"Empreender tem a ver com propósito", diz Daniel Castanho na primeira live Leading the Future

Dono do grupo Ânima e Antonio Camarotti, CEO da Forbes, falaram sobre estilos de liderança na live do curso criado pelas duas instituições.

Fabiana Corrêa
Compartilhe esta publicação:

Daniel Castanho é o primeiro recebido das live casas Leading the Future para falar sobre liderança e empreendedorismo

Acessibilidade


A primeira live case do curso Leading the Future teve a presença de Daniel Castanho, presidente do conselho de administração do grupo Ânima, da qual a SingularityU faz parte. O grupo inclui ainda as universidades Anhembi Morumbi e São Judas, além da renomada escola de gastronomia Le Cordon Bleu.

O Leading the Future é um programa de liderança e empreendedorismo criado pela Forbes em conjunto com a SingularityU.  As inscrições podem ser feitas aqui.

Daniel Castanho conversou com o CEO e publisher da Forbes Brasil, Antonio Camarotti, e contou um pouco da sua história como empreendedor, que começou quando ele ainda estava na faculdade e tentou trazer a lanchonete Subway para o Brasil (não conseguiu, mas pouco tempo depois, quando a rede chegou por aqui, virou um franqueado) e seguiu com diversos negócios em muitos mercados. “Em alguns negócios eu sou um empresário, em outros, como é o caso da SingularityU, eu sou um empreendedor pois nosso trabalho tem um propósito para além do lucro, que é incentivar a educação no país.”

Aqui, um resumo do case contado contado por Daniel:

Liderança

“Ser líder é buscar o melhor de todas as pessoas, ser responsável pelo seu desenvolvimento.  O líder faz com que você evolua junto pois ele inspira. O chefe controla e comanda. É mais ou menos como um bom professor e um mau professor.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Lei do retorno

“Desde cedo cresci em um ambiente de abundância, meu pai deixou claro que eu teria o que ele acumulou. Por isso sentia que tinha um privilégio e precisava devolver ao mundo o que recebi. Trabalhar com educação faz parte desse propósito.”

Autenticidade

“Ser genuíno é ser integro em relação ao que você se propôs a fazer. Temos que tomar cuidado pois com o tempo muitos se desconectam de sua essência. Olhe para você e pergunte: o quanto de você é você mesmo? Acho que essa história de ficar em casa com a pandemia nos fez repensar tudo isso e nos conectarmos com nossa essência. As pessoas perceberam que podem ser elas mesmas.”

Inovação

“As pessoas que querem fazer algo diferente quebram o tempo inteiro. Eu ja tive 13 empresas de internet ao mesmo tempo e quebrei todas. Mas recomecei. O sucesso não é algo linear.”

Compartilhe esta publicação: