Ibovespa fecha em baixa

Reuters
Índice de referência da bolsa brasileira, o Ibovespa caiu 1,11%, a 93.284,75 pontos

O Ibovespa fechou em queda hoje (17), minado pela repercussão negativa do adiamento de votação da proposta de reforma da Previdência em comissão na Câmara dos Deputados, enquanto Klabin avançou mais de 3% após divulgar plano de expansão com investimento de R$ 9,1 bilhões.

LEIA MAIS: Ibovespa fecha em alta com Petrobras e Vale

Índice de referência da bolsa brasileira, o Ibovespa caiu 1,11%, a 93.284,75 pontos. O giro financeiro somou R$ 34,5 bilhões, em dia de vencimento dos contratos de opções sobre o Ibovespa e do índice futuro.

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) adiou a votação da admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição que muda as regras das aposentadorias para discutir a retirada de pontos polêmicos da PEC.

Com a decisão, o parecer sobre a admissibilidade da reforma pode ser votado na próxima terça-feira (23).

“O adiamento mostra que o governo segue com muita dificuldade na articulação política”, disse o analista Régis Chinchila, da Terra Investimentos, citando que continua acompanhando a falta de apoio e possíveis mudanças no texto.

“A preocupação e a cautela seguem em alta (no mercado) e ainda nem chegamos na comissão especial e muito menos no quanto teremos de economia com a reforma”, acrescentou.

VEJA TAMBÉM: Ibovespa sobe 0,22% e fecha a 93.082,97 pontos

Representantes do governo ouviram reivindicações por mudanças em pontos da PEC para tentar garantir a aprovação do texto na próxima terça, mas nenhum acordo foi fechado.

Wall Street tampouco ajudou, encerrando com os principais índices acionários no vermelho, enfraquecidos pelo declínio de ações do setor de saúde. O S&P 500 cedeu 0,2%.

Nos primeiros negócios, o Ibovespa chegou a subir 0,75%, tendo de pano de fundo dados econômicos melhores do que o esperado sobre a China e a repercussão relativamente positiva de reunião em Brasília sobre a política de preços da Petrobras.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).