futuro mais limpo, verde e sustentável”, disse ela.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As conversas iniciadas hoje (31) são as primeiras negociações oficiais da ONU sobre o clima desde o final de 2019 devido a atrasos causados pela Covid-19.

Espinosa disse aos repórteres que recentemente pediu a ministros do G7 que providenciem os 100 bilhões de dólares anuais prometidos a países em desenvolvimento a partir de 2020 para ajudá-los a adotar a energia limpa e se adaptarem aos impactos da mudança climática. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: