Braskem tem queda de 2% no lucro do 1º trimestre

A demanda de resinas no Brasil foi 4,2% maior do que um ano antes.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:

A demanda de resinas no Brasil foi 4,2% maior do que um ano antes

Acessibilidade


A petroquímica Braskem registrou lucro praticamente estável no primeiro trimestre, com uma melhora moderada no Brasil ofuscada pela piora dos spreads petroquímicos no mercado global. A companhia anunciou nesta quarta-feira que teve líquido de R$ 1,028 bilhão no período, uma queda de 2% ante mesma etapa de 2018. O resultado operacional da companhia medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 2,774 bilhões, um avanço de 5% ano a ano. O Ebitda recorrente desabou 60% no comparativo anual.

LEIA MAIS: Braskem tem prejuízo de R$ 179 milhões no 4º tri

“O primeiro trimestre se mostrou desafiador em razão dos menores spreads petroquímicos no mercado internacional, dada a revisão de crescimento da economia global para o ano de 2019”, afirmou em nota o presidente da Braskem, Fernando Musa.

A receita líquida da empresa, que é alvo de aquisição da europeia LyondellBasell, ficou estável no período, a R$ 12,98 bilhões, mas o custo com produtos vendidos subiu 9%, a 11,2 bilhões. A demanda de resinas no Brasil foi de 1,4 milhão de toneladas, 4,2% maior que um ano antes.

A taxa de utilização das fábricas no Brasil foi de 88% no primeiro trimestre, queda de dois pontos percentuais ano a ano, impactada por problemas operacionais. A taxa de utilização das plantas nos EUA e na Europa foi de 90%, também inferior em função de paradas não programadas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

De janeiro a março, a Braskem exportou do Brasil, 356 mil toneladas de resinas, alta sequencial de 16%. Mas a exportação dos principais produtos químicos produzidos no Brasil, de 194 mil toneladas, caiu 10% sobre o trimestre anterior, influenciado pelo menor volume de gasolina. No fim de março, a alavancagem financeira da Braskem medido pela relação dívida líquida/Ebitda era de 2,09 vezes, ante índice de 1,98 vez 12 meses antes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Compartilhe esta publicação: