Hambúrguer de US$ 280 mil pode custar US$ 10 em dois anos

Reuters
A Beyond Meat e a Impossible Foods venderam 100% de sua carne vegetal para varejistas e redes de fast food nos EUA

A carne cultivada em laboratório, apresentada ao mundo pela primeira vez há seis anos na forma de um hambúrguer de US$ 280 mil, pode chegar às prateleiras dos supermercados por US$ 10 a unidade dentro de dois anos, disseram empresas europeias à Reuters.

LEIA MAIS: Carne vegana dos EUA será produzida na Europa

Consumidores preocupados com a mudança climática, o bem-estar animal e sua própria saúde estão estimulando o interesse pela chamada carne limpa, e o número de novas startups subiu de quatro no final de 2016 para mais de duas dezenas dois anos depois, segundo um estudo de mercado do The Good Food Institute (GFI).

A alternativa de carne de origem vegetal também está crescendo. As ações da fabricante Beyond Meat mais do que triplicaram em valor desde sua oferta pública inicial em maio. A Beyond Meat e a Impossible Foods venderam 100% de sua carne vegetal para varejistas e redes de fast food nos Estados Unidos. No Brasil, grupos como Superbom, Fazenda Futuro e a gigante Seara, da JBS, também investem no segmento.

A carne cultivada a partir de células animais pode ser a próxima no cardápio, porque seus produtores buscam aprovações de reguladores enquanto melhoram tecnologia e reduzem custos.

O cofundador da empresa holandesa Mosa Meat, Mark Post, criou o primeiro hambúrguer de carne cultivada em 2013, a um custo de US$ 280 mil, financiado pelo cofundador do Google, Sergey Brin. No entanto, a Mosa Meat e a espanhola Biotech Meats dizem que os custos de produção caíram drasticamente desde então.

“O hambúrguer era tão caro em 2013, porque na época era uma nova ciência e estávamos produzindo em uma escala muito pequena, uma vez que a produção aumenta, projetamos que o custo para produzir um hambúrguer seria em torno de € 9”, disse o porta-voz da Mosa Meat à Reuters, acrescentando que pode ser ainda mais barato do que um hambúrguer convencional no futuro.

A cofundadora da Biotech, Mercedes Vila, também destacou a importância da passagem da fase de laboratório para a fabril. “Nosso objetivo é atingir a produção em escala e ter aprovação regulatória até 2021”, disse Vila.

VEJA TAMBÉM: Burger King incorpora proteína vegetal ao cardápio nos EUA

Ela acrescentou que o custo de produzir um quilo de carne cultivada em laboratório é de cerca de € 100, significativamente menos do que os US$ 800 citados há um ano pela Future Meat Technologies, uma empresa de biotecnologia israelense que recebeu financiamento da processadora de carne norte-americana Tyson Foods.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).