Por que o inglês pode ajudar mais na disseminação de coronavírus do que outras línguas

Getty Images/Reprodução/Forbes
Getty Images/Reprodução/Forbes

O novo coronavírus se espalha por secreções, e a forma como falamos pode contribuir na disseminação da doença

Uma nova pesquisa sugere que pessoas que falam inglês espalham mais gotículas de saliva pelo ar, o que pode torná-las mais propensas a disseminar a Covid-19. Uma vez que o novo coronavírus se espalha por secreções, a simples forma como falamos pode contribuir para diferentes taxas da doença. Tudo se resume a algo chamado consoantes aspiradas, sons que realmente espalham mais gotículas de saliva no ar.

Nas salas de aula, todos sabem quais professores cospem mais. As primeiras filas de suas classes sempre ficam vazias após o primeiro dia de aula, já que os corajosos que estavam sentados no local anteriormente foram banhados com a saliva do professor. Quando uma palestra é particularmente entediante, os alunos ficam fascinados com a forma como a luz do sol capta as gotas de cuspe, pairando no ar ao redor do professor.

LEIA MAIS: Covid-19 fez avanços globais de saúde recuarem décadas, diz Fundação Gates

Memórias de professores que falavam alto são uma coisa. No entanto, agora sabemos que simplesmente falar inglês pode significar que estamos todos cuspindo nas pessoas ao nosso redor.

Coronavírus se espalha por partículas

Todos nós sabemos que tosses e espirros espalham germes, é assim que sempre pegamos resfriados e gripes. Essa disseminação ocorre porque tossir ou espirrar projeta gotículas de alta velocidade cheias de vírus de nosso nariz e garganta para o ar ao nosso redor. É por isso que sempre nos disseram para tossir em nossos cotovelos e lavar as mãos com frequência, mesmo antes da Covid-19.

Porém, a pandemia fez com que algumas pesquisas descobrissem algo a mais sobre meios de disseminação: não é preciso tossir e espirrar, a simples fala já é capaz de levar os vírus em aerossol para o ar. Essa é uma das maiores razões para a recomendação de que todos usem máscaras e fiquem a um metro e oitenta de distância uns dos outros. Outro tópico importante é que nem toda conversa leva a mesma quantidade de gotas ao ar. Tudo depende de qual idioma o falante está usando.

Um dos primeiros sinais de que poderia haver uma diferença em como os vírus se espalham de acordo com o idioma falado surgiu de observações feitas na China. Surpreendentemente, isso não aconteceu durante a pandemia de Covid-19, mas durante o primeiro surto de SARS com o SARS-CoV-1 no sul do país asiático. Esse vírus levou a mais de 8.000 casos registrados em 26 países.

Naquela época, havia muito mais turistas japoneses do que americanos no sul da China, mas os americanos foram responsáveis ​​por 70 casos de SARS-CoV-1 e o Japão não teve nenhum caso. Como isso aconteceu? Na época, uma explicação dos cientistas tinha a ver com a linguagem. Como o pessoal das lojas chinesas geralmente era multilíngue, eles normalmente falavam com os compradores americanos em inglês, enquanto falavam com os turistas japoneses em japonês. E isso é importante porque o inglês está cheio de consoantes aspiradas, enquanto o japonês tem poucas delas.

As consoantes aspiradas lançam saliva para o ar

Enquanto o japonês tem poucas consoantes aspiradas, o que faz com que os falantes espalhem poucas gotículas enquanto se expressam, o inglês tem três delas. Especificamente, as consoantes “p”, “t” e “k”. Emitir esses sons lança uma miríade de gotículas minúsculas do trato respiratório do locutor para o ar, criando uma nuvem de saliva. Se essa pessoa for portadora de um vírus, o ar estará cheio de partículas virais.

VEJA TAMBÉM: Mario Garnero: há luz no fim da crise

Até agora, a perspectiva desse cenário pode ser nojenta, mas nunca pensamos que isso poderia nos colocar em risco de contrair uma doença mortal. A Covid-19 mudou essa visão, e é por isso que os pesquisadores da Universidade RUDN estudaram se as pessoas que falam línguas com letras aspiradas têm uma taxa mais alta de infecção por coronavírus.

O estudo analisou dados de 26 países com mais de 1.000 casos de Covid-19 em 23 de março de 2020. Essa é uma janela de tempo útil porque foi antes do uso de máscara se tornar massivo. Os países foram agrupados de acordo com o fato de as línguas faladas predominantemente conterem consoantes aspiradas ou não.

De fato, houve mais casos de infecção por coronavírus em países que falavam línguas com consoantes aspiradas. Esses países mostraram 255 casos de Covid-19 por 1 milhão de residentes, enquanto os países onde as línguas tinham poucas consoantes aspiradas tiveram 206 casos por 1 milhão de residentes. Tecnicamente, esses números não alcançaram significância estatística, mas a observação é interessante.

RUDN/Reprodução/Forbes
RUDN/Reprodução/Forbes

Segundo a pesquisa, o número de casos de coronavírus em um país pode estar relacionado às consoantes aspiradoras na principal língua utilizada para a comunicação

O estudo citou limitações experimentais, como fazer suposições sobre a formação linguística dos falantes –o que pode impactar no quanto eles aspiram suas consoantes. A instituição de medidas de distanciamento social em taxas diferentes também pode ter impactado esses achados. Eles referem-se ao seu artigo como uma forte hipótese, mas que exige mais estudos.

O que levar dessa informação? Usar máscaras é uma maneira prática de atenuar esse problema. Quando falamos com máscaras, guardamos nossas gotas para nós mesmos.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).