Apresentado por       

Petrobras busca neutralidade das emissões nas atividades sob seu controle

A decisão da Petrobras está alinhada ao posicionamento mundial das 12 empresas membros do OGCI .

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

A decisão da Petrobras está alinhada ao posicionamento mundial das 12 empresas membros do OGCI

Acessibilidade


A Petrobras anunciou hoje (20) sua ambição de atingir a neutralidade das emissões nas atividades sob seu controle, conforme o estabelecido pelo Acordo de Paris, que trata de medidas para amenizar as mudanças climáticas.

A companhia também informou em comunicado que tem a intenção de influenciar seus parceiros a atingir a mesma ambição em campos de petróleo e gás em que a estatal é sócia, mas não é a operadora.

O Acordo de Paris, assinado em 2015 por quase 200 países, dentre eles o Brasil, prevê a adoção de políticas climáticas voltadas à redução da emissão de gases de efeito estufa, com o objetivo de limitar o aumento médio da temperatura global a menos de 2°C acima dos níveis pré-industriais até o fim do século (com esforços para 1,5°C).

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A decisão da Petrobras está alinhada ao posicionamento mundial das 12 empresas membros do OGCI (Iniciativa Climática para Óleo e Gás, na sigla em inglês), consórcio integrado pela Petrobras desde 2018, segundo comunicado da petroleira.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Juntas, estas empresas representam cerca de 30% da produção global de óleo e gás e colaboram para acelerar a transição para baixo carbono. Com essa nova iniciativa, os membros ambicionam atingir a neutralidade das emissões, reconhecendo que possuem muitas, mas ainda não todas, as respostas sobre como chegar lá”, acrescentou.

No seu Plano Estratégico 2021-2025, a Petrobras prevê investimentos de US$ 1 bilhão em compromissos de sustentabilidade, envolvendo a descarbonização das operações; o desenvolvimento de combustíveis mais sustentáveis, como diesel renovável e bioquerosene de aviação; e pesquisas em energias renováveis e soluções de baixo carbono.

“Nos últimos 11 anos, a companhia aprimorou em 47% sua eficiência em carbono na exploração e produção de petróleo e se estabeleceu como uma das produtoras de óleo e gás mais eficientes do mundo”, afirmou a empresa em nota. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: