TIM espera colher benefícios da redução de custos

Reprodução/Twitter
A subsidiária brasileira da Telecom Italia continua focada na implementação de um plano de eficiência

A TIM espera colher os benefícios de seus esforços de controle de custos no segundo semestre de 2019, disse o presidente-executivo da operadora de telecomunicações, Pietro Labriola, hoje (8).

LEIA MAIS: Lucro da TIM 10,4%, abaixo do esperado por analistas

A subsidiária brasileira da Telecom Italia continua focada na implementação de um plano de eficiência, que de acordo com Labriola está evoluindo melhor que o esperado, com R$ 190 milhões em cortes de custos no primeiro trimestre.

“Nós entregamos 25% das metas estabelecidas para 2019 no plano de eficiência e devemos começar a ver os benefícios ainda este ano, possivelmente no segundo semestre”, disse ele a analistas e investidores em uma teleconferência sobre resultados trimestrais.

Labriola, que foi nomeado para substituir Sami Foguel como presidente-executivo da TIM em 3 de abril, acrescentou que a concorrência é dura no mercado brasileiro, particularmente no segmento pré-pago, onde as operadoras rivais impulsionam campanhas de preços agressivas.

“Somos a operadora mais racional em pré-pago e ainda acreditamos que a competição deve ser sobre serviços, inovação, não preços”, disse ele.

No pós-pago, a TIM também enfrenta desafios, incluindo uma taxa de desemprego alta e deterioração na confiança do consumidor, de acordo com o presidente-executivo.

VEJA TAMBÉM: Telecom Italia só vende TIM Brasil por oferta muito boa

Labriola acrescentou que a operadora planeja explorar novas fontes de receita, incluindo a Internet of Things (Iot), no Brasil, e o desenvolvimento de uma rede 5G deve ajudar a TIM a impulsionar seus serviços corporativos.

As ações da TIM tinham queda de 2,1% às 12h29, a R$ 11,24, liderando as perdas entre as ações listadas no índice Ibovespa, que subia 2%.

Na noite de terça-feira (7), a empresa divulgou que teve lucro líquido ajustado de R$ 251 milhões no primeiro trimestre, alta de 2,5% sobre um ano antes. Sem ajustes, o resultado da companhia mostrou uma queda de 10,4% na mesma comparação, para R$ 220 milhões.

Analistas do Credit Suisse disseram que os resultados da TIM foram fracos e destacaram a desaceleração da receita líquida. “Os resultados do primeiro trimestre reforçam nossa visão de que uma competição agressiva deve impactar negativamente as receitas em 2019”, escreveram eles em nota aos clientes.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).