Lucro da Engie sobe 15,5% em 2018 para R$ 2,3 bilhões

A companhia elétrica é hoje líder privada em geração no Brasil

A Engie Brasil Energia teve lucro líquido de R$ 2,3 bilhões em 2018, alta de 15,5% na comparação com o ano anterior, após ter registrado uma parte importante do resultado do ano passado no quarto trimestre. No último trimestre de 2018, a empresa teve lucro líquido de R$ 761,6 milhões, alta de 8,1% ante o mesmo período de 2017. A elétrica, líder privada em geração no Brasil, informou ter obtido aumento de 25,5% na receita operacional líquida no ano passado, para cerca de R$ 8,8 bilhões, com impulso de aumento na capacidade de instalada de geração, após a incorporação das usinas hidrelétricas Jaguara e Miranda.

LEIA MAIS: Cade aprova compra da Engie Solar pela Engie Brasil

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) atingiu R$ 4,36 bilhões em 2018, aumento de 24,1%, ajudado pelas operações de trading, disse a empresa.
A produção de energia elétrica nas usinas operadas pela Engie foi de 5.474 MW médios no quarto trimestre, resultado 30,8% superior ao mesmo período de 2017. Do total gerado, as usinas hidrelétricas foram responsáveis por 4.749 MW médios.

Em 2018, a produção total de energia alcançou 4.491 MW médios, alta de 8,3% ante 2017, com as usinas hídricas respondendo por 3.784 MW médios. Por outro lado, a Engie Brasil Energia reportou aumento de 49,6% na dívida líquida ao final do quarto trimestre, para R$ 6,8 bilhões.

 

Dividendos, investimentos

A Engie Brasil Energia informou ainda que seu conselho aprovou investimentos no conjunto eólico Campo Largo Fase 2, em um valor de R$ 1,6 bilhão no projeto que entra em operação em 2021. Localizado nos municípios de Sento Sé e Umburanas (BA), o empreendimento terá 361,2 MW em capacidade instalada.

“A produção de Campo Largo 2 será totalmente direcionada para atender a crescente demanda de energia no Ambiente de Contratação Livre (ACL)”, por meio do portfólio de clientes atendidos pela comercializadora da companhia.

O conselho da companhia aprovou ainda a proposta de dividendos complementares no montante de R$ 76,7 milhões, a ser ratificada pela assembleia geral ordinária. Assim, o total de proventos relativos a 2018 atingirá cerca de R$ 2,27 bilhões, equivalente a 100% do lucro líquido distribuível ajustado.

A empresa informou ainda que a partir de 15 de março o diretor-presidente, Eduardo Sattamini, acumulará interinamente o cargo de diretor financeiro e de RI, substituindo Carlos Freitas que renunciou ao posto para assumir um novo desafio profissional.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).