Como é viver com alguém que tem depressão

É preciso ter claro que o inimigo não é o ente querido, mas a doença.

Dr. Arthur Guerra
Compartilhe esta publicação:
Justin Paget/Getty Images
Justin Paget/Getty Images

Os companheiros que conseguem convencer quem está deprimido a buscar um médico

Acessibilidade


Compartilhar a vida com alguém é muito bom. Não é exatamente fácil, até porque é preciso aprender a respeitar as diferenças do outro, a se adaptar às expectativas do outro, a ser flexível e ceder. Isso nos traz um grande aprendizado, mas, de fato, viver com alguém nem sempre é um mar de rosas. Dividir a vida com uma pessoa com depressão traz alguns desafios extras.

A depressão é uma doença – e aqui eu uso uma figura de linguagem – que lança uma sombra sobre os pensamentos, os sentimentos e a percepção de mundo do doente. O mundo dessa pessoa fica alterado.

Ela se manifesta de forma diferente em diferentes pessoas. Algumas sentem uma tristeza profunda, ao ponto de mal conseguirem levantar da cama e encarar o dia. Outras, ficam irritadiças, superansiosas ou perdem o interesse nas coisas mais banais do dia a dia.

Como conviver com uma pessoa assim? A primeira coisa é ter claro para si que o inimigo não é o seu ente querido, mas a doença. É ela que deve ser combatida. Por isso, ajude a (o) sua companheira (o). Essa é a maior prova de amor que você pode dar à sua parceira ou parceiro: fazer algo pelo outro sem esperar um retorno na mesmíssima moeda.

A minha experiência com o tratamento de casos de depressão mostrou que são justamente esses companheiros ou companheiras os responsáveis por levar o doente a aceitar que ele ou ela precisa ser tratado. Dado o grau de intimidade e de confiança, são eles que conseguem convencer quem está deprimido a buscar um médico. Boa parte das vezes, são eles quem marcam a consulta e até vão junto ao consultório. E isso, acredite, traduz-se em uma maior efetividade no tratamento.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A boa notícia é que hoje a depressão pode ser tratada ao ponto de o doente ficar estável e ter uma vida normal. Mas é importante que ele siga à risca as recomendações de seu médico. Medicamentos não são milagrosos e levam um tempinho até que mostrem os seus efeitos, mas, quando ingeridos segundo a prescrição, praticamente não levam às famosas recaídas.

Um conselho deste médico: quando estamos em uma relação amorosa com alguém que está lutando para dar conta de sua própria condição, tendemos a prestar atenção redobrada a ele ou a ela. Às vezes, significa dar tanta atenção que acabamos por nos esquecer de nós mesmos. Pratique o autocuidado. Não se esqueça de cuidar do seu corpo e da sua cabeça. O sucesso do tratamento da depressão também está muito ligado ao tratamento da família daquele doente.

Dr. Arthur Guerra é professor da Faculdade de Medicina da USP, da Faculdade de Medicina do ABC e cofundador da Caliandra Saúde Mental.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: