Como o “Megxit” pode ajudar você a avançar na carreira

GettyImages/ Chris Jackson
Meghan escolheu uma vida que fazia sentido e não se importou com uma história ideal construída pra ela

Meghan Markle aparentava ter ganho a loteria da vida. Uma plebeia como todos nós, levada no colo pelo príncipe Harry, parecia ter conseguido o ingresso para o “felizes para sempre”. O conto de fadas se tornou realidade. Mas então a realidade bateu à porta, e eles estão saindo da família real. Com o chamado Megxit, vemos o conto de fadas romântico em crise. Mas não se preocupe. Como tenho visto na minha clínica, agora temos uma história melhor: Megxit está nos dando uma narrativa de “não se importe com uma promessa vazia”. E essa narrativa empoderadora é muito melhor psicologicamente do que um conto de fadas romântico.

O Megxit acaba sendo tanto sobre nós como sobre coisas como a realeza ou o persistente racismo britânico. Laurie Essig, que escreve para o site “Ms”, é professora de sociologia do Middlebury College e autora do livro “Love, Inc.: Dating Apps, The Big White Weddings and Chasing The Happily Neverafter” (“Love, Inc .: Aplicativos de Namoro, Grandes Casamentos Brancos e Busca do Final Feliz”, em tradução livre) escreveu: “Uma vez que a ideologia do romance não é mais a de que vale todos os sacrifícios, teremos que criar ideias diferentes sobre como ter um final feliz.” Ela concluiu dizendo que Megxit “pode ser o conto de fadas moderno que precisamos para sobreviver no futuro incerto que espera a todos”.

LEIA MAIS: Rainha Elizabeth encontra Harry para debater crise na família real

Ela encontrou seu príncipe de verdade. Mas acabou sendo uma estrada inaceitavelmente irregular para felizes para sempre, talvez um beco sem saída. Então eles fizeram mudanças, fornecendo uma narrativa que outros podem usar para questionar promessas vazias sedutoras por aí. Aqui está um exemplo da impressão que a nova narrativa do Megxit passava dentro do meu escritório. (Observe que sempre que menciono qualquer coisa que ocorra em meu consultório clínico, faço isso com informações disfarçadas, às vezes compostas, usadas com permissão.)

Há alguns anos, a mulher que eu trato deixou um emprego acadêmico bastante seguro pela promessa cintilante de ser uma funcionária precoce de uma startup moderna do Brooklyn. Todos na empresa ficaram inicialmente encantados com o fundador visionário que a lançou. Seria feliz para sempre em qualquer situação. Mas esse homem acabou por não ser o empresário carismático que, em troca de tempo, talento e total comprometimento, proporcionaria um final feliz de alto crescimento, trabalho criativo em equipe e riqueza eventual. Em vez disso, ele era um mestre do gaslighting, um gerente incompetente e narcisista destruindo uma ótima ideia. Os problemas nunca foram realmente resolvidos. Eles eram ignorados para acalmar o orgulho dele, que nunca, nunca estava errado sobre nada. As tentativas de executar estratégias se tornaram cada vez mais frustrantes.

Depois de um ano, ela começou a procurar por uma mudança, talvez a graduação que ela sempre quis, outro emprego ou algo assim. Mas não conseguiu puxar o gatilho. A promessa brilhante de uma startup feliz para sempre a fez duvidar de suas próprias percepções. Mesmo o fato de saber todas as mentiras tirou o poder das mensagens. Elas continuam poderosas, especialmente quando aprisionadas em um conto de fadas empresarial.

Então o Megxit aconteceu. Isso a influenciou. Ela viu a situação como Meghan, com Harry, decidindo não aceitar os abusos que vieram com o conto de fadas. O “bom demais para ser verdade” era realmente isso. Seguir em frente quando uma promessa não vale mais o custo fazia sentido para ela. O tempo é curto. A vida continua. E se eles poderiam fazer isso, por que não ela?

Então, ela ativou a senha do guia de estudo e começou a estudar para os exames de graduação. Ela tomou uma atitude. Durante várias sessões, conversamos sobre como ela finalmente decidiu parar de pensar em uma mudança e começar a agir. Ela sabe que muito mais precisa ser feito, e o caminho a seguir não será fácil. Mas agora ela tinha uma visão própria, e não emprestada do profeta caído. Ela estudava e buscava um emprego enquanto investia tempo até precisar sair ou a empresa falir, como ela imaginava que inevitavelmente aconteceria. O próximo passo de sua jornada seria a pós-graduação que ela sempre desejou.

LEIA TAMBÉM: Harry e Meghan deixarão de ser membros da família real

Claro, a jornada pessoal dela e o Megxit aconteceram no mesmo momento. Talvez outra coisa pudesse tê-la ajudado a passar da contemplação para a ação se o Megxit não tivesse acontecido agora. E tenho certeza de que Meghan e Harry não decidiram seguir uma vida independente apenas para fornecer uma narrativa que outros poderiam usar em suas jornadas pessoais. Mas com certeza está funcionando dessa maneira. Bom para eles.

Além disso, os contos de fadas românticos ainda podem ter um lugar. Eles podem ajudar a alimentar a imaginação e a fantasia. Pode ser divertido. Eles só se tornam perigosos quando afastados da experiência e da realidade.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).