Dicas do fundador do Nubank para abrir uma startup

David Vélez também aborda a estratégia da entidade e avalia o potencial das fintechs de transformar o sistema financeiro.

Leandro Manzoni
Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Divulgação
Divulgação

David Vélez também aborda a estratégia da entidade e avalia o potencial das fintechs de transformar o sistema financeiro (Divulgação)

Ao deixar o Sequoia Capital – fundo norte-americano de venture capital – no fim de 2012, o colombiano David Vélez não imaginava o sucesso que conquistaria cinco anos depois, graças à criação de sua própria startup. “A nossa meta era ter um milhão de clientes em cinco anos. Conseguimos alcançá-la em dois anos”, conta Vélez sobre a fintech de cartão de crédito Nubank, que atualmente tem mais de três milhões de clientes. Além do colombiano – que é o CEO da operação -, a fundação do Nubank contou também com a participação do norte-americano Edward Wible e da brasileira Cristina Junqueira.

LEIA TAMBÉM: 10 melhores universidades para mestrados em gerenciamento

“Foi muito melhor do que imaginávamos – e em meio a um cenário pior do que aquele que havíamos projetado”, diz o executivo sobre o sucesso do Nubank ao conceder cartão de crédito durante a maior recessão econômica brasileira em 80 anos. A conquista inicial, entretanto, não permite acomodações. “Estamos no primeiro minuto do primeiro tempo”, exemplifica ele com uma metáfora futebolística.

Durante a conversa com FORBES, na sede da startup em São Paulo, em novembro, Vélez abordou a estratégia que levou o Nubank a se tornar uma das marcas mais queridas do mercado brasileiro. “A nossa meta sempre foi oferecer uma alternativa aos serviços financeiros tradicionais.” Depois de estudar o setor, a opção escolhida para entrar no mercado foi o cartão de crédito devido à facilidade de difundir a marca e conquistar a confiança do consumidor. Uma vez que esses objetivos foram atingidos, chegou a vez de lançar o serviço de conta corrente, em outubro do ano passado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

VEJA MAIS: Nubank anuncia conta corrente e vira banco digital

Vélez também avalia o potencial das fintechs de transformar os mercados bancários e financeiros dos países emergentes. Nos mercados desenvolvidos, o setor tem ampla concorrência e spreads baixos e eficientes, o que leva as empresas a margens de lucro muito baixas. “Este cenário exige a reinvenção dos bancos a todo momento: melhoria da interface digital, da relação com o consumidor etc.”, explica.

Já nos mercados emergentes, o mercado é oligopolizado, com a dominação de quatro ou cinco bancos. E, normalmente, onde há oligopólios, há também atendimento ruim, falta concorrência e a margem de lucro é elevada. “Este é o cenário ideal para a atuação das fintechs”, afirma Vélez ao apontar o potencial de transformação das pequenas empresas tecnológicas do mercado financeiro.

Por fim, o empreendedor dá dicas aos empreendedores que têm planos de abrir uma startup, mas não sabem como começar. Veja, abaixo, as cinco dicas apresentadas por ele:

  • 1. Visão

    Vélez é enfático ao afirmar que o empreendedor precisa ter um horizonte sobre o que pretende com a startup. “Não é ruim se for uma visão de curto prazo”, explica ele, apontando a necessidade de tomar uma decisão. O prazo do projeto estabelecido – seja ele de três ou de 10 anos -, vai afetar as decisões subsequentes. Além disso, Vélez recomenda criar as bases da empresa, logo nos primeiros anos, em setores como o financeiro, o tecnológico e, principalmente, o de recursos humanos – neste caso, porque há pessoas com quem vai se trabalhar durante vários anos.

    iStock
  • 2. Cultura

    “A cultura de uma empresa é definida pelas 12 primeiras pessoas e nos primeiros três meses de vida”, diz ele sobre uma parte que considera importante ser estabelecida logo de cara. Na avaliação de Vélez, deixar para depois a definição de propósito, valores, normas e o perfil das pessoas a serem contratadas não é uma boa estratégia. Consolidar a cultura da empresa o mais cedo possível – e de forma clara – atrai pessoas com valores semelhantes.

    iStock
  • 3. Equipe de alta performance

    Vélez diz que os momentos de crescimento exponencial de uma startup exigem uma equipe qualificada e com alta capacidade de execução, pois esse é um período difícil – além da necessidade de contratar dezenas de funcionários em poucos dias. E não é preciso saber apenas contratar – é preciso saber também dispensar colaboradores – de maneira ágil durante o período de crescimento da startup. “A empresa não é para todo mundo”, explica o empreendedor. “Senão ela não funciona”, diz.

    iStock
  • 4. Propósito

    Ter um propósito faz toda a diferença, e não pode ser apenas ganhar muito dinheiro com a startup. Na visão de Vélez, o retorno financeiro não é a única prioridade dos millennials, por isso a empresa precisa estabelecer seu propósito, de preferência social, para atrair jovens talentos. “Não é só reter bons profissionais, é preciso ter uma missão”, diz ao falar da motivação do funcionário de ir trabalhar com a missão de, por exemplo, mudar o país.

    iStock
  • 5. Gosto por oportunidades difíceis

    O empreendedor que faz algo difícil tem confiança na sua capacidade de execução. “Consegue fazer o que ninguém faz”, afirma o executivo. Caso o empreendedor opte por um caminho fácil, significa que ele escolheu algo que provavelmente todo mundo consegue fazer. A execução de algo complexo é capaz de dificultar a concorrência. “É ótimo fazer algo difícil”, diz Vélez sobre a experiência no Nubank, lembrando que, no início, as pessoas diziam que ele não conseguiria sucesso com cartão de crédito devido ao elevado nível de fraudes no setor.

    iStock

1. Visão

Vélez é enfático ao afirmar que o empreendedor precisa ter um horizonte sobre o que pretende com a startup. “Não é ruim se for uma visão de curto prazo”, explica ele, apontando a necessidade de tomar uma decisão. O prazo do projeto estabelecido – seja ele de três ou de 10 anos -, vai afetar as decisões subsequentes. Além disso, Vélez recomenda criar as bases da empresa, logo nos primeiros anos, em setores como o financeiro, o tecnológico e, principalmente, o de recursos humanos – neste caso, porque há pessoas com quem vai se trabalhar durante vários anos.

Compartilhe esta publicação: