P&G tem vendas trimestrais acima do esperado por analistas

As vendas orgânicas da P&G aumentaram 7%, o melhor desempenho em pelo menos dois anos

A receita e o lucro trimestral da Procter & Gamble Co. superou as expectativas de Wall Street hoje (30), impulsionada pelos aumentos de preços e pela forte demanda por seus produtos de beleza como SK-II e Olay.

LEIA MAIS: P&G supera estimativas de lucro com aumento de preços

A P&G, assim como outras empresas de bens de consumo, vem elevando os preços de seus produtos para lidar com o aumento dos custos de frete e matérias-primas que afetaram as margens.

No quarto trimestre, as vendas orgânicas, uma medida observada de perto, que exclui itens como aquisições, desinvestimentos e efeitos cambiais, aumentaram 7%, o melhor desempenho em pelo menos dois anos. Os aumentos de preços contribuíram com 3 pontos percentuais para o crescimento orgânico das vendas, disse a empresa.

As vendas orgânicas no negócio de beleza subiram 8%, impulsionadas pela demanda por sua marca super-premium SK-II e produtos para cuidados com a pele Olay.

Na unidade de tecidos e cuidado domiciliar, o maior negócio da empresa que comercializa os purificadores de ar Tide e Febreze, as vendas orgânicas cresceram 10%.

As vendas líquidas da companhia subiram 3,6%, para US$ 17,09 bilhões no quarto trimestre, superando a estimativa média dos analistas de US$ 16,86 bilhões, segundo dados do IBES da Refinitiv.

VEJA TAMBÉM: Resultado trimestral da P&G supera expectativas

A fabricante de fraldas Pampers reportou um prejuízo líquido atribuível à empresa de US$ 5,24 bilhões, ou US$ 2,12 por ação, no trimestre encerrado em 30 de junho, principalmente devido a ajustes contábeis sem efeito caixa relacionados ao seu negócio Gillette Shave Care. Isso se compara ao lucro líquido de US$ 1,89 bilhão, ou US$ 0,72 por ação, um ano antes.

Excluindo itens, a empresa teve lucro de US$ 1,10 por ação, superando a estimativa média de analistas de US$ 1,05.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).